1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L][Goba] Fênix

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Goba, 6 Jul 2005.

  1. Goba

    Goba luszt

    Jorge era um homem muito magro, alto, extremamente desajeitado. Das pontas dos poucos fios de cabelo à unha do dedão do pé esquerdo, Jorge era uma figura extremamente estranha, caricata. Não era um homem feio, mas não era bonito. Passava despercebido, nunca chamava atenção.

    Cláudia era uma mulher magra, alta. Não era muito desajeitada, visto que andou de sapatos de salto desde os onze anos de idade, e é mulher - ser desajeitada é pedir para ser avacalhada no mundo feminino. Cabelo ondulado, o que lhe causava extremo embaraço - sempre quis o cabelo escorrido, e morria de inveja de quem o tinha ao natural. Não era bonita, mas também não era feia. Passava sempre sem ser notada.

    Um dia Jorge passou por Cláudia, num corredor qualquer de um escritório qualquer. Eles não se notaram, como era de se esperar. Mal perceberam a presença um do outro na sala, foi quase como um passasse por vácuo, e quisesse manter alguma distância deste. Para um observador atento, deu-se ali o fim de um mundo inteiro. Morreu um universo.

    Jorge nunca mais esbarrou em Cláudia, nem o contrário aconteceu. Nunca souberam se um era o amor da vida do outro. Jorge e Cláudia, eventualmente morreram. Magros e desapercebidos. Do resto da vida deles, eu nada sei, da morte sei o pouco que já lhes disse. Porém eu sei de algo daquele momento que ainda não disse a ninguém, e tomo coragem para dizer apenas agora.

    Ufa! Aí vai: naquele breve momento, em que nem os olhares se encontraram e um sentimento de pressa em ser notado passava pelo coração de ambos, da morte de um universo, nasceu uma possibilidade. Nasceu uma história a ser contada. Nasceu amor, nasceram rosas, nasceram margaridas. Nasceu discórdia, nasceram flores-de-lótus, nasceram ervas daninhas. No meio de toda a morte da pressa, algo nasceu.

    Inevitavelmente, se algo morreu, é porque era vivo. E se algo nasce, é por estar fadado a morrer. Do começo ao fim, perfeito.
     
  2. Goba

    Goba luszt

    Um conto que acabei de escrever... eu sempre começo histórias longas e nunca termino, melhor que eu fique no conto. :lol:
     
  3. Dwain

    Dwain Banned

    Indiscutivelmente bom!:clap: :clap: :clap:

    Goba seu conto está muito bem feito, o sentimento que ele passa é tremenda.

    Fazia tempo que não lia m texto tão bom e inteligente.
     
  4. Goba

    Goba luszt

    Um texto relacionado, fresquinho:
    ------------------------------------------------------

    Fênix?

    - Pula! Anda logo, pula!

    Morreu.

    - Vai, com injeta o resto! Falta pouco... anda!

    Morreu.

    - Não! Olha pra mim! Não, num vai agora... por favor, não me abandona!

    Morreu.

    - Exercícios de manhã, uma dieta balançeada. Logo logo você já vai estar melhor!

    Morreu.

    E antes disso? Vida vida vida vida. A mesma vida. A simples vida. A vida. Vida.
    E depois? Depende da vida. Da vida. Vida.

    Vida após a morte, hein? Não, prefiro acreditar nos anjos. Eles voam.
     

Compartilhar