1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Zodíaco

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Nukenin, 1 Ago 2003.

  1. Nukenin

    Nukenin Usuário

    Como uma parte integrante de nossas vidas, é mostrado aqui um guia com as características e aspectos de cada signo do zodíaco. Porém, o aspecto negativo destes, as eventuais imperfeições de cada um. É o lado sombrio do zodíaco regendo e influenciando a vida humana e cada um de nós. O trabalho mostrado aqui, não é de autoria própria, mas sim retirado do livro "O Livro dos Signos" dos autores Maria Eugênia de Castro, Luiz Augusto Figueira e Paula Dornelles.

    Áries

    Impaciência – Não sabendo esperar por momentos oportunos ou considerar opiniões alheias. Atropela as palavras quando se encontra em diálogos. Tende a querer terminar qualquer trabalho num piscar de olhos. Nos relacionamentos, mesmo quando gosta de alguém, não tolera indefinições e não admite ninguém "em cima do muro". Muitas vezes, precipita decisões, exige respostas prontas e imediatas, não dando tempo para que o outro raciocine. Toda essa ansiedade é fruto da dificuldade do ariano em lidar com o tempo. Pela sua extrema agitação, não aproveita as experiências do passado, tirando delas os devidos ensinamentos. Sempre apressado, não lida bem com o tempo presente - chega muito antes ou muito depois. Por fim, sua afobação o impede de planejar o futuro, porque, para ele o futuro esté sempre muito distante, e não quer perder tempo pesquisando e organizando o passo a passo de cada tarefa.

    Cansaço – O ariano tende a criticar e evitar o cansaço, sem saber que ele mesmo tende à ficar exausto cedo ou tarde, e tenta mascarar sua “falha”. Sem sucesso, tende ao mau humor, irritação, grosseria, impaciência e, por fim, à agressividade. Tudo isso acontece porque o ariano negativo não dá importância a seus próprios limites nem sabe lidar com eles, isto é, abusa de suas forças físicas e desrespeita os seus níveis de equilíbrio. Mesmo sentindo-se esgotado, ele não se detém para repor suas energias ou recuperar-se; insiste e permanece na ativa, desgastando-se continuamente e piorando seu estado físico até o esgotamento ou a exaustão total. Inconscientemente, ele se auto-impõe um "castigo" e vai danificando seu corpo físico, que acumula uam taxa de desgaste tão grande que passa a gerar vários tipos de comportamentos desarmônicos. Nesses momentos, em que se encontra num estado de falência energética, o Áries é um "barril de pólvora" que explode às menores provocações. Assim, qualquer engarrafamento, uma palavra mal-entendida, uma cara feia, um gesto menos cortês é motivo para um "estouro". Ele distribui patadas sem a menor cerimônia e, o pior, essas grosserias cometidas em estado de total descontrole vão causar desafetos e ódios por toda uma vida.

    Desastrado – Por ter pressa, impaciência e ser impulsivo, o ariano direciona mal sua energia, gerando uma série de acidentes, prejuízos e outros desacertos. Isso também o leva a situações constrangedoras, falando o que não deve, para a pessoa errada, na hora indevida e no local impróprio. Este seu comportamento superinconveniente precipita, na maioria das vezes, situações sem retorno.

    Agressividade – O ariano, na maioria das vezes, reage com sua agressividade em uma forma desproporcional aos seus estímulos, sendo manifestada tanto na forma verbal quanto gestual e física. Na sua avaliação relâmpago, sai se defendendo e agredindo, sem dar ao outro chances de explicações ou argumentos. Ele não pára, não ouve, não espera nem raciocina. Nos momentos de raiva, suas atitudes são sempre intempestivas. Sua fórmula pessoal contém ingredientes perigosos, tais como impaciência, "pavio-curto" e explosão, gerando um ser agressivo, briguento, rixento e, muitas vezes, violento. O ariano também lida mal com qualquer tipo de crítica. Quando "sonha" que está desagradando e que alguém pode formular uma crítica verbal ou não verbal, ele se sente como um animal ferido e parte para uma agressividade que pode muito bem servir como máscara para suas falhas e fraquezas. Sua atitude imatuda, ao receber as críticas ou as opiniões dos outros, é só uma: "As pessoas estão comigo ou contra mim". Para os arianos, não existe meio-termo - ele corre riscos desmedidos, ao mesmo tempo que desnecessários, criando situações inconciliáveis. Nunca se sabe até que ponto vai a intensidade explosiva de suas reações - "bateu-levou". Ele parte para uma disputa sempre feroz, sem medir as conseqüências e pega fogo tão rápido como brasa na palha.

