1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O homem que falava igspy

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por JLM, 17 Ago 2009.

  1. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    [size=x-large]O HOMEM QUE FALAVA IGSPY[/size]
    por Jefferson Luiz Maleski


    Na última cidade em que morei, havia uma história que circulava entre os moradores locais. Apesar de não haver menção dela em nenhum livro que narra a saga dos personagens ilustres da região, a tradição oral era persistente em contá-la de geração em geração. Talvez fosse um pequeno mito urbano de uma pequena cidade do interior, mas o fato é que quem permanecesse pela cidade por mais de dois dias, ouviria uma das suas inúmeras versões. Das que eu ouvi, a mais verossímil é a que vou contar agora.

    Havia um homem que falava igspy. Ninguém sabe se era por culpa dos pais -talvez eles fossem imigrantes de algum país que só falava igspy ou teriam um estranho humor negro na criação do seu rebento - ou se talvez foi por causa de algum trauma de infância, mas o fato é que em toda a vida de tal homem, nunca descobriram a origem daquele vocabulário tão sintético. Mesmo que pedissem para o homem lhes explicar, ele só daria uma resposta: igspy.

    Quando garoto, o homem que só falava igspy até poderia ter tido dificuldades na escola, mas as professoras o consideraram um aluno especial e passaram a tratá-lo diferente dos demais. Afinal, nenhuma delas queria ser acusada de preconceituosa ou politicamente incorreta. Enquanto os outros alunos tinham de esforçar-se para aprender a tabuada, a juntar as letras em palavras e as palavras em frases e as frases em orações, o garoto que falava igspy sabia tudo o que precisava saber desde o berço. Nas provas, assinava igspy em seu nome, e em todas as outras respostas, e passava com louvores. Os colegas até tentaram colar algumas respostas dele, mas depois de verem que a nota não se assemelhava à do colega, desistiram. Nem por isso o homem que falava igspy, quando garoto, teve problemas para se socializar. Gostava de aprontar junto com os outros garotos, e quando a diretora pegava-o pelo colarinho e perguntava quem era o culpado, só ouvia sair igspy da boca dele. Isto o tornou muito popular entre os garotos e, por tabela, com as garotas. Uma moradora da cidade, hoje mãe de família, costuma incluir nesta parte da história que ela foi a primeira a beijar o homem que falava igspy quando adolescentes. Ela pedira a ele uma palavra romântica, e ele, sem pestanejar, soltou um igspy. Mas não foi só o que ele falou, mas como falou, que derreteu o coraçãozinho dela, e de tantas outras que vieram depois. O homem que falava igspy aprendeu desde cedo que não precisava de muitas palavras para se conquistar uma mulher. Bastava uma. Todas as moças que o haviam beijado fofocavam entre si de como ele era cavalheiro em não contar aos colegas detalhes de seus encontros amorosos como faziam os outros rapazes. Ele conhecia o valor da discrição. Sua boca era um túmulo, com uma janelinha onde só escapava um igspy de vez em quando.

    Quando atingiu a idade adulta, o homem que falava igspy arranjou um emprego de vendedor ambulante de Bíblias. Como gostava de interagir com as pessoas, considerava um desafio e tanto ganhar sozinho o pão de cada dia usando o seu dom natural: a retórica. E foi um sucesso. Bastava uma palavra e já era convidado a entrar, sentar, tomar café e até almoçar, para somente depois, vender tudo o que ele vendia. Sim, de Bíblias ele passou a vender os mais diversos produtos essenciais ao consumismo moderno: seguros, calçados, roupas, planos piramidais, terrenos em loteamentos recém inaugurados, quotas de funerárias etc. E assim fez fama e fortuna por onde passou.

    Até o dia em que um político enxergou no homem que falava igspy um diamante a ser lapidado. Chamou-o para um particular e ofereceu-lhe um cargo público. Não algo grandioso, pois o político exortou-o a adquirir experiência começando por baixo. Por isso, virou atendente ao público no setor de aposentadorias. Os velhinhos que lá chegavam diziam que ele era o melhor dos atendentes, pois tratava a todos da mesma forma, sem discriminação. O que ele falava para um, falava para todos. Em pouco tempo galgou o cargo de chefia, onde todos os subalternos entendiam perfeitamente as ordens que o homem que falava igspy dava. Os que não entendiam faziam de conta que entendiam, afinal, não queriam passar por burros na frente dos colegas. Quando não havia mais cargos a avançar dentro da instituição pública, o mesmo padrinho político sugeriu que ele se candidatasse pelo seu partido. E o homem que falava igspy assim o fez. Antes, casou-se com a filha mais nova do político.

