• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

'Não! Não olhe!' (Nope, 2022; dir. Jordan Peele)

Qual a sua avaliação do filme?

  • 9–10: Ótimo, supimpa!

    Votos: 1 25,0%
  • 7–8: Muito bom, recomendo!

    Votos: 3 75,0%
  • 5–6: Divertido, pra Sessão da Tarde...

    Votos: 0 0,0%
  • 3–4: Não vale o tempo investido...

    Votos: 0 0,0%
  • 1–2: Fecal, exijo indenização.

    Votos: 0 0,0%

  • Total de votantes
    4

Béla van Tesma

Nhom nhom nhom
Colaborador

Entre Tarantino e Hitchcock estreia: 'Não! Não olhe!', de Jordan Peele​

Com efeito de montanha-russa no roteiro, o mais recente filme de Jordan Peele arrisca e traz apelo: Não! Não olhe! assusta, diverte e surpreende; nem sempre para o bem​

Ricardo Daehn
postado em 25/08/2022 06:00 / atualizado em 25/08/2022 10:14

 (crédito:  Universal/Divulgação)

(crédito: Universal/Divulgação)

Tão logo chamou a atenção do mundo, com o longa vencedor do Oscar, Corra!, o autor do roteiro daquele filme, Jordan Peele, obteve a comparação imediata com Quentin Tarantino. Ainda que reafirme a fonte de inspiração no mestre Alfred Hitchcock, Peele até faz por onde sustentar o comparativo com a nova ficção científica Não! Não olhe! que chega aos cinemas nesta quinta-feira (25/8). A premissa do filme que reencaminha bases do faroeste — traz a forte participação de atores negros e reconfigura papéis a eles reservados, num andar ao estilo de Os oito odiados (assinado por Tarantino). Mas há raízes diferenciadas na trama que mostra os irmãos OJ Haywood (Daniel Kaluuya) e Emerald (Keke Palmer) na tentativa de perpetuar a fama da família deles — os Haywood, que estão fortemente ligados ao desenvolvimento de um rancho no Vale de Santa Clarita (Califórnia).


image_3_-26294420.jpg


Além de treinar cavalos, há estrita ligação de OJ e Emerald no ramo da rica indústria de Hollywood. Vizinho ao rancho em que vivem, um decadente parque temático é administrado por Ricky Jupe (Steven Yeun), oportunista ex-ator de tevê traumatizado por um episódio que — narrado com a a grandeza de um mestre da tela como Stanley Kubrick — engrandece o cinema de Peele. Se o parque temático remete à decadência de A última sessão de cinema (1971), Jordan Peele traz no embrião criativo o cinema de reconquista, alardeado pelo astro Sidney Poitier, fundamental ao chamado cinema negro. Não por acaso, um poster do faroeste Um por Deus, outro pelo diabo (1972), estreia na direção de Poitier, estampa uma das cenas. No filme setentista havia interessados em reacender o modelo escravagista.

Mesmo diretor de Nós (2019), Peele se arvora em remeter o novo filme a Sinais (de M. Night Shyamalan) e a duas produções de Steven Spielberg: Contatos imediatos do terceiro grau (do qual aproveita a imersão sonora) e ET (na icônica cena do toque de dedos). Sem insistir na tecla de conteúdos e choques sociais, Peele deixa que as forças da natureza ajam no novo filme. Junto com uma teoria da conspiração, o aparecimento de objeto voador não identificado traz uma guinada no roteiro do filme. Entram em cena dois personagens capacitados a, com uso de tecnologia, registrar episódios inexplicáveis: o entusiasmado Angel (Brandon Perea) e um cineasta chamado Antlers (Michael Wincott). Depois de uma frustrada tentativa de integrar uma equipe de cinema, os irmãos protagonistas investirão no desvendar de UAPs (Fenômenos aéreos não identificados).

Um elemento é evidente em Não! Não olhe! e diz respeito à coleta e eternização de imagens. Para além do visual que, à luz do dia, crava a existência de uma mansão que lembra a de Terror em Amityville (1982), o filme examina a importância do tataravô do cinema — o zoopraxiscópio, criação no século 19 do fotógrafo britânico Eadweard Muybridge. O por quê da falta de notoriedade de um negro que, indiretamente, participou daquele invento, é parte da discussão de Não! Não olhe!. Dentro do foco central do longa, em que cavalos e um macaco têm forte importância, os personagens, acostumados a domar e amestrar animais, topam com o indomável. O inesperado desponta com o nítido surgimento de um disco voador, bem naquele esquema batido de aventura sci-fi.

A instabilidade para a isolada região californiana terá direito à abrupta queda de energia e à cômica intromissão de sensacionalismo relacionado aos fatos que cercam o filme capaz de adotar ramificação de tema assemelhada à do experimentalismo do ousado diretor Gus van Sant (dos áridos Gerry e Garotos de programa). A perda do controle desperta uma teoria que lembra a percepção de que animais afastados do habitat natural tendem a retornar ao ponto de origem. Numa escolha arriscada, a equipe da designer de produção Ruth de Jong aposta num visual questionável para o Ovini, num misto de plasma e panqueca voadora, e que acopla em si aparatos de uma câmera fotográfica.

