Arquivo da tag: O Senhor dos Anéis

Resumo de O Senhor dos Anéis – Livro I (Cap. 1 a 12)

Os resumos foram gentilmente cedidos por Janez Brank (http://www.brank.org/tolksumm/ ), traduzidos do inglês pelo nosso leitor Luciano Soares e revisados por Imrahil.
 
 

Capítulo 1: Uma festa muito esperada
Sessenta anos passaram desde que Bilbo Bolseiro, o herói de O Hobbit, tinha voltado de sua jornada. Ele é conhecido por muitos, tanto pela sua riqueza legendária como pelo fato de que a idade não parece afetá-lo. Ele anuncia uma grande celebração em honra do 111o aniversário dele e o 33o aniversário do seu sobrinho Frodo, que ele tinha adotado como herdeiro alguns anos atrás e trouxera para viver no Bolsão. A festa estava esplêndida, e um grande número de hobbits foi convidado. Mas Bilbo sentia-se estranho ultimamente, e decidiu que precisava de umas "férias" e deixaria o Condado; assim, depois de fazer um discurso depois do jantar, na frente dos 144 amigos mais íntimos dele e de Frodo, e também de seus parentes, ele coloca o anel mágico e desaparece, causando grande surpresa. Ele fala mais uma vez com Gandalf antes de partir, e quase muda a sua intenção original de deixar o anel com Frodo; mas o mago o convence a manter a idéia, e Bilbo parte, muito aliviado e mais feliz do que nunca. Gandalf adverte Frodo para não usar o anel. No dia seguinte Frodo está ocupado, pois Bilbo tinha deixado presentes de despedida para muitos hobbits, e agora uma multidão de pessoas se encontra no Bolsão, muitos deles cavando ao redor e procurando os tesouros imaginários de Bilbo. Gandalf parte, e não volta por muito tempo.

Capítulo 2: A Sombra do Passado
Gandalf visita Frodo só algumas vezes pelos anos que seguem. Frodo se acostuma a ser o mestre do Bolsão, e faz amizade com alguns dos hobbits mais jovem [por exemplo com Peregrin Tûk e Merry Brandebuque] enquanto a maioria o considera esquisito, como Bilbo. Rumores de eventos estranhos fora do Condado surgem, como o da ascensão do Poder Escuro na Terra de Mordor, embora a maioria dos hobbits não acreditasse nisso. No qüinquagésimo ano da vida de Frodo, Gandalf o visita novamente e eles têm uma conversa longa sobre o anel que Frodo tinha herdado de Bilbo. Gandalf explica a Frodo a natureza e a história do anel, que é de fato o maior dos Anéis de Poder e foi feito há muito tempo por Sauron, o Senhor do Escuro de Mordor. Sauron o está procurando agora avidamente. Achando o anel o seu poder cresceria imensamente. O anel deveria ser destruído para que Sauron perdesse seu poder, mas só poderia ser destruído em Orodruin, a Montanha da Perdição em Mordor. Parece que Sauron já tinha ouvido falar de Bilbo e do Condado através de Gollum; assim, o Condado provavelmente não é mais um lugar seguro para Frodo. Ele decide partir, acompanhado por Sam Gamgi, o seu jovem jardineiro, que [ao contrário da maioria dos hobbits] acredita nas antigas histórias e adoraria ver os Elfos.

Capítulo 3: Três não é demais
Frodo vende o Bolsão aos Sacola-Bolseiros e compra uma casa na Terra dos Buques, a leste do Condado, onde ele tinha passado sua infância. No seu qüinquagésimo aniversário, ele deixa o Bolsão e parte com seu amigo Pippin [Peregrin Tûk] e Sam Gamgi; Gandalf o deixou por algum tempo para procurar notícias do que acontecia na Terra-média, e ainda não voltou, o que preocupa muito Frodo. No dia seguinte, os três hobbits notam que estão sendo seguidos pelos misteriosos Cavaleiros Negros. Não sabem exatamente quem eles são, e Frodo, cuidadoso, decide não deixar que os Cavaleiros os vejam. Eles conhecem, durante a noite, um grupo vagante de Altos-elfos conduzido por Gildor Inglorion; Frodo fala por muito tempo com Gildor, e o elfo o aconselha a tentar alcançar Valfenda apesar da ausência de Gandalf, e conta-lhe que os Cavaleiros Negros são os perigosos Servos do Inimigo.

Capítulo 4: Um atalho para cogumelos
No dia seguinte, Frodo decide pegar um atalho para o rio Brandevin, onde Merry deveria encontrá-los naquele dia; queriam chegar lá mais cedo, e evitar serem vistos novamente pelos Cavaleiros Negros. De fato, eles percebem que um dos Cavaleiros está na estrada e decidem sair dela. Depois de uma passagem longa e desagradável pelos bosques, eles alcançam a propriedade de Fazendeiro Magote, que é conhecido por soltar seus cachorros em qualquer invasor que venha a colher os seus cogumelos [como o próprio Frodo tinha experimentado na sua mocidade]. Contudo, ele é bastante amigável, especialmente por conhecer bastante Pippin; ele conta a Frodo e seus amigos que pouco tempo antes um cavaleiro negro estranho e amedrontador perguntara-lhe por um Bolseiro . Para ajudar Frodo a alcançar a balsa do Brandevin da maneira mais segura e rápida possível, Magote leva os três hobbits com sua carroça , e eles acham Merry esperando-os ansiosamente.

Capítulo 5: Conspiração Desmascarada
Conforme eles cruzam o Rio, notam uma figura negra parada, e cada vez mais próxima. Eles vão para a casa nova de Frodo em Cricôncavo, e falam sobre as suas aventuras na viagem. Frodo pretende falar finalmente para os amigos que vai partir o mais cedo possível quando, para o seu assombro, eles dizem que já sabem sobre o Anel, e sobre o propósito de sua viagem, e que pretendem acompanhá-lo e ajudá-lo. Depois do choque inicial, Frodo aceita a ajuda deles alegremente, e eles decidem partir no dia seguinte, bem cedo, pela Floresta Velha, um lugar conhecido como esquisito e perigoso, para evitar as estradas que provavelmente serão vigiadas pelos Cavaleiros.