    Fogo de Palha – Com seu excesso de entusiasmo, o ariano dispara ações sem continuidade, sendo, assim, pouco duráveis. A frívola vontade inicial logo é vencida pela impaciência e desinteresse. Isso se reflete tanto em sua vida afetiva, familiar e social, levando à fracassos profissionais. Mal começa uma atividade e, ao primeiro obstáculo, já quer parar. Ninguém pode construir uma carreira de sucesso com atitudes precipitadas. Mutas vezes, no início, é preciso "engolir alguns sapos", aturar alguns impedimentos, ouvir alguns "nãos", mas o ariano negativo não consegue essas proezas, não tolera recusas e sua vida profissional sofre com isso.

    Franqueza Rude – Quando as fronteiras do equilíbrio entre franqueza e sinceridade são invadidas, são criados defeitos geradores de situações irreparáveis. Quando se ouve um Áries dizer "Meu defeito é ser franco", é bom sair da frente. É um perigo questionar esses arianos, pois fatalmente responderão com uma "sinceridade" rude e implacável; mas, se admoestados, respondem naturalmente - "Só fui um pouco franco, sincero e verdadeiro..." - "Não sei mentir, nem muito menos fingir".

    Rivalidade – O ariano vê os outros como rivais e nunca como possíveis colaboradores. Fazendo qualquer situação uma guerra, ele por vezes compete sem motivo, inventando inimigos novos em cada ocasião. Condicionado para a briga, não consegue enxergar boa vontade ou uma boa intenção. Destituído de lógica, equilíbrio e sensibilidade, entra em lutas inglórias que, fatalmente, fracassam pela falta de objetividade. Um guerreiro sem causa, obedece cegamente aos impulsos de uma mente desgovernada que, pouco racional e agressiva, evidencia, seguidamente, sua baixíssima Idade Astral.

    Autoritarismo – Quando um Áries negativo assume uma posição de chefia, sem o devido preparo e maturidade necessária, surge um autoritário no poder, que vai conduzir seus subordinados em regime de desmandos e injustiças. Não pede, ordena. Não pergunta, impõe. Não ouve conselhos, determina suas vontades do momento. Arbitrário e opressor, incentiva discórdias e rivalidades. As revoltas no grupo dos "infelizes" comandadoss serão as conseqüências inevitáveis. Nenhum indivíduo normal poderá permanecer nessa situação eternamente. Um dia, o revide vai ocorrer.

    Touro

    Gula – Além de saciar uma fome natural, o taurino come com os olhos, com a mente e com o olfato, procurando mais a quantidade do que a qualidade dos alimentos. Isso pode levá-lo à doenças e problemas pela má conduta alimentar.

    Preguiça – O taurino deixa para amanhã o que pode fazer hoje e para um futuro indefinido o que poderia ter feito ontem. A entrega ao ócio lhe dá uma ilusão de prazer momentâneo, mas de lamentáveis conseqüências.

    Lentidão – A preguiça leva à lerdeza, sem aceitar sugestões de mudança de conduta. Pouco flexível, é indiferente a qualquer sugestão criativa e inovadora, detestando as novidades. Quando empaca num ritmo, deixa de ser Touro e vira Mula... e a vida passa com suas oportunidades, e tudo se desvanece diante da sua inércia obstinada.

