1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Homem Que Foi Quinta-Feira (G.K. Chesterton)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Kainof, 8 Jan 2012.

  1. Kainof

    Kainof Sr. Raposo

    Dois poetas novos na rua. Dois poetas opostos em teoria e ideologia. Um, Gabriel Syme, metódico e racionalista, utiliza a ordenação como princípio criativo e padrão de beleza. O outro, apaixonado e confuso, utiliza a desordem para criar e credita ao quanto mais alto o grau de anarquia, maior a beleza artística. Sob a acusação de não levar a sério as suas ideias, o poeta da desordem leva o seu colega a uma reunião do comitê secreto anarquista. Mais tarde ambos farão confissões ao outro sob juramento: um é anarquista dinamiteiro (terrorista) e o outro um detetive disfarçado da Scotland Yard. Por meio de uma manobra, o detetive Syme consegue ser escolhido como membro do alto escalão anarquista sob a alcunha de Quinta-Feira.

    Todos os membros desse comitê anarquista recebem codinomes de dias da semana, tendo como chefe o assombroso e misterioso Domingo. Syme, ou Quinta-Feira, a partir daí segue com sua investigação, onde espera manter o disfarce, manter a promessa que fez ao poeta de não avisar a polícia sobre isso e salvar a Inglaterra e o mundo dos dinamiteiros anarquistas, essa praga intelectual da Europa.

    O desenvolvimento significativo do enredo se dá no puramente psicológico do protagonista que ao mesmo tempo que teme aqueles homens apavorantes dispostos a explodir o mundo pela sua causa, os odeia pela infecção que causam na ordem das coisas. Nos seus sonhos e pesadelos que tem enquanto acordado, em sua maioria paranoias e espasmos esquizofrênicos comuns a todos nós, sua imaginação criará fatos muito além da realidade sobre esses homens e suas ações apenas para descobrir que a realidade é pode ser ainda pior do que ele imaginou que fosse.

    Quinta-feira cairá em abismos sempre mais profundos e ameaçadores para cumprir a sua tarefa, com mistérios que se resolvem em sequência para se intensificar logo a frente. Sucessivas descobertas e perseguições o levará a intrincar cada vez mais o desespero até que no final tudo se esclarece. De uma forma estranha.


    O livro é bem saboroso, onde se misturam, aventura, mistério e humor. É pontuado de ideologia política e humor irônico. O plot principal é bastante interessante, mas achei mal aproveitado. O mistério do livro aos poucos se torna previsível o final já é possível ser antecipado bem antes do fim das páginas.
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar