1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Lord Elven] [Um Novo Amanhecer]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Lord Hugo, 14 Jan 2004.

  1. Lord Hugo

    Lord Hugo Usuário

    [Lord Elven] [Um Novo Amanhecer]

    *Nossa! Agora que vi. O nick no nome do tópico tá errado. coloquei meu outro alter-ego.


    Este é o primeiro conto que estou postando aqui para vocês lerem. É Ficção Científica bem light. 8O

    Espero que vocês gostem. :roll:


    Um Novo Amanhecer

    Don acordou assustado com o terremoto que sacudia sua casa. As paredes balançavam tanto que tudo que não fosse preso em alguma coisa caiu no chão. A poeira era uma coisa sem descrição, a única correlação possível seria com uma tempestade de areia. O pó caia do teto e deixou a casa de Don suja como nunca tinha estado antes, quase todo o reboco tinha caído. O terremoto cessou e Don saiu de baixo de sua cama, para onde tinha ido quando o teto parecia que ia desabar em sua cabeça, para verificar os estragos, que, por sinal, não eram poucos. Por curiosidade foi até a janela para ver como estava o pátio de sua casa. Qual não foi sua surpresa ao verificar que nada tinha mudado, com exceção de estar com um pouco mais de terra espalhada pelo caminho, estava tudo como antes.

    Aquilo deixou Don intrigado. O terremoto parecia ter sido grande não havia nada quebrado nem nenhuma rachadura no chão. O pátio estava apenas sujo. Será que tinha sido uma tempestade de areia? Don analisou essa possibilidade e a recusou logo, já tinha passado por várias tempestades de areia e nenhuma tinha feito aquilo. Nem mesmo uma pequena, o pátio sempre fora completamente destruído.

    Isso ficou na cabeça de Don por algum tempo, de qualquer jeito não precisaria reconstruir o pátio e isso já era um alívio, os estragos não tinham sido tão grandes. Resolveu limpar logo a casa, o dia estava lindo com o sol nascendo naquele momento, também não estava tão frio, até por que estavam no verão, e Don pensava em visitar Sel naquela tarde. Realmente aquele era um ótimo dia para falar com Sel, quem sabe hoje ela não aceitava sua proposta. A casa de Sel não ficava muito longe da sua, pouco além do horizonte ao sul. O sol convidativo fez com que Don saísse para o pátio e o pensamento em Sel fez com que ele contornasse a casa e olhasse para o sul.

    A imagem que se formava nos olhos de Don era, simplesmente, aterradora. Don sentia um terror tão intenso que não conseguia se mexer. Seus olhos se fixavam naquela forma desconhecida. Ela era gigantesca. De repente o sol foi tapado e tudo se escureceu. Don levantou seus olhos e se ele já sentia um terror profundo, o sentimento que o invadiu naquele momento não pode ser expresso em palavras, era algo muito além do mais profundo terror.


    Algo de proporções imensuráveis se deslocava, cada vez mais perto do solo. O céu estava literalmente caindo sobre sua cabeça. Don não conseguia se mexer. E não se mexeu mesmo, até o último momento, quando se lembrou de Sel. Tentou correr para, simplesmente, vê-la uma última vez, mas já era tarde demais. O céu esmagou Don e ele cessou de existir.



    Cerca de quarenta minutos depois o planeta Terra estava em festa. Depois de muitas décadas o ser humano pisava em dois astros ao mesmo tempo novamente. Ao invés da lua, dessa vez era o planeta Marte. A televisão, em rede mundial, transmitia “ao vivo” (entre aspas, pois o delay para o sinal sair de marte e chegar na terra é grande, cerca de quarenta minutos) o primeiro homem a pisar em Marte. Repetindo as palavras de Niel Armstrong, o astronauta mandava, direto de marte, uma mensagem de paz e o desejo de um futuro próspero para a humanidade. Enquanto fazia isso, cerca de quarenta minutos antes, ele sabia que todo o mundo estaria lhe vendo e compartilhava da sua alegria.


    O que ele não sabia era que enquanto pisava no chão marciano, uma pequenina marciana chamada Sel olhava pela janela de seu quarto e pensava que aquele era um lindo dia. E que provavelmente Don iria visitá-la e fazer novamente o seu pedido. E que por tudo o que é mais sagrado, hoje ela iria aceitá-lo.
     
  2. Lord Meneltar

    Lord Meneltar Argerich

    :lol:
    Que lindo!


    LEgal,legal,uma crônica bem leve e gostosa de se ler.!
    Quero ver mais trabalhos seus,milorde!
     
  3. Lembas

    Lembas Usuário

    huahauahauhauhauhaua :lol:
    Adorei... os pobres marcianos pisoteados pelos astronautas... :aham: :twisted:
    E eles nem são tão aliens assim, tem preocupações e anseios como os nossos :roll:
     
  4. Fingon

    Fingon Usuário

    Eu toh voltando no fórum, e por isso quis ler alguns textos antigos.

    Orra velho... fikow bem Loko. As figuras dos marcianos pisoteados são muitos significativas.
     

Compartilhar