Capítulo 6: A Floresta Velha
Os hobbits entram na Floresta Velha e logo começam a sentir sua estranheza, como se as árvores estivessem vigiando-os e os odiassem. Eles chegam à Clareira onde os hobbits queimaram uma grande quantidade de árvores há muito tempo atrás. De lá, eles seguem um caminho que os conduz a uma colina que sobe fora da Floresta, e de lá, como eles eventualmente notam, para o Rio Withywindle, a parte central e mais estranha da floresta. Eles querem evitar isso e deixar o caminho, mas acham o terreno sempre mais difícil na direção em que gostariam de ir. Eles caem em um barranco que é muito íngreme para ser escalado novamente e, seguindo-o, chegam ao Withywindle e acham um caminho que corre ao longo dele. Este caminho os traz a um velho salgueiro, perto do qual começam a sentir-se sonolentos de repente. Frodo, Merry e Pippin dormem, e a árvore lança Frodo na água e captura Merry e Pippin debaixo de suas raízes. Sam e Frodo não podem salvá-los, e correm ao longo do caminho, enquanto pedem por ajuda, desesperados. Eles encontram Tom Bombadil, um homem estranho que canta canções absurdas. Tom canta a melodia certa, e o salgueiro liberta Merry e Pippin; então Tom convida os hobbits para irem à casa dele, onde vive com Fruta D"Ouro.

Capítulo 7: Na Casa de Tom Bombadil
Eles comem um jantar magnífico e então vão dormir, e cada um deles tem sonhos diferentes e estranhos. No dia os hobbits falam com Tom Bombadil durante o dia inteiro. Tom lhes fala muito sobre a Floresta, os tipos de árvores e animais, o Velho Homem-Salgueiro, e a história antiga da Terra-média, embora de maneira enigmática. Para a surpresa deles, descobrem que o Anel não tem nenhum poder sobre Bombadil. Ele lhes dá conselhos no dia seguinte, e lhes ensina uma rima parra chamá-lo se eles precisarem da ajuda dele.

Capítulo 8: Névoa nas Colinas dos Túmulos
No dia seguinte, os hobbits deixam a casa de Tom, pretendendo cruzar os Túmulos. Eles fazem um progresso bom pela manhã, e ao redor de meio-dia param para descansar. Estranhamente há um grande pedra fria que se levanta no topo plano de uma colina. Eles adormecem e são despertados por um pôr-do-sol cercado pela névoa. Eles imediatamente se encaminham na direção que eles acreditam ser a mais direta para a Estrada; algum tempo depois Frodo, que estava na frente, passa entre duas pedras paradas e nota que os outros se foram. Ele começa a gritar por ajuda, e é capturado por uma Criatura Tumular. Ele desperta novamente dentro de um túmulo, nota que os outros estão inconscientes perto dele e que uma mão está rastejando na direção deles. Frodo canta a rima que Tom Bombadil tinha lhes ensinado um dia antes, e realmente Tom vem muito rápido, e a luz do dia destrói a Criatura Tumular. Tom desperta os outros três hobbits, e dá a cada um deles uma espada, tirada dos tesouros que estavam dentro do túmulo. Ele também traz os pôneis deles que fugiram à noite, e os acompanha durante algum tempo, até as fronteiras das terras dele. Os hobbits partem, e chegam à aldeia de Bri pela noite.

Capítulo 9: No Pônei Saltitante
O hobbits entram no Pônei Saltitante, uma hospedaria grande em Bri. Um grupo diversificado de hóspedes já esta reunido lá: hobbits locais e homens, anões em viagem, homens estranhos do Sul, e um Guardião misterioso conhecido como Passolargo. Depois da ceia, Frodo, Sam e Pippin decidem unir-se aos hóspedes; Pippin chama a atenção contando uma história sobre o Prefeito do Condado e, empolgado, começa a contar sobre a festa de despedida de Bilbo. Frodo não quer mencionar o desaparecimento de Bilbo, e para interromper Pippin salta sobre uma mesa e começa a cantar e dançar. Ele salta e cai da mesa, e enquanto cai o Anel desliza para o dedo dele, e ele desaparece. Isto causa muita ansiedade, e apesar das explicações posteriores a maioria dos hóspedes deixa o aposento. Passolargo parece saber o real nome de Frodo, e a verdadeira causa do seu desaparecimento, e lhe pede que tenham uma conversa depois. Carrapicho, o estalajadeiro, também se lembra de algo e pede para ter uma conversa particular com Frodo.

Capítulo 10: Passolargo
Passolargo vai falar com Frodo, Sam e Pippin. Ele se oferece para ser o guia deles, e parece já saber muito de Frodo; porém, por causa da sua aparência, os hobbits não confiam nele. Então Carrapicho chega e explica que Gandalf tinha deixado uma carta para um certo Frodo Bolseiro, que Carrapicho esquecera de enviar ao Condado há vários meses atrás. Frodo e seus companheiros batem com a descrição que Gandalf dera a Carrapicho, e este dá a carta a Frodo. Entre outras coisas, essa carta contém um conselho de Gandalf para aceitar a ajuda de um amigo seu, um homem chamado Passolargo [com o verdadeiro nome Aragorn], se eles chegassem a conhecê-lo. Assim, Frodo decide aceitar a ajuda dele como um guia para Valfenda. Merry, que saiu para pegar um ar fresco antes, agora volta e conta que viu os Cavaleiros Negros, e parece que eles têm espiões em Bri. Eles decidem não ir para os quartos designados a eles, e dormem no quarto de hóspedes, depois de trancarem as janelas e a porta.

Capítulo 11: Uma Faca no Escuro
Naquela mesma noite, os Cavaleiros Negros arrombam a casa de Frodo em Cricôncavo, descobrem que Frodo não esta lá, e cavalgam para Bri com grande pressa. Eles arrombam a hospedaria, ou mais especificamente o quarto onde os hóspedes hobbits normalmente dormem. Os hobbits não são descobertos, mas todos os cavalos e pôneis da hospedaria fugiram com medo. No dia seguinte eles compram um pônei e mantimentos [muito mais do que eles poderiam carregar em suas costas]; eles vão em direção a Valfenda, e Passolargo os conduz pela floresta para uma colina chamada Topo do Vento, que oferece uma visão de cima de uma área circunvizinha bem grande. Parece que Gandalf tinha estado lá três dias antes deles. Naquela noite eles são atacados por cinco dos Cavaleiros em uma depressão debaixo do Topo do Vento; Frodo não consegue resistir ao desejo de colocar o Anel, e imediatamente depois de fazer isso percebe que ele pode ver os Cavaleiros muito claramente apesar da escuridão. O capitão dos Cavaleiros ataca Frodo, que o golpeia nos pés mas acaba ferido e perde a consciência .