    Sua campanha foi um sucesso. Os seus adversários poderiam ter frases de efeito, mas nenhum tinha uma palavra de efeito! Em todos os discursos, ele subia no palanque e gritava igspy no microfone levantando os braços. Depois, dava meia volta e saía. O povo, cansado daquelas ladainhas intermináveis e enfadonhas dos concorrentes, aplaudia entusiasmado e pedia bis nos comícios do homem que falava igspy. Era um candidato que não prometia o que não iria cumprir, não falava mentiras para conquistar o voto dos eleitores, não mudava o seu jeito de ser para enganar os outros. O jingle da sua campanha caiu fácil na boca do povo e até as crianças o aprenderam e cantavam de cor. O sucesso foi arrasador. Os colegas de profissão, até os da oposição, eram só elogios. Ele era um homem de uma só palavra. Nunca voltava atrás no que dizia. E como sabiam que ele não daria com a língua nos dentes e sabia guardar segredos sujos e corruptos, encheram os bolsos dele com as propinas das maracutaias que lhe ofereciam. A sua escalada política foi vertiginosa. Em pouco tempo chegou à capital do país, rodeado de assessores e partidários. A última vez que ouviram falar do homem que falava igspy na sua terra natal foi da boca de um ex-prefeito que, voltando de uma viagem ao senado, chegou contando que o próximo candidato a presidente era natural da cidade. O sentimento de orgulho percorreu todos os habitantes, que sabiam que estavam sendo bem representados por um homem que pouco falava, mas com muito significado. Cada um lembrava o quanto foram úteis os seus conselhos, as suas respostas. Se entendiam o igspy como um sim, era esta a resposta sábia que o homem que falava igspy estava dando. Se entendiam como um não, da mesma forma. Assim, tudo o que o homem que falava igspy conquistou na sua tragetória de vida foi por ser firme, inabalável e, principalmente, igspy.
     
  2. Farfael

    Farfael Usuário

    Nossa. Isso tem a maior cara de literatura brasileira. E isso é um elogio, dos bons. É como se O Segredo de John Gould tivesse sido escrito por Lima Barreto! :P

    E claro que todas as cidades tem uma figura folclórica dessas, então o texto ficou ainda mais verossímil. E a opinião das pessoas, realmente parece um conto do Lima Barreto, sabe, Luma e Ninfa (parece no bom sentindo). Bom, eu não estou querendo comparar, só to tentando dizer que tá bom. Pronto, tá dito!

    Ps: igspy!
     
  3. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    valeu, brô.

    faz tempo q li lima barreto, então se vc diz q soou parecido, vou confiar em vc. mas como vc mesmo pode ver, o texto ainda tá bruto. é q ando sem tempo pras revisões, então, resolvi q + vale postar e ir mudando ele aos poucos q nunca postar.

    mas q bom q vc curtiu mesmo assim.
     
  4. Lana Lane

    Lana Lane Usuário

    Vc descreveu de forma leve e bem humorada uma realidade que a mim, incomoda bastante. Me fez parar e pensar em como, embora seja totalmente imoral, é possível uma pessoa com evidentes deficiências ser manipulada, e as pessoas ao redor fingirem que não veem o problema que está ali, à sua frente. Mostrou as reações idiotas e de pouco caso de pessoas que deveriam se importar com o problema, a começar pela professora, que não queria ser taxada de preconceituosa. Também mostrou a hipocrisia e a falta de escrúpulos que permeia o meio político nesse país, bem como, a falta de esperança de um povo que está cansado de promessas não cumpridas mas que, por outro lado, aceita ser enganado por uma fraude total. Atitude bem contraditória, mas que vemos acontecer em todas as eleições.
    Eu gosto de ler o que vc escreve porque nunca há palavras desnecessárias na história que vc tem a contar. Vc explica e faz as alusões necessárias ao entendimento do leitor e a leitura permanece fluída. Português impecável, construção perfeita das frases.
     

Compartilhar