1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Largo Cavafundo][Museu de Arte Moderna]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Largo Cavafundo, 27 Set 2003.

  1. Largo Cavafundo

    Largo Cavafundo Usuário

    [Largo Cavafundo][Museu de Arte Moderna]

    Êêêêê! Finalmente eu volto com um texto novo para vocês!

    Eu queria há algum tempo colocar este continho aqui, pelo seguinte. Ele foi feito como resposta a uma proposta de redação no colégio, para a aula de Orientação Educacional. Quando eu recebi minha redação corrigida, descobri que tinha tirado 3,5 (em 10). Porém, a professora, ao contrário da corretora, havia gostado da redação e mudado a nota para um 7,0. Eu mostrei o texto a alguns amigos, e eles gostaram muito. Eu nem havia feito ele com muito esforço, mas fiquei encucado com a reação tão intensamente positiva deles e tão intensamente negativa da corretora. Então decidi colocar aqui. É pequenininho, então nada de preguiça de ler ;)

    Boa leitura!


    "
    Museu de Arte Moderna

    Não foi nada repentino, quando aconteceu. Dentre os vários processos pelos quais uma pessoa passa durante sua possivelmente extensa vida, aliás, pode-se dizer que esse foi um bastante demorado e gradual. Mas é justamente o gradual que engana por mais tempo o olhar humano, baseado nos extremos contrastes de luz e sombra, branco e preto. E, justamente por ser concretamente gradual, o acontecimento foi repentino para a percepção daquele homem. Um dia, percebeu-se amarelo.
    Será doença? Mal repentino, contágio dum desses vírus novos que andam por aí? Mas não era amarelada a sua pele, como acontece com certos doentes. Era de uma cor verdadeira e completa, amarela como é amarela a gema do ovo, e não só a pele, mas os pêlos, as unhas, os lábios, os olhos, o mais profundo interior de seu corpo, o físico e a mente. De longe, pareceria que estava coberto da tinta mais densa que pode haver. De perto, tinha a aparência de uma estátua amarela, a cor fazia parte de sua essência.
    E as pessoas criaram sua própria opinião, quando viram-no andando timidamente pela rua. Uns tinham pena, outros medo, repulsa, outros viam nele uma oportunidade de introspecção, Estas são raras hoje em dia, dizia sua mãe. Mas algumas outras pessoas olhavam-no com compreensão, uma compreensão talvez absurda. Afinal, não eram amarelos, mas apresentavam o corpo infeccionado pelo azul, pelo verde, pelo vermelho, o rosa, o lilás, o branco, o marrom, o turquesa, o violeta, o vinho, o laranja, o roxo, o beje.
    Melhor estou eu, pensou sem pensar. Amarelo é a cor da alegria.

    "
     
  2. Strider

    Strider Usuário

    Largartur, isso me lembrou de um filme que eu vi quando criança. Chama-se Um Dia, Um Gato. É sobre esse gato que usa um óculos que é capaz de deixar as pessoas coloridas, e cada cor representa um sentimento. Mas se eu não me engano, no filme, os amarelos eram os falsos (ou algo assim) :P

    Bom, como todos os seus contos, sempre tem aquela críticazinha a sociedade e tal. Mesmo sendo curto e sutil, você conseguiu falar do pré conceito que as pessoas usam. :clap:
     
  3. {Scarlet Rose}

    {Scarlet Rose} Uiiiiiiiiiii!

    Exato... falou do preconceito muito sutilmente, de um jeitinhu todo especial... ai... adoro os contos do Largo poruqe eu consigo realmente visualizar a cena, e sentir o que ele passa... só pelas palavras certas que ele emprega! :clap:
     

Compartilhar