• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Censo Valinor 2020

Giuseppe

Eternamente humano.
Bah, nem sabia. Eu sei do livro por causa da minha professora do ensino médio, que na primeira aula recomendou fortemente a leitura desta e de outras obras. Há 10 anos eu venho pensando neste livro e nesta dívida, haha. Talvez seja o ano exato para lê-lo.
Segundo o prefácio ele ficou uns vinte anos falando sobre escrever o livro, isto é, pensando nele, não vinte anos escrevendo. E foi praticamente a última coisa que fez na vida pois ficou doente e morreu logo em seguida. Não chegou a ver a obra publicada, mas felizmente deu tempo de terminar.
 

Giuseppe

Eternamente humano.
Bem, como dizem, "todo autor best-seller tem uma gaveta cheia de cartas de rejeição". Qualquer livro incrível que você imaginar sempre teve alguém pra dizer que não queria publicar porque achava que não tinha potencial. É questão de ser encontrado pela pessoa certa na hora certa.
 

Béla van Tesma

Blood-sucker
Listinha da Bravo é o caralho. Pega logo a lista de 1001 livros que tu não vai ler antes de morrer nem a pau.
Ah eu até tenho esse livro; mas tem muita coisa nele que não vale assim muuuito a pena, não. E na real, 1001 são vinte anos lendo um por semana... >__>
Eu acho que uma lista-guia de 200 ou 300 já daria conta de abarcar o "indispensável", e o resto vai ao gosto do freguês rs.
[doublepost=1581016832,1581016696][/doublepost]
meu Janeiro tbm começou promissor e estagnou. Só não foi por conta de jogar Fallout 4 . Estou de férias visitando minha família, não sobra um minuto para ler.
É um motivo nobre que não causa mal-estar nem pesa na consciência kk.
 

Eriadan

Usuário
Usuário Premium
1. As Histórias da Bíblia e os Mitos da Antiguidade (Élvio Gusmão Santos)
2. Tree and Leaf (J.R.R. Tolkien)
3. Harry Potter and the Prisoner of Azkaban (J.K. Rowling)
4. O Mundo de Tolkien (David Day)
5. Alice no País das Maravilhas (Lewis Carrol)
6. O Estrangeiro (Albert Camus)
7. O Coração das Trevas (Joseph Conrad)

Lendo:
- Gente Pobre (Fiódor Dostoiévski)

Na fila:
- O Retrato de Dorian Gray (Oscar Wilde)
- Orgulho e Preconceito (Jane Austen)
- Cem Dias entre Céu e Mar (Amyr Klink)
- Grande Sertão: Veredas (João Guimarães Rosa)
- Curso de Quenya (Helge Kare Fauskanger)
- Os Últimos Casos de Sherlock Holmes (Arthur Conan Doyle)
- Harry Potter and the Goblet of Fire (J.K. Rowling)
 
Última edição:

Nírasolmo

Usuário
01. Iracema – José de Alencar, 156 pp.
02. Dom Casmurro – Machado de Assis, 234 pp.
03. O Poder – Ives Gandra da Silva Martins, 106 pp.
04. Esculpir o Tempo – Andrei Tarkovsky, 304 pp.
05. Modernidade Líquida – Zygmunt Bauman, 420 pp.
06. O Leopardo – Giuseppe Tomasi di Lampedusa, 364 pp.
07. O Navio Negreiro – Castro Alves, 34 pp.
08. O Vampiro de Curitiba – Dalton Trevisan, 122 pp.
09. Histórias Íntimas – Mary del Priore, 352 pp.
10. The Little Prince – Antoine de Saint-Exupéry, 68 pp.
 
