1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Aula de Cidadania na Escola Pública

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por focr_br, 3 Jun 2019.

  1. focr_br

    focr_br Usuário

    Recentemente li sobre o assunto de aulas de religião na escola publica, desrespeitando totalmente a nossa constituição, o secularismo e o estado laico de direito. Tornando nossas leis fracas e ridículas. E voltando a gente para idade medieval onde a igreja controlava o estado.

    Pesquisei sobre e vi que o STF aprovou a medida aprovando o ensino religioso confessional (baseado em uma religião) com o argumento de não violar a laicidade do estado sofrendo muita pressão dos grupos que hoje estão no poder.

    O que vocês achariam da existência de uma aula de cidadania para que esse tipo de desrespeito não aconteça no futuro? Substituir essas aulas opcionais de religião com aulas de cidadania? Com a matéria sendo inserida desde o começo do ensino fundamental e avançando até o ensino médio e talvez até o ensino superior?

    Aulas que ensinassem sobre estado laico e a importância da laicidade do mesmo, o secularismo e a importância do secularismo no estado e em todas atividades humanas e as decisões principalmente politicas, o respeito ao próximo, o respeito e aceitação de religiões e culturas diferentes, sem defender ou estar vinculado a nenhum ponto de vista religioso ou lado religioso? Deixando o aluno livre para ter a religião que quiser independente da matéria, da escola e do estado?

    Ensinando sobre como consumir e respeitar culturas diferentes? Sem que se agrida a liberdade da existência e consumo das outras. Apenas mostrando o como cada uma funciona e qual são seus objetivos e meios e deixando com que a pessoa decida se aquilo é bom ou não para ela? Sem defender ou estar vinculado a nenhum ponto de vista religioso ou lado religioso?

    Ensinando também como se comportar como cidadão, as nossas leis, o quão importante é respeitar as nossas leis, como funciona o nosso pais, as leis do mundo, o quão importante é respeitar as leis do mundo, como funciona o mundo.

    Talvez ensinando coisas sobre o nosso pais, com nosso hino, nosso símbolos e como encarar tudo isso sendo um cidadão, longe do patriotismo que gerou e gera tantos problemas como o nazismo, o fascismo, as guerras?
     
    Última edição: 8 Jun 2019
  2. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Essas aulas ensinam sobre uma única religião ou ensinam a história e as crenças básicas de várias? Pelo que eu entendi é a primeira opção mas se alguém puder esclarecer, por favor iluminem minha ignorância.
     
  3. focr_br

    focr_br Usuário

    Primeiramente foi aprovado para ensinar religião sem especificar nenhuma. Posteriormente foi aprovado para ensinar só uma religião.
     
    Última edição: 3 Jun 2019
  4. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Puxa, então não são aulas de religião comparada ou história da religião? Assim seria muito mais interessante (sendo opcional). Tenho minhas próprias crenças, mas não sou a favor de ensinar uma única religião em escolas públicas porque isso é problemático. Primeiro que uma instituição pública não é lugar para proselitismo, e segundo que isso provavelmente acabaria sendo mal ensinado de um jeito ou de outro. A não ser que fossem aulas de religião comparada, creio que o ideal é deixar que teologia seja ensinada em lugares apropriados para isso (igrejas, templos, etc.), não na escola.

    Não sou pedagogo, então não sei se aulas específicas de cidadania são a medida certa a ser tomada ou não, mas deve-se sim ensinar o respeito ao próximo, coisa que é cada vez mais rara, já que as crianças e adolescentes (e adultos também, viu?) têm que aprender que o mundo em que vivemos não é uma selva onde se resolve tudo com a força bruta, e sim um lugar onde se deve aprender a respeitar e conviver com pessoas diferentes, com crenças diferentes, histórias diferentes, e por aí vai. Tudo deve ser moderado, sem ultranacionalismo, pois isso sempre acaba em sofrimento.

    Mas não acho que estejamos voltando aos tempos medievais, pois a Idade Média foi marcada pelo excesso de zelo religioso e intolerância, e a sociedade atual é de maneira geral secular e indiferente à religião. Você deve ter visto muitos políticos pagando de religiosos, mas não acho que muitos deles realmente acreditem na religião que alegam professar, porque se acreditassem seriam pessoas totalmente diferentes (eles usam isso só pra marcar pontos com uma determinada parcela da população). Não se pode julgar uma religião baseando-se no comportamento dos seus piores membros, e sim dos melhores. E o mesmo vale para não religiosos (já que não gosto de ver meus amigos ateus sendo comparados com alguns ateus famosos que estão longe de ser um bom exemplo).
     
  5. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Eu tive tanto na 6a série do ensino fundamental quanto no 2° ano do ensino médio a clássica chamada EMC (Educação Moral e Cívica) e que foi revogada como disciplina obrigatória no currículo escolar brasileiro em 1993 no governo Itamar.

    Foi nessa disciplina que assuntos como cidadania, ética, símbolos nacionais, valores morais, a importância do voto, legislação, direitos e deveres do cidadão entre outros eram tratados e se tem algo de bom que essa disciplina deixou de influência positiva pra mim, é que por exemplo no que diz respeito as eleições, a sua cidadania municipal (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ) não se pratica apenas indo a urna apenas no dia da eleição e depois ficar em casa só reclamando do seu candidato e esperar sentado quatro anos pra tentar mudar de opção só na próxima eleição e sim frequentando a câmara municipal, assistir as audiências públicas e ter a possibilidade de cobrar diretamente dos vereadores, frequentar associações de bairro entre outras ações.

    Por menor que possa parecer informar um bueiro entupido, uma árvore prestes a cair, uma lâmpada queimada no poste da sua rua, são ações que significam muito, melhorando a qualidade de vida se todos exercerem de forma plena sua cidadania o ano inteiro e não apenas em época de eleição. Acho que foi uma das melhores coisas que aprendi nessa disciplina e que pratico regularmente no meu dia-a-dia.
    --- Mensagem Dupla Unificada, 3 Jun 2019, Data da Mensagem Original: 3 Jun 2019 ---
    Um adendo: na época que tive EMC, se tratava de todos esses assuntos que mencionei, menos religião. Não tive disciplina de ensino religioso no 1° e 2° grau.
     
  6. focr_br

    focr_br Usuário

    Eu particularmente não enxergo como sendo uma real solução ter uma disciplina, acho que tem que ter algo que seja espalhado por todas as disciplinas mas não de uma maneira oficial e ordenada. Mas como disse acho que vai muito mais do que estudar "Moral e Cívica" com símbolos nacionais e valores morais, que inclusive acho que o segundo nem deve ser abordado, já que pode agredir diretamente o estado laico e o primeiro tem que se tomar muito cuidado para ser tratado pois é um tema que cai facilmente no ufanismo, preferivelmente não sendo abordado também.

    Por algum motivo estamos sofrendo com a falta de educação dos filhos dos que não foram educados antes. Chega a ser ridiculo pensarmos sobre esse tipo de educação.
     
    Última edição: 8 Jun 2019
  7. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Eu tive essa disciplina como obrigatória porque era ainda um resquício herdado do período militar, mas felizmente na época que estudei já era a fase terminal e agonizante desse período com o retorno das eleições diretas exatamente no meio das duas vezes em que tive ela no fundamental e médio.

    E justamente por isso no que diz respeito a parte de símbolos nacionais não havia aquele ufanismo que talvez teria tido se tivesse estudado essa disciplina bem antes no auge da ditadura.
     

Compartilhar