1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Julgamentos de valor x julgamentos factuais

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Engethor, 23 Dez 2002.

  1. Engethor

    Engethor Son of Jango

    Julgamentos de valor x julgamentos factuais
    (ou Opinião x Fatos)

    "Ah, mas isso é só sua opinião."

    Esse tipo de frase (ou uma de suas variantes) é muito utilizado para "encerrar" algum debate.
    O problema é que nem toda afirmação é uma opinião. Mas muitas vezes se confunde opinião com afirmação factual. Um julgamento de valor é bem diferente de um julgamento factual. E não dá para fugir de afirmações factuais com a desculpa de "opinião não se discute". (estou usando opinião e julgamento de valor como sinônimos)

    Adaptando de definições do filósofo e professor Richard Hanley:
    "'Esta camisa tem uma cor brilhante.' - é um exemplo de julgamento factual.
    'Esta camisa é feia.' - é um exemplo de julgamento de valor.

    Julgamentos factuais referem-se a fatos. É uma sentença à qual pode ser atribuído o valor lógico verdadeiro ou falso (ou indefinido, indeterminado, depende da lógica). Mas isso não implica que julgamentos de valor não sejam sobre fatos, ou não sejam verdadeiros ou falsos. Às vezes se alega que o valor, como a beleza, está nos olhos de quem vê, mas nenhum bom argumento foi apresentado para essa afirmação (algumas camisas são mesmo feias! ;) ).

    Para escapar do conceito "valor", pode-se utilizar as definições de Julgamentos descritivos e normativos. O primeiro faz uma afirmação sobre como as coisas são enquanto o segundo faz uma afirmação sobre como as coisas deveriam ser (quer sejam ou não). Um julgamento de valor carrega uma força normativa (no caso da camisa feia, o implícito pode ser: "vc deveria ter usado outra camisa"). Um julgamento factual carrega força descritiva. "

    Portanto, frases como "dado nosso conhecimento, a teoria X é a que melhor explica esse evento" ou "teoria tal fez tais e tais previsões e teve tais e tais confirmações" não são opiniões, não são julgamentos de valor. São sentenças descritivas. Então, nesses casos, a resposta "mas isso é só sua opinião" não se aplica. "Mas é só uma teoria" tb não se aplica, vide (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ).

    Cientistas fazem julgamentos de valor? Certamente (se bem que isso é assunto para outra conversa). Eles têm que escolher que teoria investigar, que ramo da natureza estudar, isso envolve uma atividade normativa, uma avaliação do que vale a pena para ele. Mas eles sabem que não podem ser prender a uma teoria apenas por gostarem dela, para avaliar algo utilizam critérios factuais, pesam as evidências.

    O interessante é que os cientistas conseguem dar utilidade até mesmo a seus gostos. Por ex, eles têm uma preferência por simetrias. Eles adoram procurar simetrias. Eles vêem beleza na simetria. E a boa notícia é que diretamente de buscas por simetrias eles já formularam novas teorias, descobriram partículas, encontraram novas maneiras de visualizar fenômenos.

    --
    Hora de passar a palavra... O "como deveria ser" x "como as evidências apontam". O 'deveria ser', o idealizado fascina mais? É por isso que julgamentos de valor de um indivíduo são tão arraigados? (muitas vezes mais do que avaliações descritivas)
     
  2. Logan Mcloud

    Logan Mcloud Usuário

    eh muito dificil para uma pessoa se desprender de si mesma pra falar sobre alguma coisa.... sempre q falamos sopbre uma coisa nos julgamos ela a partir dos fatos q ocorreram na sua vida.... nos somos um grande apanhado de vivencias nada mais....... e entao para um homem se dissociar de tudo isso e olhar para onde as evidencias apontam e muito dificil......


    abraços Dwarf
     
  3. Fox

    Fox Visitante

    Muito difíceis e no entanto, muito simples.

    Na primeira vez que fiz isso, me senti contraditório, porque foi muito básico chegar a um ponto de vista puramente factual. Mas o que cria essa resistências são os próprios conceitos criados pela nossa personalidade.
     
  4. Logan Mcloud

    Logan Mcloud Usuário

    raras sao as pessoas q tem a capacidade disso...... e eu acredito q vc (fox ) e o cara engethor sao algumas dessas poucas pessoas... mas devemos nos lembrar q esta nao eh uma tarefa facil... uma vida inteira jaz sobre os seus ombros... toda esa vida interfere no su julgamento...... nao existe como figir disso, a sua retorica, o seu pondo de vista... e isso eh muto dificil de se tirar.... mas eu acredtito q vcs o consigam.... talvez nao de todo... mas em grande parte....


    abraços Dwarf
     
  5. Fencas

    Fencas Usuário

    "O sábio modifica suas crenças conforme os fatos.
    O tolo tenta distorcer os fatos para encaixá-los nas suas crenças."