    Ciúme – O taurino cobra do parceiro demonstrações afetivas tão exageradas e quentes, que é difícil satisfazê-lo. A vítima do ciúme de alguém smepre sofre como se fosse uma presa intimidada pela opressão do ciumento que, ao se referir ao ser pseudo-amado, sempre fala com o pronome possessivo: "Meu" marido, "minha" namorada, "meus" livros, "meu" carro... O ciúme cria um clima de profundo desequilíbrio e de cobrança para quem o sente e para quem o recebe.

    Rancor – A emoção e boa memória do taurino podem levá-lo ao rancor. Ele é ferido, se deixa magoar, guarda na memória, jamais esquece e, sendo assim, não perdoa. Ele não parte para uma vingança, mas se fecha e “rumina” um rancor surdo, longo e infindável, não conseguindo se libertar da mágoa. Por ser passional, é um mau juiz, julgando com a emoção e não com a razão. Enquanto vive a mágoa, sua rejeição atinge um ponto de não conseguir mais olhar a outra pessoa frente a frente.

    Avidez – Ambição por dinheiro, onde quanto mais consegue, mais deseja ganhar. A voracidade materialista pelo dinheiro funciona numa progressão jamais satisfeita. É capaz de passar uma vida inteira dedicado somente a produzir riquezas e aumentá-las, proibindo-se dos menores prazeres a fim de somar mais.

    Impermanência – Pela sua avidez, o taurino tem a ilusão de que alguma coisa na vida pode ser permanente ou que se pode atingir segurança, estabilidade e independência se a conta bancária chegar a tal quantia.

    Gêmeos

    Superficialidade, Falsidade e Mentiras – O geminiano é superficial, não se aprofundando em estudos de nenhum assunto, mas petulante ao ponto de expressar um falso conhecimento, como se fosse 100% entendido do assunto. Tende a trilhar um caminho tortuoso de afirmações falsas para garantir que inverdades sejam aceitas. Partindo da vaidade de exibir cultura, o geminiano vai se afundando em falsidade, fofocas, até o ponto da calúnia. Dependendo da moral do indivíduo, pode-se chegar à atitudes criminosas. Se a ética for escassa ou inexistente, a falsidade do geminiano pode acarretar em danos para outros.

    Plágios – Embora existam o plágio integral e o plágio parcial, o geminiano prefere o plágio parcial. Ele manipula e confunde. Pegam o livro, a partitura, o poema, o discurso de um autor, colocam alguns sinônimos, algumas vírgulas, invertem a ordem das orações, e assim está feito. Apoderam-se do resultado final, intitulando-se autores únicos ou gênios inspirados. Fazem isso com tanta naturalidade e ingenuidade, que nem sempre se dão conta de que estão furtando. Desprovidos de escrúpulos e sentido ético, manipulam a linguagem de forma astuciosa, ora por leviandade, ora por ironia. Escondem sua falta de competência com ardis de esperteza, mas não conseguem impressionar um público realmente culto e informado. Seu sucesso, sempre de pouca duração, é restrito à um público mais inexperiente e de pouco preparo.

    Fraudes – O geminiano é mestre em fraudar a lei e escapar pelo estelionato e outros procedimentos mais velados. Movimentos soltos, cabeça ágil, moral elástica são as bases de suas ações e dos mil subterfúgios utilizados para fugir às responsabilidades. Vai de pequenos a grandes furtos, chegando até a doentia cleptomania. Quando seu talento é usado para esses crimes, sabe inventar artifícios suficientes para não ser molestado e consegue driblar as leis por muito mais tempo do que qualquer outro signo.

    Insensibilidade – Sua dose de insensibilidade é bem grande, não se importando com os sentimentos dos outros, ou simplesmente os ignora. Sempre disposto a falar, solta a língua nas horas erradas ou inconvenientes, já que não se dá conta de seus erros. Ri de situações penosas para outros, e com frases irônicas, misturando sátira e deboche, tenta despertar a atenção dos outros, não se importando se está ferindo alguém. Com isso, se esconde atrás da platéia para que a sua vítima fique inibida para reagir.

