1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Stephen Hawking surpreende ao dizer que buracos negros não existem

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por ricardo campos, 29 Jan 2014.

  1. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Físico é um dos responsáveis pela teoria moderna sobre buracos negros.
    Para especialistas, proposta é plausível, porém radical.


    Um artigo publicado pelo físico Stephen Hawking na última semana tem provocado burburinho no mundo científico. Sendo ele próprio um dos criadores da teoria moderna sobre os buracos negros, ele afirmou no artigo que o fenômeno pode não existir.
    O cientista parte da ideia de que a teoria corrente por trás dos buracos negros não se confirma sob a ótica da teoria quântica, somente sob a ótica da relatividade. Ele disse à revista “Nature” que, enquanto a teoria clássica afirma que não há como escapar de um buraco negro, a teoria quântica “permite que energia e informação escapem de um buraco negro”.

    A teoria clássica, citada por Hawking, prevê a existência de um “horizonte de eventos” no buraco negro. Trata-se de uma região próxima de um buraco negro na qual a gravidade é tão forte que nada consegue escapar, nem mesmo a luz. É justamente a existência desse fenômeno que é contestada pelo físico em seu novo artigo.
    “A ausência de um horizonte de eventos significa que não há buracos negros – no sentido de regimes dos quais a luz não pode escapar para o infinito”, diz o artigo de Hawking.

    Firewall
    Há cerca de um ano e meio, cientistas do Instituto Kavli de Física Teórica, em Santa Barbara, nos Estados Unidos, já haviam proposto uma teoria que levava em conta as regras da mecânica quântica – que rege o comportamento de partículas minúsculas como moléculas, átomos e elétrons – sobre a ação dos buracos negros.

    Enquanto a teoria clássica defende que um objeto, ao passar pelo horizonte de eventos, é “sugado” de forma suave para dentro do buraco negro, a teoria formulada no Instituto Kavli defende que, ao atingir o horizonte de eventos, o objeto seria imediatamente reduzido a seus elementos fundamentais e, na prática, dissolvido. Isso por causa da presença de uma região altamente energética, batizada pelos cientistas de “firewall”.
    Inspiração
    A ideia para o artigo de Hawking, segundo a revista “Nature”, surgiu depois de uma conferência que Hawking fez via Skype em agosto de 2013 em uma reunião sobre "firewalls" organizada pelo Instituto Kavli. O físico propõe uma ideia que seja consistente tanto com a teoria quântica quanto com a relatividade.
    Hawking descreve no artigo que o que existe no buraco negro não é nem o horizonte de eventos nem o "firewall", mas um “horizonte aparente”. Esse fenômeno seria capaz de reter e manter a matéria temporariamente, com a possibilidade de liberá-la posteriormente, porém em um formato totalmente distorcido e "bagunçado".

    “O objeto caótico em colapso irá irradiar de forma determinística, porém caótica. Será como a previsão do tempo na Terra. Ela é determinada, mas caótica, então há perda efetiva de informação. Não é possível prever o clima com mais de alguns dias de antecedência”, compara Hawking, na conclusão de seu artigo.

    Em entrevista à “Nature”, o físico Don Page, especialista em buracos negros da Universidade de Alberta, no Canadá, afirma que a nova teoria de Hawking é plausível, porém radical ao apresentar a possibilidade de que “qualquer coisa, em princípio, poderia sair de um buraco negro”.

    O artigo de Hawking, foi publicado na quarta-feira passada (22) na plataforma "ArXiv.org", arquivo online mantido pela Universidade de Cornell para artigos científicos nas áreas de física, matemática, ciência da computação, biologia, finanças e estatística. O título, "Preservação de informações e previsão do tempo para buracos negros”, brinca com a dificuldade de se prever o clima, citada pelo físico no texto do artigo.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição: 29 Jan 2014
    • Gostei! Gostei! x 4
  2. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Falando em teorias de não existência do Hawking
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Existe vida inteligente fora da Terra? É possível prever o futuro? E fazer uma viagem no tempo? Sobreviveremos no nosso planeta? Deveríamos tentar colonizar outros cantos do universo? A inteligência artificial vai nos superar? Deus existe?