Capítulo 12: Fuga para o Vau
Passolargo faz o melhor possível para curar Frodo, mas este só poderia receber o tratamento em Valfenda, que eles deveriam alcançar o mais cedo possível. Eles cruzam o Rio Fontegris e, evitando a estrada, caminham pelos ermos e acabam alcançando a região dos trolls onde Bilbo tivera a sua primeira aventura tantos anos atrás. Eles têm que cruzar uma linha de colinas para se pôr mais perto novamente da Estrada, já que a única esperança deles de alcançar Valfenda a tempo é seguir a Estrada que cruza o rio Ruidoságua, ou Bruinen, no vau de Bruinen. Na Estrada eles conhecem Glorfindel, um Senhor Élfico que foi enviado de Valfenda para achá-los e ajudá-los. Eles se aproximam do Vau de Bruinen e são emboscados pelos Cavaleiros Negros. Frodo consegue escapar e cruzar o rio no cavalo de Glorfindel. Então uma grande inundação vem rio abaixo e leva os Cavaleiros.

[tradução de Luciano Soares e Reinaldo]

Resumo de O Senhor dos Anéis – Livro III (Cap. 1 a 11)

Capítulo 1: A Partida de Boromir
Aragorn segue o rastro de Frodo até o topo do Amon Hen; lá ele ouve o som da corneta de Boromir entre os gritos de muitos orcs, e ele corre para ajudá-lo. Mas Aragorn chega tarde demais: Boromir já está agonizando, e em suas últimas palavras ele conta para Aragorn sobre o ataque dele a Frodo e sobre a luta com os orcs, os quais levaram os hobbits como prisioneiros. Gimli e Legolas retornam logo depois, e juntos eles levam o corpo de Boromir em um barco e deixam-no flutuar rio abaixo. Eles também notam que um barco e a bagagem de Sam não estão mais ali, e concluem que Frodo e Sam devem ter cruzado o Rio e ido em direção a Mordor enquanto todos estavam procurando Frodo. Assim, parece improvável que os três companheiros ainda pudessem achá-los, e Aragorn decide que eles vão perseguir os orcs e tentar salvar Merry e Pippin. Eles começam a perseguição imediatamente e com maior velocidade, pois os orcs já ganharam uma vantagem de várias horas.
 
Capítulo 2: Os Cavaleiros de Rohan
Aragorn, Gimli e Legolas continuam a perseguição durante três dias, correndo com velocidade notável pela terra de Rohan, mas para o desânimo deles parece que os orcs quase não estão descansando, e a vantagem deles sempre é crescente. No quarto dia eles encontram uma companhia dos rohirrim, os homens de Rohan, conduzidos por Éomer, o Terceiro Marechal de Rohan e sobrinho de Théoden, o Rei de Rohan. Aragorn explica a eles o propósito da caçada, e Éomer conta que os Rohirrim atacaram e destruíram aquele grupo de Orcs dois dias atrás, e não acharam nenhum hobbit entre eles. Eles trocam algumas notícias, e Éomer fica impressionado com Aragorn e a viagem rápida que ele e os seus dois companheiros fizeram nos últimos dias. Ele lhes dá permissão para viajar por Rohan, e lhes dá cavalos excelentes. Aragorn, Gimli e Legolas continuam seguindo o rastro e chegam, naquela noite, ao local da batalha perto da grande floresta de Fangorn. Eles não acham nenhum rastro dos hobbits. Na mesma noite um homem velho aparece [e desaparece depressa] próximo ao acampamento deles, e todos os seus cavalos fogem; eles suspeitam que o homem venha a ser o feiticeiro mau Saruman.

Capítulo 3: Os Uruk-hai
Enquanto isso, Pippin e Merry sofrem muito como cativos dos orcs. Estes estão sob ordens de não matar nenhum dos cativos; durante algum tempo, os Orcs os levam, mas eles são forçados a correr, e os Orcs lhes dão um liquido estranho e asqueroso que os fortalece durante algum tempo. O grupo consiste em tipos diferentes de orcs: pequenos das Montanhas Sombrias, alguns orcs de Mordor [conduzidos por Grishnákh] e os grandes Uruk-hai de Isengard, liderados por um capitão chamado Uglúk. Uma discussão surge sobre o destino dos prisioneiros, e Uglúk prevalece. Durante a noite, quando eles se aproximam de Fangorn, são cercados por um grupo dos Cavaleiros de Rohan. Os Cavaleiros acendem fogueiras e esperam o amanhecer antes do ataque final. À noite Grishnákh esperava achar o Anel com os hobbits; ele os leva e tenta escapar, mas é descoberto e morto pelos Cavaleiros. Os hobbits rastejam na floresta, desapercebidos na escuridão. Ao amanhecer os Cavaleiros atacam o acampamento orc e todos eles são mortos na batalha.

Capítulo 4: Barbárvore
Merry e Pippin continuam seu caminho na floresta, e logo conhecem Barbárvore, o ent. Ents são criaturas estranhas, altas e muito velhas, cuja aparência se assemelha à das árvores. Eles falam sobre muitas coisas maravilhosas: os hobbits contam a Barbárvore sobre a viagem deles, e ele lhes fala sobre os ents, a história deles, e a Floresta de Fangorn. Os ents são ameaçados por Saruman, que envia orcs para destruir a floresta e as árvores. Barbárvore sente que é tempo de se fazer algo sobre isso, e ele convoca um Entebate, um reunião de ents, onde eles discutem esse assunto. Considerando que os Ents nunca são precipitados, a assembléia dura dois dias e duas noites, mas no fim eles decidem atacar Isengard [o anel de pedras no meio do qual esta a Torre de Orthanc, a habitação de Saruman]. Barbárvore leva os hobbits em sua marcha, e muitos ents se unem a ela.

