1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias Agência da ONU fala sobre mangás e pirataria

Tópico em 'Anime & Mangá' iniciado por Elring, 13 Out 2011.

  1. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Leia mais em:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    --------------------------------------------------------------------------------------

    Concordo em parte com o relatória da OMPI, porém, grande parte das perdas no ocidente devem ser creditadas a incopetência e má administração de alguns donos de editoras que não conhecem seu público e tratam mangás como se fossem comics; que são padrões totalmente díspares. E também parte da culpa está no próprio mercado consumidor, mas precisamente os patrocinadores na grades de TV. Por receio da reação negativa de parte do público que ainda se choca com violência em desenho (algo absurdo para o mesmo público que vibra com explosões em um blockbuster), as emissoras mutilam, deletam cenas inteiras ou deixam de adquirir séries novas por serem polêmicas. Obrigando o fã de mangás e animes a acompanhar sua séria através da internet.

    E tanto mangá, quanto o animes são mídias comerciais. Mesmo um anime de sucesso como Naruto ou Bleach não são acompanhados de uma série de objetos como resin kits e artbooks fora de livrarias especializadas como ocorre na Asia. E também deve creditar parte da responsabilidade as editoras do Japão que impõem uma série de cláusulas em contratos e cobram elevados royalties para liberar seus produtos para o ocidente. Há bastante descaso neste sentido.
     

Compartilhar