1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Cientista mata pássaro raro minutos depois de avistá-lo e irrita comunidade científica

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 13 Out 2015.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Um cientista causou uma confusão ao matar um raro pássaro minutos depois de fotografá-lo pela primeira vez. O animal da espécie Moustached Kingfisher é conhecido como "pássaro fantasma", pois é considerado muito raro.

    Habitantes das Ilhas Salomão, arquipélago situado no oceano Pacífico, a ave é da família Alcedinidae e estima-se que restem entre 250 e mil pássaros desta espécie no mundo.

    O cientista Chris Filardi participava de uma expedição quando ouviu o som do pássaro. Ele rapidamente o 'caçou' e o matou. O cientista argumentou que precisava da ave para "estudos adicionais".

    Apesar de ser criticado pela comunidade científica, Filardi disse que o pássaro não é raro: "Apesar de informações sobre a espécie serem raras, o pássaro em si não é. Como eu escrevi no relatório, este é um pássaro que é pouco conhecido e não estudado pela comunidade científica ocidental - não raro ou em risco de extinção."

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  2. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    Já tinha lido essa notícia.
    Cara, essas coisas me deixam doente, de verdade.
    Nem sei mais o que falar disso. :(

    Por que esse babaca não faz "estudos adicionais" sobre o próprio cu? :confused:
     
    • Gostei! Gostei! x 1
    • LOL LOL x 1
  3. dermeister

    dermeister Ent cara-de-pau

    Antes de eu arriscar uma opinião e dando o benefício da dúvida, afinal, a coisa parece absurda e não acho que um pesquisador minimamente sensato faria algo assim à toa (e mesmo um imbecil teria medo das comissões de ética ou da rejeição pelos seus pares): alguém aqui está a par do protocolo padrão para esse tipo de pesquisa de campo com espécies ameaçadas porém quase desconhecidas? Há alguma razão para uma dissecção (o que mais exigiria um animal morto de forma controlada?) ser imprescindível nesse caso?

    Se o "irrita a comunidade científica" da manchete for real (e não só adicionado para efeito por uma publicação genérica), suspeito que o protocolo foi desrespeitado e sacrificar a ave não era absolutamente necessário :/
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  4. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    Bom, não descobri se houve realmente uma "comunidade" irritada, mas teve um cientista que não viu com bons olhos o que o cara fez:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição: 14 Out 2015
    • Gostei! Gostei! x 2
  5. Reverendo

    Reverendo Usuário

    Apressado e imprudente. E se a ave tinha ninho com ovos ou filhotes? Ele pode ter matado mais do que um.
     
  6. Ecthelion

    Ecthelion Mad

    O problema é o conceito de ameaçado/em extinção. Se estiver mesmo, óbvio que não era pra matá-lo (mesmo que seja para dissecção e estudos adicionais). Se o animal não está e o pesquisador trabalha em específico com isso (não sei, mas teria que ver o projeto dele), pode ser razoável sim a sua coleta.
     

Compartilhar