Capítulo 5: O Cavaleiro Branco
Na manhã seguinte, Aragorn, Legolas e Gimli procuram o local da batalha, e acham uma folha de mallorn e alguns miolos de lembas. Isso confirma a presença dos hobbits. Eles continuam a procura na floresta de Fangorn e alcançam a colina onde os hobbits tinham conhecido Barbárvore. Então eles encontram o velho que eles acreditavam ser Saruman, mas este revela ser Gandalf, que derrotou o Balrog e voltou mais forte do que nunca, usando uma roupa branca. Gandalf lhes conta algumas notícias, particularmente que o hobbits conheceram Barbárvore e que os ents estão indo em direção a Isengard; ele lhes aconselha a ir para Rohan e ajudar na guerra que está começando lá. Ele chama o seu cavalo, Scadufax, e ele vem também com os cavalos de Aragorn e Legolas, que o conheceram na noite anterior depois de terem fugido em pânico. Gandalf e os três companheiros rumam para Edoras, a corte de Théoden, o Rei de Rohan.

Capítulo 6: O Rei do Palácio Dourado
Eles vão para Meduseld, o palácio do rei Théoden. Eles não são muito bem-vindos no princípio, e é exigido que eles deixem as armas do lado de fora antes de ver o rei. Théoden está sob a influência de seu conselheiro Gríma [também chamado Língua de Cobra] que o convenceu de que Gandalf é sempre um sinal de problemas se aproximando, e não deveria ser bem-vindo. Gandalf silencia Língua de Cobra com um raio mágico, e leva o rei para fora, no ar fresco e à luz do dia. Então Théoden percebe que, escutando os sussurros de Gríma, ele se sentia muito mais velho e mais fraco do que ele realmente era, e agora ele abre o seu coração ao conselho de Gandalf, ordenando que os Rohirrim deveriam se preparar para ir imediatamente para Isengard, enquanto os não capazes de entrar no exército deveriam se retirar aos refúgios das montanhas. Língua de Cobra contesta isso, mas Gandalf o revela como o espião de Saruman; Théoden lhe dá a escolha de se juntar à guerra ou partir para sempre, e Gríma parte. Então o rei dá presentes aos companheiros: ele presenteia Gandalf com Scadufax, e dá armaduras excelentes a Aragorn, Legolas e Gimli. Finalmente o exército parte, e Éowyn, a irmã de Éomer, é escolhida para governar o resto do povo de Rohan na ausência do rei.

Capítulo 7: O Abismo de Helm
Gandalf vai para Isengard com a maior velocidade possível, enquanto o resto dos anfitriões vai para o Abismo de Helm, uma fortaleza; lá, na torre do Forte da Trombeta, a habitação de Erkenbrand, o mestre do Folde Ocidental, vários dos rohirrim daquela região já tinham buscado refúgio. O exército entra no Abismo de Helm e se prepara para a defesa; eles são atacados por um exército grande de orcs e homens selvagens da Terra Parda, e apesar de sua quantidade os defensores têm que se retirar para o Forte da Trombeta e para as cavernas do Abismo. No amanhecer do dia seguinte, porém, o exército dos rohirrim sai da fortaleza e os orcs espantados fogem diante disso. Ao mesmo tempo, Gandalf aparece, e também Erkenbrand e o seu exército; os orcs são cercados e empurrados para uma floresta recentemente crescida que é na verdade um exército de huorns [ents que tinham se tornado arvorescos], e nenhum sai vivo.

Capítulo 8: A estrada para Isengard
Gandalf, Aragorn, Gimli, Legolas, Théoden, Éomer, e uma parte do exército dos rohirrim cavalgam para Isengard. Gimli conta para Legolas sobre a beleza das Cavernas do Abismo de Helm, e eles decidem que algum dia irão juntos e verão a Floresta de Fangorn e as Cavernas. A companhia viaja pela floresta dos Ents e passa por um grande montículo onde foram enterrados os rohirrim que tombaram nas batalhas. À noite eles vêem uma grande sombra que voa para Isengard. Finalmente eles alcançam o Anel de Isengard onde Saruman morou por muito tempo e transformou em uma grande fortaleza; mas agora ele foi derrotado e arruinado pelos ents. Nos portões eles encontram Merry e Pippin, desfrutando todos os confortos de comida, vinho e erva-de-fumo, e os dois levam Gandalf e Théoden para a parede do norte onde eles poderiam encontrar Barbárvore.

Capítulo 9: Escombros e Destroços
Enquanto isso Aragorn, Legolas e Gimli ficam com os dois hobbits, que lhes falam sobre as suas aventuras com o rompimento da Sociedade do Anel: a viagem com os Orcs, o encontro com Barbárvore e o ataque dos ents em Isengard. Os ents não são muito afligidos por setas ou machados, e eles demoliram os portões e paredes de Isengard; não puderam danificar a torre de Orthanc, entretanto, e Saruman ficou encurralado lá. Os huorns formaram uma floresta ao redor de Isengard, onde todos os orcs pereceram. Os ents construíram represas e cavaram trincheiras, e dirigiram a água do rio Isen para Isengard, inundando as cavernas subterrâneas e sufocando as fornalhas de Saruman. Gandalf veio e pediu ajuda [daí a floresta miraculosamente crescida depois da batalha do Abismo de Helm]; e depois Língua de Cobra veio, fingindo ser um mensageiro de Théoden. Porém Barbárvore, a quem Gandalf tinha advertido contra Gríma, lhe deu uma escolha: entrar em Orthanc ou esperar pela vinda de Théoden. Língua de Cobra passou com dificuldade pela inundação e entrou na torre.

Capítulo 10: A Voz de Saruman
Gandalf, Théoden, Éomer, Aragorn, Gimli e Legolas vão para os degraus de Orthanc para falar com Saruman, enquanto os outros esperam um pouco mais longe. Saruman tem uma voz poderosa, que pode persuadir muito facilmente. Ele tenta primeiro com Théoden, propondo paz e aliança entre Isengard e Rohan e prometendo grandes benefícios que poderiam vir disso. A voz dele encanta os Cavaleiros, e parece que convenceu Théoden também; entretanto, este recusa e claramente demonstra que nunca haverá tal paz. Então Saruman fala com Gandalf e tenta convencê-lo a se unir a ele. Gandalf ri disto e então dá a Saruman uma última chance para descer e os ajudar na causa deles, ou permanecer trancado em Orthanc. Saruman rejeita esta oferta, e Gandalf quebra o bastão dele e o bane da ordem dos Magos. Um globo cristalino estranho, aparentemente lançado por Língua de Cobra, cai de uma janela; Gandalf o pega, indicando que poderia ser um objeto de grande importância. A companhia diz adeus a Barbárvore [que promete que os ents vigiarão Orthanc e impedirão Saruman de escapar] e prepara-se para partir.

