1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Poética do Conto: de Poe a Borges (Charles Kiefer)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Meia Palavra, 14 Abr 2011.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    [align=justify]O conto é um gênero literário que parece ter pouco espaço entre os leitores brasileiros, mas bem visto entre os escritores. Ao escolher a próxima leitura, noto que o leitor prefere os romances longos, cheios de personagens e enredos com mil reviravoltas. Enfim, dão preferência às histórias que se aprofundam no que pretendem contar. Com os contos tudo é diferente: não é apenas o tamanho reduzido que proporciona leitura curta, mas também a própria abordagem de uma história, que age com mais ação e intensidade. Para o leitor amante de romances, o livro A Poética do Conto: de Poe a Borges – um passeio pelo gênero, do professor Charles Kiefer e publicado pela editora Leya, não serve apenas para conhecer mais o conto, mas para ver sua grandeza na literatura.

    Para falar desse gênero, Kiefer aborda no livro a produção crítica e literária de três grandes autores que dedicaram a vida ao conto: o pai da literatura policial Edgar Allan Poe e os argentinos Julio Cortázar e Jorge Luis Borges. Nomes conhecidos que veem o conto como o gênero onde o autor pode mostrar de forma mais única todo o seu talento. A pesquisa de Kiefer se divide em três partes, cada uma tratando de um dos autores estudados e suas leituras. Assim, o leitor tem acesso às críticas de Poe ao escritor Nathaniel Hawthorne, às de Cortázar a Poe e às de Borges a todos os escritores anteriores. Esse é um exercício que define o conto ao mesmo tempo em que mostra como cada autor o enxergava e o que colocavam em seus próprios textos. Kiefer também avalia se eles seguiam as regras estipuladas em seus ensaios e resenhas em suas próprias obras.[/align]

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    parece ser melhor q o 'para ser escritor' dele, se bem q as 3 estrelinhas no skoob da izze ñ me deixam + animado comparado com as 2 estrelinhas q eu dei pro outro livro.
     
  3. Izze.

    Izze. What? o.O

    Ahhahaha. 3 estrelinhas é bom, então vale. =B
    Só dou 4 ou 5 estrelas quando é algo muito WOOOOOOOOW xD
     
  4. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Essa classificação do skoob é engraçada.
    Eu tb dou 3 para livros bom, ou seja, merecem serem lidos.
    2 para ruins
    1 para péssimos
    4 e 5 pode até não ser tããão bem escrito, masss caso me emocionaram ou surpreendeu dou 4 ou 5
     
  5. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    tb avalio com 4 ou 5 estrelas só os livros q me tiram do eixo, q me fazem sair da letargia mental ou sensorial e q passam a fazer parte do meu vocabulário d citações & argumentos a partir da sua leitura.

    2 ou 3 são pra livros tipo assim, medianos ou bonzinhos, q li mas q ñ fariam diferença alguma na minha vida se ñ tivesse lido.
     

Compartilhar