Última edição:

Meneldur

We are infinite.
Usuário Premium
JANEIRO
1 - As Mil e Uma noites: Tomo 1 - Anônimo. 533 p.
2 - Mares de Sangue - Scott Lynch. 509 p. (releitura)
3 - As Duas Torres - J.R.R. Tolkien. 464 p. (releitura)
4 - As Mil e Uma Noites: Tomo 2 - Anônimo. 539 p.
5 - A Garota na Teia de Aranha - David Lagerkrantz. 472 p.
6 - O Trono de Vidro - Sarah J. Maas. 390 p.
7 - República de Ladrões - Scott Lynch. 559 p. (releitura)

FEVEREIRO
8 - Coroa da Meia-noite - Sarah J, Maas. 402 p.
9 - O Retorno do Rei - J.R.R. Tolkien. 570 p. (releitura)
10 - Herdeira do Fogo - Sarah J. Maas. 514 p.
 

Eriadan

Usuário
Usuário Premium
Ler com meta é uma merda. A gente não curte o livro como deveria, toda hora olhando quanto falta e calculando quanto precisa ler para bater. Vou relaxar mais, até porque descobri (obrigado @Giuseppe) que os livros que eu tinha "prazo", por causa do limite do mês grátis do Kindle Unlimited, estão em domínio público e disponíveis no formato pro Kindle. Já (re)comecei o Curso de Quenya e pretendo iniciar O Retrato de Dorian Gray concomitante a Gente Pobre, antes que eu estoure mais ainda o cronograma do clube de leitura. :lol:
 
Última edição:

Meneldur

We are infinite.
Usuário Premium
JANEIRO
1 - As Mil e Uma noites: Tomo 1 - Anônimo. 533 p.
2 - Mares de Sangue - Scott Lynch. 509 p. (releitura)
3 - As Duas Torres - J.R.R. Tolkien. 464 p. (releitura)
4 - As Mil e Uma Noites: Tomo 2 - Anônimo. 539 p.
5 - A Garota na Teia de Aranha - David Lagerkrantz. 472 p.
6 - O Trono de Vidro - Sarah J. Maas. 390 p.
7 - República de Ladrões - Scott Lynch. 559 p. (releitura)

FEVEREIRO
8 - Coroa da Meia-noite - Sarah J, Maas. 402 p.
9 - O Retorno do Rei - J.R.R. Tolkien. 570 p. (releitura)
10 - Herdeira do Fogo - Sarah J. Maas. 514 p.
11 - Coração de Tinta - Cornelia Funke. 455 p. (releitura)
 

Mercúcio

Usuário
Meu 2020 vai ser mais fraco em leituras. Estou tentando - e ainda não acertei o pé nisso - me organizar pra conciliar trabalho com tempo para estudar para outros concursos. É triste ter que ficar abraçado com o Vade Mecum com a estante de livros me tentando.


Janeiro:


1. Los Cuentos del Abuelo José (Felipe Pigna).

2. Um Coração Ardente (Lygia Fagundes Telles).

3. E Não Sobrou Nenhum (Agatha Christie).

Fevereiro:

4. Verão no Aquário (Lygia Fagundes Telles)

Leituras ainda em andamento:

1. La vida por la patria - Una biografía de Mariano Moreno (Felipe Pigna). [Vocês também atravessam leituras na frente de outras que já estão em andamento? rsrs]
 

Molly Bloom

Usuário
01. Os irmãos Karamázov - Dostoiévski
02. Solo de clarineta v. 1 - Erico Verissimo
03. Uma confraria de tolos - John Kennedy Toole
04. O processo - Franz Kafka
05. Um útero é do tamanho de um punho - Angélica Freitas
06. O jardim das cerejeiras - Anton Tchékhov
 

Mercúcio

Usuário
@Mercúcii, curtiu mesmo a Lygia Fagundes Telles, hein? Qual seria seu Top3 até agora? Quero ler um.
Curti muito, cara!

É engraçado porque quando eu peguei o primeiro da Lygia pra ler, que foi o Ciranda de Pedra, era algo que fugia bastante ao meu estilo de leituras. Mas eu estava naquela vibe de experimentar ler coisas diferentes, de querer ter pelo menos algum contato com certos autores. Além disso, nunca fui um leitor de contos. E o contato com a literatura da Lygia também fez parte dessa abertura para o gênero textual, considerando que ela se dedicou bem mais à escrita de contos que de romances (que ela escreveu apenas quatro).