Capítulo 11: O Palantír
A companhia pretende ir a Edoras e começa na direção do Abismo de Helm. Pippin está muito curioso sobre a bola de vidro que ele tinha pego, e à noite, quando todos estavam adormecidos, ele a pega debaixo do braço de Gandalf. Ele não pode resistir a olhar nela, e pouco depois ele desmaia com um grito. Gandalf lhe pergunta o que ele viu e fez: na pedra ele viu a Torre Escura, e foi interrogado por Sauron. Sauron achou que a pedra ainda estava em Orthanc, e que o hobbit era prisioneiro de Saruman, e apenas ordenou que Pippin dissesse a Saruman para entregar o prisioneiro a ele, sem fazer mais perguntas. A pedra parece ser um palantír, uma das sete pedras usadas pelos reis do passado, para se comunicar entre lugares distantes; assim, estando com essa pedra, Saruman poderia falar com o Senhor do Escuro. Uma sombra passa sobre o acampamento: é um dos Espectros do Anel, que estão montados agora em horríveis criaturas aladas, e parece estar indo em direção a Isengard. Gandalf propõe que os outros partam imediatamente com a máxima pressa, enquanto ele toma Pippin consigo e cavalga para Minas Tirith tão rápido quanto possível.


[tradução de Luciano Soares e Reinaldo]

Resumo de O Senhor dos Anéis – Livro VI (Cap. 1 a 9)

Capítulo 1: A Torre de Cirith UngolSam está firmemente decidido a resgatar Frodo, e precisa encontrar uma entrada para a torre de Cirith Ungol, para onde seu mestre foi levado. Ele escuta sons de luta vindo da torre, e dois orcs são feridos com flechas numa tentativa de fugir; aparentemente, as duas companhias orc estão brigando pelos pertences de Frodo. A entrada principal da Torre é guardada pelos Dois Sentinelas, horríveis criaturas semelhantes a estátuas cheias de grande malícia, que não se movem mas parecem estar cientes do que se passa a seu redor. Sam ergue o Frasco de Galadriel, e consegue atravessar o portão. Quase todos os orcs foram mortos na luta; um pequeno orc encontra Sam nas escadas, mas foge de medo. Sam o segue e escuta uma conversa entre ele e Shagrat que, embora, ferido, também parece ter sobrevivido à luta. Os dois orcs começam a discutir e Snaga, o orc pequeno, escapa; Shagrat sai para buscar ajuda. Sam procura por Frodo e começaa a cantar; ele ouve uma resposta à sua canção, seguida pela voz de Snaga. Frodo estava preso na câmara mais alta da torre, acessível somente por uma escada que passava por um alçapão. Sam sobe e ataca Snaga, que cai da escada e quebra o pescoço. Então Sam e Frodo preparam-se para partir; Sam traz algumas roupas de orc para Frodo que foi deixado nu pelos orcs]. Usando o Frasco, eles passam novamente pelos Sentinelas, mas as criaturas soltam um horrendo grito, que é respondido por um nazgûl voando na escuridão acima deles.
 

 

Capítulo 2: A Terra da Sombra – Sam e Frodo evitam ser descobertos a duras penas e viajam para o norte por alguns dias. Eles são atormentados pela falta de comida e água, e o Anel está se tornando um fardo cada vez maior para Frodo. A planície abaixo deles está cheia dos exércitos de Sauron, e Frodo pretende tentar atravessá-la no lugar onde ela é mais estreita. Escondidos num arbusto, eles ouvem a conversa de dois orcs e descobrem que Gollum ainda os está seguindo; numa noite, Sam também o vê espionando. A planície ainda está repleta de orcs, e os hobbits não tem outra alternativa a não ser seguir a estrada ao longo das encostas íngremes do Morgai. Lá eles são alcançados por um grupo de pequenos orcs sendo levados por dois grandes Uruks para Udûn, onde os exércitos de Sauron estão se reunindo. Os Uruks pensam que Sam e Frodo são orcs desertores, e os forçam a se juntar à companhia. Felizmente, entretanto, quando o exército se aproxima da entrada estreita para Udûn, confusão e luta explodem entre diferentes companhias orc, e os hobbits conseguem escapar sem serem notados.

Capítulo 3: A Montanha da Perdição – Os hobbits seguem uma estrada orc por vários dias, viajando na direção da Montanha da Perdição. Dessa forma eles são capazes de fazer muito mais progressos do que através da região estéril, cheia de rochas e fendas; e há alguns poços com água ao longo da estrada. Mas finalmente eles têm que deixar a estrada e virar diretamente para a Montanha. Para aliviar seu caminho, eles deixam para trás todos os pertences que provavelmente não mais usariam. Eles alcançam Orodruin com mais dois dias de viagem, e quase ficam sem comida e água. No dia seguinte eles deveriam começar a subir, mas Sam tem que carregar Frodo, que [atormentado pelo crescente fardo do Anel] está completamente exausto. Perto do topo eles são atacados por Gollum, mas ele também está enfraquecido pela fome e Frodo escapa na direção das Sammath Naur, as Câmaras de Fogo. Gollum implora clemência a Sam [que ainda está armado com Ferroada], e Sam ordena que ele vá embora. Nas Câmaras de Fogo, contudo, Frodo é finalmente sobrepujado pelo poder do Anel e o reivindica para si. Gollum se aproxima e o ataca de novo, e arranca com os dentes o dedo em que está o Anel; então, saltando de alegria por ter recuperado seu Precioso, ele cai dentro do Fogo. Frodo [agora libertado de sua dor] e Sam saem e vêem que o reino de Sauron entrou em colapso.

Capítulo 4: O Campo de Cormallen – As águias, lideradas por seu senhor, Gwaihir, juntam-se à batalha dos Capitões do Oeste contra as hostes de Mordor. Nesse exato momento o Anel cai no fogo de Orodruin: o Portão Negro desaba, o espírito de Sauron é destruído e as forças de Mordor, desprovidas do Poder que as controlava, se desesperam, e muitos fogem ou imploram misericórdia. Gwaihir, acompanhado por outras duas águias, leva Gandalf até a Montanha da Perdição, onde eles resgatam Frodo e Sam. Os dois hobbits despertam vários dias mais tarde e são grandemente honrados pelo exército do Oeste no campo de Cormallen, em Ithilien. Eles ficam em Ithilien por muitos dias alegres, contando e ouvindo histórias sobre suas aventuras com seus amigos, até que finalmente todo o exército sobe a bordo dos navios e parte para Minas Tirith.

