1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Vinci] [Máfia]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Vinci, 6 Mar 2004.

  1. Vinci

    Vinci Usuário

    [Vinci] [Máfia]

    Todo Grande Vilão Tem Uma Grande Missão

    Era noite. As nuvens cobriam quase que por inteiro as raras fontes de iluminação que brotavam do céu, como as estrelas e a bela lua. Talvez por isso o clima estivesse pesado e a noite cada vez mais negra, tornando-se mais escura a cada hora que se passava.

    Uma névoa espessa mostrava-se forte e fria nos arredores do antigo casarão do lado esquero da Rua Saville. Ele era alto, seu teto era composto por telhas velhas, mas de grande resistência e suas paredes eram de madeira (provavelmente muito mais velha que seu avô). Mas o que fazia daquele casarão um local notável era o grande número de rumores que circulavam sobre sua figura.

    Alienígenas poderiam ter composto suas velhas tábuas, de modo que o velhíssimo casarão nunca despencasse, nem pela força de um furacão daqueles com tanta potência que carregariam uma vaca leiteira sem maiores problemas. Fantasmas faziam uma espessa névoa circular o lugar, mesmo que fosse um abafado dia de calor. O próprio capeta estaria envolvido com aquela construção que na verdade era uma porta para o inferno. Eram muitos os rumores, mas nenhum deles chegava nem próximo da verdade.

    Um homem de terno branco e chapéu negro estava sentado em sua confortável poltrona giratória, em sua ótima sala. Alguns dardos estavam à disposição em sua mesa, de modo que a qualquer momento podia jogar tiro-ao-alvo ou acertar um de seus funcionários, dependendo de seu humor no momento. Infelizmente para o destino de seus empregados (e seus olhos), ele estava mal-humorado e tinha a sua disposição dez daqueles dardos tão pontudos como as mais potentes agulhas.

    Estava no momento um pouco descontente com seu escritório. Sentia o forte cheiro de mofo, e tinha alergias graças a este. A lareira parecia muito mais velha, e a claridade que vinha da janela era pouca. Detestava ter de montar sua organização secreta do mal justamente naquele casarão que provavelmente era mais velho do que os livros que mandaram ele ler quando ainda tinha aulas de literatura.

    Os pensamentos mal-humorados lhe dominavam, quando surpreendeu-se com a porta abrindo.

    - Já falei para bater antes de abrir! – disse Al Mafiocci, preparando um dos seus afiados dardos – A organização e o respeito as regras estão presentes em cada linha do regulamento dessa instituição, Agente X.

    - Eu sei. – disse X, seriamente – Deslizes acontecem, desculpe.

    - Dessa vez passa. – disse, chateado por não poder cegar X. Era seu melhor agente – De qualquer forma, prossiga.

    - Queria ser informado da mais nova missão. Me avisou que haveria uma.

    - Hum... Realmente, há uma missão. – Mafiocci parecia um homem digno de respeito em ocasiões normais, com seu terno caro, seu chapéu (que mesmo não combinando com o resto das roupas também era caro) e seus longos cabelos negros, que lhe davam um ar imponente. Mas quando sentia-se um general explicando os planos para o domínio da rua, aquele ar parecia pelo menos cem vezes superior. – Vamos ganhar muito dinheiro, se tudo der certo, X.

    - Certo.

    A cena era deveras esquisita. Um homem de terno branco e chapéu preto, com expressão séria que parecia simplesmente forçada conversava com um homem alto, de pele muito alva, cabelos azuis que lhe desciam até a metade das costas e óculos escuros. Mafiocci sentia-se muito bem quando cenas assim ocorriam. Sentia-se mais dono de uma grande organização criminal, mesma que o destino da mesma fosse, no máximo, dominar a rua.

    - Preparei um mapa para você seguir os complicados passos dessa missão. O esquema é o seguinte: os vizinhos tem um cachorro chamado Fido, e quero que você o seqüestre. – ele então estendeu a mão, entregando-lhe um pergaminho velho e amassado.

    - Arranjou esse papel na Idade Média? Chamequinho tá bastante barato em qualquer papelaria.

    - É pra ser mais chique.

    - Ah, desculpa... – disse X, decepcionado – Você tem certeza de que quer que eu rapte... Fido?

    - Certeza. Vamos ganhar muito dinheiro com ele, meu bom senhor.

    - Espero. – disse
     
  2. Forfirith

    Forfirith Usuário

    Eu gostei do começo, mas boiei no final o_O
    De qualquer forma, muito bem escrito, gosto do seu estilo!
     
  3. Vinci

    Vinci Usuário

    É o capítulo 1! Vai ter uma continuação e talz...

    Pra quem não entendeu: esse capítulo tá contando da missão do Agente X, que trabalha para Al Mafiocci, que quer dominar a rua com sua agência mafiosa. :lol:
     
  4. Eldarwen

    Eldarwen Usuário

    Gostei!

    Eu ri com o texto :lol: , mas se nao era essa a intençao foi mal, acontece que a cena q imaginei dele entregando o plano de sequestrar o Fido foi muito engraçada...

    Ansiosa pela continuaçao se tiver.
     
  5. Vinci

    Vinci Usuário

    Era sim a intenção! Essa é uma história engraçada (ou era pra ser) :mrgreen:
     
  6. Eldarwen

    Eldarwen Usuário

    :lol: :lol:

    Voce conseguiu!
     
  7. :lol: :lol: hahihihihihih!! É bem legal!!!!!!!!!!!!!
     
  8. Míriel Luinil

    Míriel Luinil Usuário

    O detalhe do pergaminho ficou o máximo...
    hahahaha
     

Compartilhar