Até o momento eu li 7 livros dela, então eu vou tentar colocar, na ordem, do que gostei mais para o que gostei menos:

1) Seminário dos Ratos. - Contos.
2) As Meninas. - Romance.
3) Verão no Aquário. - Romance
4) Antes do Baile Verde. - Contos.
5) Um Coração Ardente. - Contos.
6) Ciranda de Pedra. - Romance.
7) A Disciplina do Amor. - difícil classificar, uma mistura de Memórias com Ficção em micro-contos.

Alguns comentários...

"Seminário dos Ratos" --> Eu adoro praticamente todos os contos. Tem um apenas de que não gostei tanto, mas não vou dizer qual, pra não contaminar a sua leitura se se animar a lê-lo. Meus contos preferidos nesse livro: "A mão no ombro", "Noturno Amarelo" e "Senhor Diretor".

"As Meninas" foi possivelmente a leitura mais difícil que fiz no ano passado. É um livro bastante experimental em que a autora, em sua técnica narrativa, mobiliza fluxos de consciência, literalmente te jogando dentro da cabeça de cada uma das três protagonistas, deslocando constantemente o foco narrativo de uma para outra, alternando aqui e ali de maneira meio abrupta a exposição da primeira para a terceira pessoa [além das três "narradoras", em alguns momentos você tem um quarto narrador, narrando em terceira pessoa, que dá as caras e some muito rapidamente]. Você se vê diante de uma narrativa fragmentária, atado às percepções sempre parciais (e nem sempre confiáveis) de Lorena, Lia e Ana Clara, que estruturam a narrativa, seguindo-lhes o fio do pensamento, as sensações, sondando-lhes as memórias, que aos poucos vão revelando nuances sobre cada uma delas, camada por camada, profundizando-as, emprestando-lhes maior complexidade. Aqui e ali você tropeça em um pensamento completamente alienígena, que corta o fio do raciocínio da personagem (imagine seguir o fio do pensamento de uma personagem completamente drogada, com o caos mental transfigurando-se no caos textual, que ignora até as regras de pontuação)... no fim, o trabalho de organizar e dar coerência à história em boa medida incumbe ao leitor. A história se passa em um pensionato de freiras, no auge da repressão da ditadura militar. É um caso curioso, porque o livro traz um relato de tortura promovida nos porões da ditadura... e ele foi publicado em 1973. Ainda se discute como esse livro conseguiu furar a censura. Além de denunciar abertamente a tortura, toca em diversos tabus morais, tratando, entre outras coisas, da autodeterminação da mulher, de liberdade sexual, de masturbação feminina e homossexualidade. É bem verdade que a Lygia alterou bastante esse texto e alguns desses temas - não é o caso do relato de tortura, pelo menos - podem ter sido introduzidos em contextos menos espinhosos. Eu não saberia dizer. Eu acho um puta livro, mas, de modo geral, não o recomendo como porta de entrada para a literatura da Lygia. Pra mim, pelo menos, não foi uma leitura fácil. Tive que anotar algumas coisas, pra não me perder tanto. Mas valeu muito a persistência. Foi uma das melhores leituras de 2019.

Verão no Aquário... ainda estou encantado com esse livro. Assim... eu achei o início um pouco lento, sabe? Mas a coisa tem um desenvolvimento que me agradou muito... pensando na complexidade e no desenvolvimento dos personagens, na construção narrativa - repleta de imagens oníricas, de metáforas, de sentidos alegóricos, contemplativos. Até o nome da personagem principal - Raíza - tem uma razão de ser (vem de "raiz", em razão da relação da personagem com o seu próprio passado, daquilo que está enraízado na sua constituição psíquica). É um romance da decadência burguesa, ambientado no início dos anos 1960, que tem um drama familiar como fio condutor: a relação tumultuada entre Raíza -- narradora-personagem cheia de ambiguidades, carências, indefinições; órfã de pai alcóolatra, pianista precocemente frustrada, entregue a uma vida dissoluta e a uma conduta sob muitos aspectos autodestrutiva, no sexo, nas drogas, nos relacionamentos em geral - e sua mãe, a distante e inatingível Patrícia, reconhecida escritora por quem a filha tem uma espécie de amarga rivalidade. A coisa se complexifica com a presença de André, um jovem seminarista em crise, consumido pela dúvida quanto à sua vocação, que arrasta a relação mãe e filha para uma tensa triangulação: Raíza acha que Patrícia e André são amantes e, talvez inconscientemente guiada pela rivalidade que sente pela mãe, apaixona-se (ou acredita-se apaixonada) por ele. Como é comum na literatura da Lygia, os personagens são todos figuras trágicas...Eu adorei!