Capítulo 5: O Regente e o Rei – Enquanto isso, Éowyn e Faramir ainda estão nas Casas de Cura recuperando-se de seus ferimentos. Éowyn está infeliz por ter que passar seu tempo em inatividade, e deseja uma morte gloriosa em batalha [ela também desejava o amor de Aragorn, mas recebeu dele apenas compaixão e compreensão]. Ela conhece Faramir [que, apesar de também ser forte e corajoso, está esperando ser curado pacientemente. As águias trazem notícias da vitória. Faramir e Éowyn passam muito tempo juntos, e acabam se apaixonando. Dessa forma, Éowyn é curada. O exército do Oeste retorna à Cidade e Aragorn é coroado como Rei Elessar. Ele declara que Faramir receberá Ithilien como principado, e que ele e seus herdeiros continuarão a ser Regentes. Os companheiros passam muitos dias em Minas Tirith, e parece que Aragorn ainda está esperando por alguma espécie de sinal. Certo dia, ele e Gandalf sobem por uma trilha na montanha e lá, num antigo santuário dos reis, encontram uma muda da Árvore Branca, que é plantada no pátio do rei. Alguns dias depois, uma grande companhia de elfos chega do Norte, incluindo Galadriel, Elrond e Arwen. Elrond dá a Aragorn o Cetro de Annúminas, e Aragorn casa-se com Arwen no solstício de verão.

Capítulo 6: Muitas Despedidas – Arwen dá permissão a Frodo para ir aos Portos Cinzentos no lugar dela, pois por seu casamento com Aragorn e
la escolhera se tornar mortal. Éomer e Gimli resolvem sua disputa a respeito da beleza de Galadriel. Finalmente uma grande companhia parte de Minas Tirith, levando o corpo do Rei Théoden para Rohan. Depois do enterro, Éomer anuncia o casamento de Faramir e Éowyn. Então eles vão para Isengard, e lá encontram Barbárvore. Gimli e Legolas visitam as Cavernas Cintilantes do Abismo de Helm e a Floresta de Fangorn, e se despedem da companhia, partindo para seus próprios lares no Norte. Pouco depois Aragorn os deixa também, voltando para Minas Tirith. O resto da companhia continua a viagem, e alcança Saruman [que agora está vagando como um mendigo, acompanhado por Gríma]. O povo de Lórien deixa a companhia em Eregion, perto dos portões de Moria. Agora os viajantes vão para Valfenda, e lá os hobbits encontram Bilbo e passam muitos dias com ele. Finalmente eles decidem voltar para o Condado, e para a alegria deles Gandalf decide acompanhá-los, pelos menos até Bri.

Capítulo 7: De Volta para Casa  – Frodo sente novamente a dor em seu ombro, pois faz um ano desde que ele foi ferido. Contudo, ela passa rapidamente, e depois de mais alguns dias eles alcançam Bri. Eles são recebidos calorosamente pelo velho Carrapicho, e conversam com ele por muito tempo contando suas aventuras. Carrapicho conta que seus negócios andavam ruins, com muitos estranhos e criaturas más rondando Bri; e ele fica contente ao ouvir que o Rei reaparecera. Bill, o pônei, também voltou para Bri, e é devolvido a Sam. A companhia fica na estalagem por dois dias, e depois parte para o Condado. Gandalf deixa os hobbits, pois ele pretende visitar Tom Bombadil; e ele aconselha os hobbits a se apressarem, insinuando que as coisas poderiam estar erradas no Condado.

Capítulo 8: O Expurgo do Condado – Os quatro hobbits chegam ao Condado, e descobrem que muitas coisas realmente mudaram: a Ponte do Brandevin é guardada por vários Condestáveis, que lhes negam passagem. Parece que Lotho Sacola-Bolseiro apossou-se do Condado, chamando a si mesmo de "Chefe" e impondo um grande número de Regras injustas. O Condado está cheio de rufiões [como Bill Samambaia, que está na Ponte], sendo que muitos deles são isengardenses vesgos; e tem acontecido muitos incêndios e destruição sem sentido. Os viajantes entram [contra as Regras] e passam uma noite na casa dos Condestáveis; no dia seguinte eles encontram um grupo de Condestáveis em Sapântano e outro de rufiões na Vila dos Hobbits, mas ambos não conseguem prendê-los, estando surpresos e assustados por encontrar quatro hobbits destemidos e bem-armados. Com a ajuda do Fazendeiro Villa, os amigos começam uma revolta contra os opressores; primeiro um pequeno grupo de rufiões tenta abafar a rebelião, mas eles acabam se rendendo por estarem em menor número. Pippin traz um grande número de Tûks, e juntos eles derrotam o ataque seguinte dos rufiões. Então um grupo de hobbits, liderado por Frodo, vai para o Bolsão com a intenção de achar Lotho. Ao invés disso eles encontram Saruman, que havia organizado toda a destruição; eles ordenam que o mago saia, e Língua de Cobra [que parece ter assassinado Lotho por ordem de Saruman] em raiva e desespero mata seu mestre, e é então atingido por três arqueiros hobbits. Isso marca o fim da Guerra do Anel.

Capítulo 9: Os Portos Cinzentos – Esses eventos turbulentos são seguidos por um ano esplêndido, próspero e feliz. Todo o Condado está ocupado reparando os desastres causados pelos rufiões de Saruman. Sam lembra-se do presente de Galadriel e descobre que a caixa contém uma estranha poeira e uma única semente prateada. Ele usa a poeira para plantar árvores por todo o Condado, e planta a castanha prateada no Campo da Festa na Vila dos Hobbits; e dela nasce um lindo mallorn. Sam casa-se com Rosinha Villa; Frodo volta para o Bolsão, e Sam e Rosinha vão viver lá também. No ano seguinte a primeira filha deles, Elanor, nasce. Nos aniversários dos eventos no Topo dos Ventos e em Cirith Ungol, os antigos ferimentos de Frodo doem novamente. Em setembro, como o aniversário de Bilbo está se aproximando, Frodo e Sam partem de novo [para Valfenda, como pensa Sam; embora ele não pretenda fazer a viagem toda]. Contudo, nas matas do Condado eles encontram um grande número de elfos, incluindo Elrond e Galadriel; Bilbo está também entre eles. Finalmente Sam percebe que Frodo pretende ir aos Portos Cinzentos, para atravessar o Mar em companhia dos elfos e de Bilbo. Nos Portos Círdan, o Armador e Gandalf os esperam; Gandalf também partirá no navio. Ele trouxe consigo Merry e Pippin, para que Sam não estivesse sozinho no caminho para casa. Assim, o navio élfico deixa a Terra-média, e os três hobbits retornam ao Condado.

