1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Sobre a ficção do chão que você pisa.

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Mavericco, 7 Jan 2014.

  1. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    "Na edição deste mês do
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , a reportagem de capa traz um questionamento acerca do que implica a questão “literatura contemporânea pernambucana”. Ou melhor: por que em tempos em que tanto falamos da diminuição da importância de termos como “local”, ainda é tão importante destacarmos a perspectiva da escrita de um estado, de um país?"


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Páginas 10 a 13 da revista.
     
  2. Calion Alcarinollon

    Calion Alcarinollon Filho da Santa Igreja Católica Apostólica Romana

    Não entendi onde queres chegar.
     
  3. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Acho que ficou confuso mesmo. Me desculpem.

    Seria para lerem a matéria e discutirmos sobre essa questão de local-universal na produção contemporânea. O artigo suscita um bom debate.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. -Jorge-

    -Jorge- mississippi queen

    Mas depois de toda a teoria, ele nem responde sobre a relevância de se falar em uma literatura local, ou se faz diferença a literatura ser feita em Pernambuco ou outros lugares... =/

    Sobre a relação universal/local, é inevitável citar aquela frase do Tolstoi: "Se queres ser universal, começa pintando a tua aldeia". O problema é lembrar de que supostamente vivemos em uma "aldeia global" agora. Como ficamos? Todas as cidades grandes se parecem? Há mesmo essa homogeneização cultural do mundo que alguns críticos da globalização (marxistas?) citam?

    Em relação ao país, acho que talvez faça mais diferença o fato de escrever em português do que de um país de economia secundária no mundo. Em relação a identidade de uma cidade, estado ou região, é mais complicado. Não acho que caiba o regionalismo no modelo antigo, do pitoresco. E será que cabia antes também? O princípio era descrever as partes de um país para descrever o todo?

    Sobre o declínio da historiografia, os argumentos dele, tirados do Acízelo de Souza, são o declínio do nacionalismo e o fim da linearidade. São argumentos interessantes. Um outro seria o fim da "extensividade". A pretensão ao global é motivo de desconfiança, como não era no século XIX. Os críticos podiam escrever sozinhos UM livro sobre TODA a história literária de um país, mas hoje isso é visto como impossível. Devido ao grau de especialização das coisas, o conhecimento de uma pessoa sempre vai ser superficial em algumas áreas.
     
    • Ótimo Ótimo x 1

Compartilhar