    Respostas para essas perguntas nada fáceis que Stephen Hawking nos oferece em "Breves Respostas Para Grandes Questões", livro póstumo que acaba de chegar às livrarias pela Intrínseca. Hawking, que morreu no último mês de março aos 76 anos, foi um dos pesquisadores mais respeitados e conhecidos de nossa história recente. Dominando a matemática, a física e a cosmologia, preocupou-se em não deixar seu conhecimento limitado à academia e atingiu o grande público ao lançar obras como "Uma Breve História do Tempo" e "O Universo Numa Casca de Noz".

    "A maioria das pessoas acredita que ciência de verdade é difícil e complicada demais. Não concordo com isso. Pesquisar sobre as leis fundamentais que governam o universo exigiria uma disponibilidade de tempo que a maioria não tem; o mundo acabaria parando se todos tentassem estudar física teórica. Mas a maioria pode compreender e apreciar as ideias básicas, se forem apresentadas de maneira clara e sem equações, algo que acredito ser possível e que sempre gostei de fazer", escreve o cientista.

    Hawking segue essa linha de divulgação científica para leigos em "Breves Respostas Para Grandes Questões", que reúne um material descoberto em seus arquivos logo após sua morte. Quem tem o livro em mãos só não deve achar, no entanto, que as respostas breves do autor se limitem a poucos parágrafos – estamos diante de temas que rendem pesquisas profundas, que muitas vezes chegam a conclusões ou possibilidades diferentes, vale lembrar.

    Para falar a respeito da existência ou não de algum deus, por exemplo, ao longo de 12 páginas o cientista passa por questões de linguagem, pelas leis da natureza, equações científicas básicas e dá uma aula sobre energia negativa que eu não me meterei a reproduzir, tudo para embasar o parecer. Passa ainda pela história, lembrando que a ciência explicou quase todos os fenômenos anteriormente atribuídos a divindades, restando apenas o momento da criação do universo como um cantinho onde algum deus ainda poderia estar escondido.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    "As leis da natureza nos dizem que não só o universo pode ter surgido sem ajuda, como um próton, e não ter exigido nada em termos de energia, como também é possível que nada tenha causado o Big Bang. Nada. […] À medida que viajamos de volta no tempo em direção ao momento do Big Bang, o universo fica cada vez menor e continua diminuindo até finalmente chegar a um ponto em que se torna um espaço tão ínfimo que na verdade se trata de um único buraco negro infinitesimalmente pequeno e denso.

    E, assim como acontece com os buracos negros que hoje flutuam pelo espaço, as leis da natureza ditam algo verdadeiramente extraordinário. Elas nos dizem que aí também o próprio tempo tem que parar. Não podemos voltar a um tempo anterior ao Big Bang porque não havia tempo antes do Big Bang. Finalmente encontramos algo que não possui uma causa, porque não havia tempo para permitir a existência de uma. Para mim, isso significa que não existe a possibilidade de um criador, porque ainda não existia o tempo para que nele houvesse um criador", escreve Hawking, que depois deixa sua posição ainda mais clara:

    "Quando me perguntam se um deus criou o universo, digo que a pergunta em si não faz sentido. O tempo não existia antes do Big Bang, assim não existe tempo no qual deus produziu o universo. É como perguntar onde fica a borda da Terra. A Terra é uma esfera e não tem borda; procurá-la é um exercício fútil. […] Se eu tenho fé? Cada um é livre para acreditar no que quiser. Na minha opinião, a explicação mais simples é que deus não existe.