Sobre Ciranda de Pedra... sendo sucinto, a primeira metade do livro, para mim, é infinitamente superior à segunda metade do livro. Acho que a segunda metade perde um pouco de fôlego.
Sobre Antes do Baile Verde, destaque para os contos "Apenas um Saxofone" (do que li até agora, pra mim é um dos melhores contos dela) e "Venha ver o pôr do sol".
Sobre "Um Coração Ardente", destaque para os contos "Emanuel" (maravilhoso!), "Um coração ardente" e "Biruta".

A Lygia considera "A Disciplina do Amor" o seu melhor livro. Eu discordo...
Não é que não seja um bom livro. Ganhou um Jabuti, foi sucesso de crítica, é um livro bastante experimental, borra bastante a fronteira entre o real e o fictício, entre o escritor e o narrador, entre o microconto e a crônica memorialística. Teve uma comentarista que disse que é um livro em que você percebe com maior clareza a alma da artista. Acho que é por aí. É um livro cheio de alma. Mas, no comparativo entre as leituras que fiz - e eu não entendo nada de literatura, vai ver é por isso - ele fica mais apagado. Também é complicado fazer essa comparação, porque as propostas são bastante diferentes. Enfim...

Tendo a achar que nem "As Meninas" nem "A Disciplina do Amor" são boas portas de entrada para a obra da autora. Bem... podem até ser, a depender do perfil de leitor. Essas coisas são relativas. Mas, de maneira geral, tirando esses dois, eu recomendaria qualquer um dos outros cinco para o primeiro contato.
 

Eriadan

Usuário
Usuário Premium
Também curto muito contos! Vou botar Seminário dos Ratos na minha lista.

1. As Histórias da Bíblia e os Mitos da Antiguidade (Élvio Gusmão Santos)
2. Tree and Leaf (J.R.R. Tolkien)
3. Harry Potter and the Prisoner of Azkaban (J.K. Rowling)
4. O Mundo de Tolkien (David Day)
5. Alice no País das Maravilhas (Lewis Carrol)
6. O Estrangeiro (Albert Camus)
7. O Coração das Trevas (Joseph Conrad)

8. Gente Pobre (Fiódor Dostoiévski)

Lendo:
- O Retrato de Dorian Gray (Oscar Wilde)
- Curso de Quenya (Helge Kare Fauskanger)


- Orgulho e Preconceito (Jane Austen)
- Cem Dias entre Céu e Mar (Amyr Klink)
- Grande Sertão: Veredas (João Guimarães Rosa)
- Seminário dos Ratos (Lygia Fagundes Telles)
- Os Últimos Casos de Sherlock Holmes (Arthur Conan Doyle)
- Harry Potter and the Goblet of Fire (J.K. Rowling)


Desde o ano passado eu estou procurando alternar duas leituras, uma física e outra digital, e está dando super certo. O Kindle foi uma ótima aquisição para me incentivar a ler livros de gêneros diferentes, que de outra forma eu dificilmente compraria. Aí enquanto leio estes em formato digital, em formato físico estou nos antigos: no "moderno" abrindo novos horizontes da literatura, no "tradicional" sustentando meus antigos apegos. :sacou:

E engraçado que na minha cabeça tá bem essa divisão formada mesmo. Sou fã dos e-books, mas não quero nem ouvir falar de O Senhor dos Anéis digital. :lol:
 
Última edição:

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.225,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo