1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A jornada interior

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Nat, 7 Mar 2010.

  1. Nat

    Nat Usuário

    Pra quem quiser saber de onde tirei essa discussão, tá tudo explicado aqui
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Em muitas jornadas, o protagonista faz uma busca dupla. Ainda que ele trabalhe para completar sua missão, ele busca alguma possibilidade de solução em si mesmo. Já se discutiu a luta de Bilbo para manter seu lado tímido sobreposto a parte Tûk. Como o Bilbo do cap. 19 difere do hobbit que ofereceu “uma festa inesperada” ? A jornada interior do nosso herói está completa quando ele entra na Montanha Solitária? Ou ele ainda precisa crescer em curiosidade, coragem e compaixão?

    There and back again. In: Tolkien’s Middle-earth: lesson plans for secondary school educators. Disponível em:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Em muita coisa os "dois hobbits" diferem. Bilbo ainda tem uma parte em si que gosta de tranquilidade, sem aventuras. Mas o lado Tûk não está adormecido. Acho que sua jornada, como a questão coloca, não está terminada, nesse caso de comparação. Ele ainda precisa melhorar muito. No entanto, depois da sua festa de aniversário, ele passa por sua maior provação e vence, uma que Frodo não conseguiu vencer. Ele deixa o Anel pra trás.
     
    Última edição: 7 Mar 2010
  2. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Acho que poderíamos chamar de viagem de auto-conhecimento.

    Esta é uma das raízes da peregrinação em certos lugares do mundo. Ao se deparar com situações que precisam de decisões diretas e rápidas, o indíviduo acaba se olhando mais no espelho interior e poderá mudar para continuar possuindo algumas coisas.

    Bilbo e Frodo se viram numa longa peregrinação, tomando decisões de vida e morte que poucos em suas terras precisaram passar e com isso amadureceram de um jeito interessante.

    Podemos dizer que o contato de Bilbo com Frodo ensinou o jovem hobbit sobre a importância prática das coisas em várias situações, fruto das visitas de Gandalf e das tradições élficas de sua casa.

    De seu sangue ele herdou uma carga também, que podia ser direcionada diante do perigo. E diante do gosto que os dois tinham por uma vida pacífica, a dor de ter que deixar essas coisas era muito maior e tornava a peregrinação extremamente intensa.
     
    Última edição: 7 Mar 2010

Compartilhar