Tradução de Luciano Soares e Reinaldo

Está envolvido com a obra de Tolkien desde 1999 – fundador da Calaquendi, fundador da Valinor, fundador do Conselho Branco (Sociedade Tolkien) e presidente por três mandatos. Participou da publicação em livro do Curso de Quenya e é autor do Modo Tengwar Português

Resumo de O Senhor dos Anéis – Livro IV (Cap. 1 a 10)

Capítulo 1: Sméagol Domado
A ação se volta para Frodo e Sam, que estão atravessando as colinas dos Emyn Muil, e sofrem com as paredes íngremes que os impedem de descer. Eles acham um lugar onde uma descida poderia ser possível, e Frodo tenta descer; um grito terrível atravessa o céu naquele momento [provavelmente de um dos nazgûl], e Frodo cai. Felizmente ele cai em uma saliência na rocha. Sam se lembra da corda que os elfos de Lórien lhe deram, e salva Frodo com ela; então ambos descem pela corda, e para a surpresa deles, conseguiram recuperá-la facilmente, como se não tivesse sido amarrada. Eles planejam passar a noite debaixo do precipício. Notam então Gollum, que os tinha seguido todo o tempo; ele escala facilmente, quase como uma aranha, mas cai na parte final da subida. Sam o ataca, e com a ajuda de Frodo eles forçam Gollum a prometer que os conduziria até Mordor. Logo depois Gollum tenta escapar, mas eles o pegam e descobrem que a corda élfica, com a qual eles quiseram amarrá-lo, o machuca muito. Ele jura pelo Anel que os obedeceria, e eles o desamarram. Um tempo depois, quando a lua estava no céu, eles partem novamente.
 
Capítulo 2: A travessia dos pântanos
Os dois hobbits, conduzidos por Gollum, estão fazendo o seu caminho lentamente para os Portões Negros de Mordor. Já que atravessar por campo aberto, cheio de estradas orc, seria muito perigoso, Gollum os conduz ao longo de caminhos menos conhecidos pelas terras pantanosas. Eles cruzam os Pântanos Mortos, onde foram enterrados muitos guerreiros caídos durante a guerra entre a Última Aliança e o Senhor do Escuro no final da Segunda Era; agora luzes estranhas chamejam, e podem ser vistas horríveis faces de mortos debaixo da lama. Espectros do Anel voam freqüentemente sobre eles, aparentemente procurando o Anel e sentindo sua presença de alguma maneira; e o fardo do Anel sempre parece maior a Frodo conforme eles se aproximam de Mordor. Dentro de Gollum duas "personalidades" estão lutando pela dominação: o Sméagol bom, e o Gollum mau; e o desejo pelo anel parece estar vencendo novamente. Finalmente eles chegam às terras desoladas e estéreis diante de Mordor, e somente com o comando rígido de Frodo é que Gollum os guiará mais além.

Capítulo 3: O Portão Negro está fechado
Os companheiros chegam ao Portão Negro de Mordor. O Portão é vigiado pelos Dentes de Mordor, duas torres altas erguidas há muito tempo pelos Homens de Gondor, mas depois abandonadas e então ocupadas pelas forças de Sauron. Também há muitas outras muralhas e números enormes de orcs; várias estradas conduzem ao portão, e numerosos exércitos do Leste e do Sul estão entrando em Mordor. Entrar em Mordor parece absolutamente impossível. Neste momento Gollum sugere outro caminho: ir para o sul na cidade fantasma de Minas Ithil, e então até a passagem de Cirith Ungol. Lá as chances de não serem notados são um pouco maiores; naquela direção Sauron conquistou terras até o Anduin, e sente-se mais seguro. Assim, não é provável que o lugar seja vigiado completamente. Gollum afirma ter escapado de Mordor ao longo daquele mesmo caminho; entretanto, parece provável que essa "fuga" era conhecida e aprovada pelo Senhor do Escuro. No entanto Frodo, depois de um pouco de hesitação, decide aceitar esse plano.

Capítulo 4: De ervas e coelho cozido
Viajando para o sul, os hobbits alcançam Ithilien, que só foi conquistada recentemente pelo Senhor do Escuro, e não foi devastada nem maculada. Sam está cada vez mais preocupado com a comida: a única comida deles é lembas, que apenas durará até que eles alcançam Orodruin, e certamente não mais que isso. Assim, certo dia, enquanto eles descansam em uma floresta, Sam pede para Gollum que pegue algo comestível. Gollum pega um par de coelhos jovens e Sam prepara um ensopado. Porém, logo que eles terminam de comer , o fogo começa a fazer fumaça e o dois hobbits são rodeados por quatro soldados de Gondor, um deles sendo Faramir, o Capitão. Frodo explica algo sobre a sua missão, e Faramir parece muito interessado nisso; mas no momento ele deixa dois homens para os vigiar, e vai embora preparar-se para a batalha: os homens de Minas Tirith vieram a Ithilien para atacar exércitos que vieram de Harad, ao sul de Mordor, para se juntar às forças de Sauron. Sam vê uma coisa surpreendente durante esta batalha: um "olifante", um dos grandes animais cinzentos que só são conhecidos no Condado através de velhas canções.

