1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias Abertura da Bienal do Livro tem polêmica sobre direitos autorais

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Ana Lovejoy, 29 Ago 2013.

  1. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    A Bienal do Livro começou nesta quinta-feira (29) no Rio com a polêmica sobre direitos autorais logo na cerimônia de abertura. O SNEL (Sindicato Nacional dos Editores de Livros) cobrou do governo federal que a lei sobre o tema trate de forma diferenciada as demandas dos autores de livros e de compositores de música.

    Enquanto a ministra da Cultura, Marta Suplicy, mencionou em seu discurso a nova lei de direitos autorais que está sendo gestada na Casa Civil, a presidente do SNEL, Sônia Jardim, foi enfática ao defender uma abordagem mais específica para regular o direito autoral na internet.

    "Temos que pensar com pé no século 21. É preciso que o autor seja remunerado. O autor tem que poder viver do que ele cria. Não podemos esquecer da internet. Esse projeto vai mostrar como vamos proteger os criadores", pronunciou Suplicy sem dar muitos detalhes. A ministra saiu sem falar com a imprensa.

    Para Jardim, a preocupação do setor é evitar que seja flexibilizada a cópia integral de livros ou que os downloads sejam disseminados sem a devida cobrança autoral.

    "O problema do músico é completamente diferente do livro, são duas coisas distintas. O nosso pleito é que a lei não permita a questão da cópia integral de livro ou de grandes trechos", destacou.

    A presidente do sindicato receia que, caso a lei seja flexibilizada, os livros digitais sofram o mesmo que ocorreu com as músicas online: a disseminação de músicas baixadas sem nenhum controle.

    "Num momento em que vivemos de mudança tecnológica no mundo do livro digital, vai acontecer o mesmo com a música, os livros vão acabar sendo copiados sem pagar nada. Esse é um grande desafio e a gente espera que a lei proteja o autor, garanta que ele seja remunerado pelo seu trabalho", argumentou Jardim.

    O SNEL, que organiza a Bienal, defende que a lei seja clara."Outra questão é o marco civil da internet. Quando a gente percebe que há um material ilegal na internet, é possível fazer uma notificação extra judicial e a gente quer que a nova lei contemple isso. A justiça é lentíssima, se for pedir uma autorização para o juiz para notificar alguém, em pouco tempo já vão ser baixados milhares de cópias", criticou.

    O SNEL envia para a Justiça mais de 20 mil notificações por mês para a retirada de conteúdo ilegal. "Na maior parte das vezes nós conseguimos, só quando o hospedeiro é fora do Brasil que dificulta", salientou.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    **********

    e esse pessoal que quer discutir direitos autorais sempre 10 anos atrasados, né.
     
    • Gostei! Gostei! x 2

Compartilhar