    Ninguém criou o universo e ninguém governa nosso destino. Isso me levou a perceber uma implicação profunda: provavelmente não há céu nem um além-túmulo. Acho que acreditar em vida após a morte não passa de ilusão. Não existe evidência confiável disso e a ideia vai contra tudo que sabemos em ciência. Acho que, quando morremos, voltamos ao pó. Mas, em certo sentido, continuamos a viver: na influência que deixamos, nos genes que passamos adiante para nossos filhos. Temos apenas esta vida para apreciar o grande plano do universo, e sou extremamente grato por isso".

    Dentre os muitos momentos interessantes do livro, também merece destaque a resposta que Hawking dá para a pergunta "Qual é a maior ameaça ao futuro do planeta?". Para ele, a mudança climática descontrolada deveria ser nossa principal preocupação para que o mundo não vire um forno. "Uma elevação na temperatura do oceano derreteria as calotas polares e causaria a liberação de grandes quantidades de dióxido de carbono. Ambos os efeitos poderiam deixar nosso clima como o de Vênus, mas com uma temperatura de 250ºC". Fica mais esse alerta para quem acha que aquecimento global é uma mentira – ou que é mera vontade de deus.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Acreditar em Deus é uma coisa que cada um tem o direito de fazer ou não, mas só para aqueles que não sabem: no meio filosófico os argumentos de Hawking contra a existência de Deus estão entre os piores já feitos, pois não possuindo sequer um conhecimento básico da relação entre a natureza de Deus e a forma como o tempo funciona e partindo de uma ideia teológica errônea, Hawking chega à uma conclusão falaciosa. Principalmente quando ele diz que
    Na teologia judaico-cristã, Deus criou o próprio tempo e o espaço e portanto não é limitado por estes, sendo um ser atemporal e imaterial. Teologia e filosofia simplesmente não eram a área do Stephen.

    Enfim, assim como faço com toda teoria, vou esperar a crítica e a apreciação do restante da comunidade científica. Como eu disse, cada um acredite ou não acredite no que quiser (que foi o que o próprio Hawking também disse) mas não entendo gente que deixa de acreditar em Deus "porque o Hawking disse que Ele não existe". Então por gentileza, quem quiser ser ateu, que o faça a partir de argumentos sofisticados de pessoas que sabem o que estão falando, não de alguém de uma área completamente diferente. Hawking era brilhante em sua área, mas era totalmente leigo em teologia e filosofia (sem falar que ele desprezava a filosofia mas ainda assim uma boa parte do livro The Grand Design é filosófico). A ciência jamais vai provar a existência ou a não existência de Deus e isso sempre será uma questão de fé, não uma questão científica.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Pois é, as palavras do Hawking são apenas a opinião dele, nada além disso. Esse é o tema que cada um tem o livre direito de acreditar ou não.
     
  5. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Religião e ciência são áreas diferentes. Eu costumo criticar tanto cientistas com visões teológicas inadequadas e falaciosas quanto teólogos que tem conhecimento científico limitado. Toda vez que alguém propõe uma teoria, precisa-se de tempo para que ela seja analisada e criticada pela comunidade científica para ver se ela se mantém firme ou não. Simplesmente não entendo porque tanto cientista insiste em falar toda hora que Deus não existe sendo que isso é um assunto filosófico, não científico (em alguns casos está mais pra um caso freudiano da parte do cientista, mas não vou discutir isso).

    Já vi que essa teoria específica do Hawking já está sendo criticada e considera implausível, mas sabe como é, escrever "Stephen Hawking explica porque Deus não existe" é uma manchete que chama a atenção e quando você lê o texto você percebe que a coisa não tem nada a ver com Deus (exceto pela implicância e pelo sentimento antirreligioso do autor).
     
  6. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Toda vez que ciência e religião se chocam frontalmente visando um invalidar o outro entre si, eu não espero absolutamente nada, senão nenhum consenso absoluto. E não será o livro póstumo do Hawking ou de qualquer teólogo ou cientista que será capaz de mudar isso.
     

Compartilhar