Capítulo 5: A janela no oeste
Depois da batalha, Faramir [que é o irmão de Boromir] volta e questiona Frodo durante algum tempo; ele é no princípio um pouco desconfiado, e conta que tinha visto o barco com o corpo de Boromir flutuando no Anduin. Depois ele decide que Frodo e Sam deveriam vir com ele e seu exército a um refúgio escondido, uma caverna oculta atrás de uma cachoeira. Diferente de Boromir, que sempre buscou ganhar glória com sua coragem nas guerras, Faramir não é tão hostil e tem um maior respeito pelas coisas antigas e tradições [e pelos elfos]. Ele fala por muito tempo com os dois hobbits, e conta muito sobre Minas Tirith e as suas guerras, a história de Gondor, sua aliança com os rohirrim; Frodo descreve a viagem dos Nove Andantes, evitando o assunto do Anel cuidadosamente. Quando o assunto da conversa são os elfos e Lórien, Sam menciona o Anel acidentalmente. Aqui Faramir prova que ele é verdadeiro em suas palavras, e não tenta pegar ou mesmo ver o Anel.

Capítulo 6: O lago proibido
Depois, naquela noite, Gollum aparece no lago perto da caverna, pegando peixes, sem saber do lugar escondido. As leis de Gondor requerem que qualquer um que chegar perto da caverna deve ser morto; mas Faramir desperta Frodo e lhe pergunta a opinião dele. Frodo explica que a criatura que eles viram era Gollum, e que ele os guiou, e que ele não deveria ser morto. Faramir não deixa Gollum vagar livremente sobre a área, e Frodo vai até o lago e convence Gollum a segui-lo. Dois dos guardas pegam-no e o levam para a caverna, vendado e amarrado. Faramir interroga Gollum, e Gollum jura que ele nunca voltará à caverna escondida. Então Faramir dá permissão a Frodo para andar livremente por Gondor, e o adverte, dizendo que Minas Morgul é um lugar mau e perigoso.

Capítulo 7: Viagem às Encruzilhadas
Faramir dá a cada um dos hobbits um cajado e também algumas provisões, e então os hobbits e Gollum partem. Eles viajam para o sul durante dois dias e chegam perto da estrada das ruínas de Osgiliath para Minas Ithil. Gollum continua dizendo-lhes para se apressarem, enfatizando o perigo que estão correndo. Eles viram para o leste, para as Encruzilhadas, o cruzamento da estrada de Osgiliath e a estrada norte-sul. No dia seguinte a escuridão começa a emergir de Mordor; grandes nuvens cobrem o céu, e o dia é tão escuro quanto a noite. Eles alcançam as Encruzilhadas; uma grande estátua de pedra de um rei está lá. Sua cabeça estava derrubada, aparentemente cortada pelos servos de Sauron, e jazia no chão perto da estátua; o sol aparece detrás de uma nuvem escura e um de seus últimos raios brilha na cabeça como uma coroa, dando a Frodo esperança nova.

Capítulo 8: As Escadas de Cirith Ungol
Os viajantes passam pela cidade de Minas Morgul, e Frodo sente que o Anel atraía-o na direção dela. Eles vêem um grande ajuntamento de exércitos da cidade, indo aparentemente em direção a Gondor, conduzido pelo Capitão dos Espectros do Anel. Então os hobbits e Gollum sobem uma escada longa e íngreme, seguida por outra, mais longa mas não tão íngreme. Eles decidem descansar durante algum tempo, e enquanto Frodo e Sam estão falando Gollum desaparece; ambos caem adormecidos, e Sam desperta para ver Gollum, que se agacha na direção de Frodo. Embora pareça que ele não teve nenhuma intenção má naquele momento, Sam está cheio de desconfiança. Ele desperta Frodo, que diz para Gollum partir livremente, como se os hobbits pudessem continuar sozinhos dali. Mas Gollum diz que eles não podem alcançar o topo da passagem por si próprios, e os três se preparam para continuar.

Capítulo 9: A Toca de Laracna
Pouco tempo depois eles alcançam uma grande parede onde o caminho continua por um túnel. Um fedor terrivelmente asqueroso está vindo dali. O túnel é muito longo, e sobe sempre, com passagens laterais em alguns lugares. Os hobbits, enquanto caminham alguns passos atrás de Gollum, notam que o fedor está se tornando cada vez pior, até que eles alcançam uma passagem lateral de onde o cheiro desagradável parece estar vindo. Eles passam por ela, e o ar começa a melhorar; mas logo eles chegam a uma bifurcação do túnel principal. Gollum parece tê-los abandonado; eles tentam uma das passagens e descobrem que está bloqueada. Naquele momento eles notam os olhos de alguma criatura terrível atrás deles. Frodo se aproxima dela com o Frasco de Galadriel em uma mão e Ferroada na outra, e os olhos se retiram da luz. Os hobbits continuam depressa pelo túnel, mas acham a saída bloqueada por uma barreira que se mostra ser a teia de uma aranha gigantesca. Frodo corta a teia com a espada dele, e começa a correr para a passagem, que está distante só alguns passos. Sam vem atrás dele; contudo a criatura que eles viram no túnel faz o mesmo: Laracna, uma aranha enorme. Laracna surge de uma entrada lateral no túnel e começa a correr na direção de Frodo. Antes que Sam pudesse ajudá-lo é atacado por Gollum; depois de uma briga desesperada, Gollum foge.

Capítulo 10: As Escolhas de Mestre Samwise
Sam corre e acha Laracna, que se agacha sobre o corpo de Frodo. Isto deixa Sam furioso, e ele ataca a aranha gigantesca; ele fere os olhos da criatura e corta uma de suas garras, mas ela coloca seu corpo enorme por cima dele e tenta esmagá-lo. Porém, Sam mantém sua espada erguida, e Laracna acaba recebendo um ferimento profundo com sua própria força. Ela então abandona os hobbits e foge. Sam tenta acordar Frodo, que não mostra nenhum sinal de vida. Sam se desespera e não pode decidir o que fazer; no fim das contas, sabendo que tudo pereceria se desistisse, ele decide continuar a Demanda, e toma consigo a espada de Frodo, o Frasco de Galadriel e o Anel. Depois de dar os primeiros passos, porém, ele ouve vozes de orcs que se aproximam, e coloca o Anel. Ele descobre que pode entender a língua dos orcs quando usa o Anel: parece que há duas companhias, uma da torre de vigia na passagem e uma de Minas Morgul. Eles levam o corpo de Frodo e atravessam um túnel; Sam os segue, e escutando os capitães orc ele descobre que Frodo provavelmente ainda está vivo, e que será preso, e não morto. A companhia de orcs atravessa portas grandes, que se fecham antes que Sam pudesse atravessá-las.


[tradução de Luciano Soares e Reinaldo]