1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Nobel Física 2014

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por [F*U*S*A*|KåMµ§], 9 Out 2014.

  1. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    O prêmio foi entregue para Isamu Akasaki (Meijo University, Nagoya, Japão e Nagoya University, Japão), Hiroshi Amano (Nagoya University, Japão) e Shuji Nakamura (University of California, Santa Barbara, CA, EUA), pelo desenvolvimento do diodo emissor de radiação na faixa do azul que proporcionou a criação de iluminação branca mais eficiente.


    No site ali tem dois PDFs para leigos e para quem é um pouco mais da área.

    O grande passo no desenvolvimento do LED azul foi a fabricação dos semicondutres denominados nitretos (especialmente GaN, Nitreto de Gálio) que possuem uma energia de gap bastante alta em comparação aos semicondutores utilizados para optoeletrônica até então. Diodo já era uma tecnologia dominada há algum tempo para fabricação de LEDs em outra faixa de cores, mas faltava uma pesquisa em materiais para encontrar este semicondutor com gap direto capaz de gerar fótons acima de 2/2.5eV de forma eficiente.

    Nitretos foram tão revolucionários que hoje em dia muita pesquisa tem sido direcionada toda em cima destes materiais em detrimento dos materiais convencionais (GaAs, Si, etc), pois outros compostos como AlN (nitreto de alumínio), InN (Nitreto de índio), conseguem incorporar faixas de energia de gap similares aos desses materiais.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  2. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Essa década tá sendo excelente pra pesquisas e desenvolvimento de tecnologias de LED. Eu já tinha ficado muito impressionado com que vi na última Expolux e só espero boas inovações na próxima edição em 2016.
     
  3. Deriel

    Deriel Administrador

    Tremendo desaforo e tapa na cara do inventor do LED, dar esse prêmio ao desenvolvimento do LED azul.

    Shame on Nobel.
     
  4. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Eu tenho lido essas notícias e tenho ficado bem dividido.
    Apesar do marketing para o público geral ser o da invenção dos LEDs de altas energias, a revolução deles na indústria de produção de semicondutores para optoeletrônica é em outro nível, muito mais básico de ciência de materiais.
    Mas claro, em termos de marketing pra chamar a atenção, falar da aplicação é o que vai dominar os jornais.

    Os nitretos desenvolvidos, estudados e aplicados por eles (e milhares de outros ao redor do mundo) deram uma guinada de quase 90graus nos centros de pesquisa, universidades e indústria optoeletrônica.

    Holonyak é um gênio, trabalhando também com LASERs de poços quânticos, mas o primeiro LED foi infra-vermelho, não o dele. Retroativamente, o prêmio deveria ir pra Biard, então. Ainda mais que em termos de aplicação, infravermelho é muito mais utilizado para telecomunicação do que o visível.
    Mas ao mesmo tempo as propriedades do GaAs, que foi o material utilizado, já eram conhecidas há um bom tempo com experimentos de fotoluminescência. Retroativamente então deveria-se buscar quem primeiro desvendou as propriedades de emissão de IV por compostos semicondutores de gap direto.


    Enfim.
    Considerando-se que Nobel também não é garantia de escolha correta, acredito que poderia-se ter incluído mais nomes no conjunto para evitar esses conflitos. Ainda mais numa área tão multi-disciplinar em que não dá pra pescar um cara que sozinho desenvolveu a fabricação cristalina de um determinado material, juntamente com o design do diodo e ainda mais a sua fabricação final.
    Mas se o foco era tecnologia para sustentabilidade e iluminação de alta eficiência, não diria que Holonyak e Biard foram desprezados em nome dos 3 ganhadores. Esse objetivo não seria alcançado com estes materiais.
     
  5. Deriel

    Deriel Administrador

    Eu diria que sem LED não teríamos o "LED azul" (entenda aqui tudo que está por trás desse desenvolvimento).

    A meu ver é como dar um prêmio pro desenvolvedor do ABS mas não pro criador do carro
     
  6. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Mas o ponto é esse.
    Em termos de avanço tecnológico individual, Holonyak, Biard e os japoneses fizeram processos iguais. Nenhum deles foi o pai do diodo que é o princípio de funcionamento do LED, eles aplicaram a fabricação a materiais com propriedades óticas distintas. Surgiu o infravermelho com Biard, o vermelho com Holonyak e depois o azul com os japoneses.
    Só que não é só a questão da cor como parece ser nas notícias. Nitretos são uma revolução em material optoeletrônico, foram eles os que realmente colocaram como possibilidade iluminação de alta eficiência.
    Não é apenas que os 3 de agora deram continuidade natural ao processo colocando uma corzinha a mais no espectro dos LEDs, eles deram uma revolucionada na indústria.
     

Compartilhar