Discutindo demarcação de território e captando imagens aterradoras de uma zona de completo caos para os humanos, o longa de Jordan Peele convence. Mas o roteiro (do diretor) fica atrapalhado, ao desprestigiar a elaborada e envolvente trama que cerca o passado de Ricky Jupe (Steven Yeun), testemunha de uma extremada atrocidade que o traumatiza. Se perde, de certo modo, o cineasta que discutiu sadismo e construção de identidade, em Nós, e apelou para um thriller de tirar o norte, em Corra!.

Fonte: Correio Braziliense



O trailer oficial (sugiro NÃO olhar [sem trocadilhos; é pra não saber demais antes de ver rs])...
Já tem pra baixar em torrents também; fica a dica do @Bartleby
 
Gostei bastante, mais pelo combo direção/fotografia/edição (são 130 minutos que passam num flash). É um espetáculo audiovisual, nesse aspecto recomendo ver na telona.

Agora, eu imagino esse filme alienando muita gente, saindo decepcionada...

Ele é bem meta aqui... Sabem aqueles livros sobre a escrita em si, ou sobre outros livros, ou sobre o poder da leitura, que acabam chateando quem só quer uma boa história? É meio que isso, é muito sobre a ambição artística, sobre o papel do artista negro (ou de outras minorias) dentro de um contexto que os exclui, e os quer destruir. É meio que isso, bem simples, abstrato, nada muito acontece em termos de estória... mas de novo, se você quer excelentes visuais, um senso de ritmo que entende como prender a audiência, e um pouco (não muito) pra pensar depois, é uma ótima pedida.
 
Acabei de ver. Ainda está na música final dos créditos aqui no player rs. Filmaço. Lindão. Puta trilha sonora também. Vejam sem medo. Mané meta. :rofl: (sem desmerecer o Brucinho <3)
 
Um bom filme, prendeu minha atenção - embora seja daqueles que causam o efeito 'oh wait' depois que você sai do cinema.

Oh wait, como assim por seis meses teve um show de alimentação de alinenígena e nesse período nunca apareceu o FBI para interditar e investigar? Achei desnecessária esse período de seis meses.

Incrível o design da criatura.
 
Mas, Grimnir...
Eu entendi que o Jupe vinha alimentando o monstro com os cavalos somente; nada ali levava a crer que o show com a apresentação do monstro estivesse ocorrendo antes daquele momento. Tanto mais porque, na primeira vez que houve, o Jupe se fodeu e foi comido junto. Acho que ele alimentava o bicho com cavalos e se iludiu imaginando que o tivesse domado a ponto de estar seguro. Enfim. Não teriam cometido um erro tão grosseiro. I guess.
 
Mas, Grimnir...
Eu entendi que o Jupe vinha alimentando o monstro com os cavalos somente; nada ali levava a crer que o show com a apresentação do monstro estivesse ocorrendo antes daquele momento. Tanto mais porque, na primeira vez que houve, o Jupe se fodeu e foi comido junto. Acho que ele alimentava o bicho com cavalos e se iludiu imaginando que o tivesse domado a ponto de estar seguro. Enfim. Não teriam cometido um erro tão grosseiro. I guess.
Você tem razão, o espetáculo de fato não ocorre há seis meses. Se não me engano, o que Jupe diz é que há seis meses, naquele horário, ele vinha alimentando a criatura e que naquela apresentação específica ele apresentaria essa 'domesticação' para o público. Acho que é isso mesmo. Inclusive agora lembrei que é dito que foram vendidos dez cavalos, então imagino que foram todos usados ao longo desses seis meses. Bem, se a criatura basicamente se alimentava nesse contexto, pelas mãos de Jupe, faz sentido que estivesse em segredo por tanto tempo.
 
Que filme bacana!
Amei tudo, história, as reviravoltas, os atores (todos!) com destaque para:
a irmã do OJ, o babaca do tmz com visual "daft punk", o Angel cagão se enrolando no arame farpado e o cineasta falando aquelas groselhas com voz de vilão cansado! :rofl:

Sobre o Jupe:
ele alimentava o bicho com cavalos e se iludiu imaginando que o tivesse domado a ponto de estar seguro.
Sim. E foi poupado pelo chimpanzé , viu e guardou aquela sapatilha que ficou em pé bizarramente durante a tragédia no estúdio... acho que o maluco acabou acreditando que era um predestinado pra lidar com animais selvagens.

E o negócio de "não olhar" me lembrou aquele vídeo famoso do homem que encontra uma família de gorilas e evita olhar pros bichos pra eles não ficarem agressivos.

Além de um lembrete da Isabela Boscov de que até pouco tempo atrás, nos EUA, pessoas negras não podiam olhar diretamente pra os brancos, sob risco de às vezes até ser preso ou morto. :tsc:

É um filme de muitas camadas, ou apenas bem divertido.
Queria ter visto no cinema.
 

Valinor 2023

Total arrecadado
R$2.404,79
Termina em:
Back
Topo