    É interessante como o criador desse tópico, não sei se consciente ou inconscientemente tem a resposta pras suas perguntas em sua própria assinatura!

    Um cientista (no caso, o sábio) de verdade, não pode levar seus sentimentos ou crenças a interferir suas pesquisas. Claro, sentimentos e crenças motivarão o caminho do que será pesquisado, mas não seu resultado!
    Já o tolo tentaria impor o que acredita no que é real, julgando e dando o resultado apenas por suas crenças e sentimentos...
     
  6. Magnum

    Magnum Usuário

    É extremamente complicado acabar com certos vícios da mente. Eles existem e são um tormento q passam sem ser notados e atrapalham a absorção e a evolução do ser humano, assim como o Logan disse, é um privilégio comseguir acabar com esse vício, há quem seja tolo por opção, por que tem acesso e pode conseguir evoluir, mas é mais fácil adaptar a realidade à sua mente finita, ao invés de adaptar a sua mente para absorver a imensidão da realidade. Aí sim o vício da opnião fútil é eliminada.
     
  7. Aniel

    Aniel Usuário

    Desculpem, mas não entendo juízo de valor como sinônimo de "como deveria ser"...O juízo de valor, como a própria denominação já diz, significa uma avaliação do valor intrínseco do que se está avaliando. laro que aí cabem infindáveis discussões filosóficas sobre a possibilidade ou não de se conhecer o "valor em si" das coisas, essa discussão remonta à Antiguidade e até hoje não se chegou a um consenso, todavia, é essa a natureza do conceito de juízo de valor.

    O ser é uma coisa, o dever-ser é outra, bem como o juízo de valor que se faz sobre cada um deles...Porém, creio ser impossível desvencilhar-se de conceitos próprios e ser totalmente imparcial ao se valorar algo. A imparcialidade é uma utopia, um mito. Um cientista das ciências exatas dizer que é imparcial é mera arrogância falaciosa. No momento da escolha do objeto de pesquisa ele foi parcial ao elegê-lo como tal, e diante do resultado, não há que se falar em imparcialidade, mas em mera constatação de resultados. Nas ciências humanas então...mesmo resultados estatísticos sempre são frutos de critérios tendenciosos, mesmo que conscientemente o pesquisador não almeje isso.
     
  8. Fox

    Fox Visitante

    Tá bom, eu não disse que fico plenamente imparcial. Mas já cheguei sim a um nivel mais do que preferencial pra diversos julgamentos.

    Se será obviamente unânime que a imparcialidade total é utópica, não é necessário explorar esse aspecto do julgamento em geral.

    Podemos partir pra outra direção... não? :o?:
     
  9. Vilya

    Vilya Pai curuja, marido apaixonado

    Para ratificar a posição do nosso amigo Dwarf vou postar um poema que escrevi quando decidi me tornar matemático.

    Da Visão

    Se julga o que vê, então atente,
    Pois o visto não o é realmente.
    O julgamento nada é senão
    Fruto da sua interpretação.

    O julgamento não te permite,
    Já que a interpretação é errada,
    Perceber ao certo em que consiste:
    O visto não é o interpretado.

    O que se vê não o é de verdade,
    Mas apenas o o que te parece ser,
    Posto não se ter a capacidade
    De ver e interpretar sem distorcer.

    Quando se interpreta, se distorce.
    Assim se faz, pois raciocinando
    Embute-se no analisando
    O que é seu e dele não faz parte:

    Sua experiência de vida,
    Suas expectativas, suas deficiências.

    Acaba por nele ver menos o que é
    E mais o que percebe de tudo,
    Independentemente do que seja,
    Que não faz parte de nada
    Que não de você mesmo.
     
  10. Logan Mcloud

    Logan Mcloud Usuário

    caraio muityo bom meu veio meus parabens!!!!! e MUITO obrigado por me chamar de Dwarf eh a forma como eu prefiro...... vc eh matematico???? q legal... entao vc deve entender bem como eu me sinto tendo sentimentos e sabendo q eles so atrpalham...... as vezes eu gostaria de ser como o Spock q eh o idolo maximo de todo fisico ou metematico......


    abraços Dwarf
     

Compartilhar