    Prolixo – É uma das características mais presentes no geminiano. Falam muito sem se deixar interromper, e esgotam a paciência dos ouvintes e cansam a todos que tenham tido a má sorte de se encontrar com um deles. Quando relatam um caso, gastam tantas palavras, criam tantos rodeios, que até os mais dispostos não agüentam em acompanhar a interminável narração. Sempre incluindo vários assuntos, por vezes desconectados, acabam perdendo o fio da meada. Quanto mais nervosos se sentem, mais falam e repetem as mesmas palavras.

    Infidelidade Amorosa – Por ser pobre de sensualidade romântica e ser mais cerebral do que afetivo, o geminiano cultiva amores simultâneos. Freqüentemente recorre ao adultério. O acúmulo de segredos inerentes ao amor proibido o excita e funciona como terapia autocompensatória. Ele mantém escassos romances à custa de muita imaginação e intensa atividade mental, divertindo-se com a carga extra de duplicidade e o troca-troca de personagens.

    Câncer

    Ansiedade – É comum o canceriano ser vítima de ansiedade, perdido em angústias e ficando desregulado, fora do tempo. Não consegue viver o presente, volta repetidamente ao passado, revive os sofrimentos e chora. Quando não está no passado, projeta-se no futuro em ansiedades mórbidas. É comum ouvi-lo se queixar e se lamentar do futuro, “sei que não vou conseguir”, “não vai sar certo”, etc. Pela dificuldade de viver o hoje, vive defasado e desperdiça oportunidades, cria sérios problemas de relacionamentos e passa pela vida sem viver plenamente.

    Lamúria – O canceriano resmunga e se queixa tanto que se esquece que quase tudo que nos acontece tem causas profundas em nós mesmos. Mas eles ignoram esse fato e repetem a enumeração das mágoas, projetando culpas e transferindo responsabilidades. Choram muito, e utilizam isso para atrair compaixão.

    Medos – Trazendo características milenares do medo e insegurança dos humanos durante o período noturno, o canceriano reflete o medo em diversas variações: aversões, repulsas e complexos que perseguem tenazmente a humanidade e, principalmente, o grupo canceriano. Esses medos, estendendo-se para temores do futuro, criam as variadas formas de ansiedade, recuam no passado, em nostalgias e saudosismos incuráveis e anulam o presente em ausências psíquicas e dificuldades de controlar as emoções.

    Medo de Faltar – Ainda resgatando características de épocas passadas e bem mais difíceis, o canceriano, mesmo que a sociedade de hoje seja descartável (onde o ontem já é obsoleto), continua juntando tudo e fica pouco à vontade para explicar sua mania de colecionar o inútil.

    Má Relação com Dinheiro – O canceriano segue o modelo “poupança compulsiva” a duras penas. Priva-se dos mínimos confortos e prazeres pelo medo da incerteza do dia de amanhã. Os medos criam um poupador amargurado que nunca sabe gastar ou usufruir o que conseguiu acumular, porque perdeu o hábito de ser feliz.

    Inconstância – Os cancerianos são mais lunares do que qualquer outro signo, e assim como a lua muda de fase, também mudam os cancerianos. Seu humor muda visivelmente, passando da euforia à tristeza, ficam irritadiços e mal-humorados e, nos piores casos, pessimistas e deprimidos. Temem que o mundo caia em suas cabeças e imaginam tragédias realmente dantescas. O canceriano se torna uma pessoa complicada de lidar e é quase impossível lhe confiar uma tarefa ou responsabilidade, pois se isto acontecer em uma dia que ele está de maré baixa, os resultados fatalmente ficarão comprometidos e muito aquém de suas possibilidades.

    Dependência de Hábitos – O canceriano é o que mais se deixa prender por hábitos, repetindo comportamentos que se automatizam dentro dele, sem se dar conta das desvantagens dos mesmos. É vantajoso insistir no mesmo tipo de comportamento, mesmo que seja repetindo erros? A memória, em sua porção negativa, faz o canceriano fixar as mesmas atitudes não pensadas e perder um tempo enorme de suas vidas sem perceber, repetindo os mesmos hábitos e sem ousar qualquer renovação.

    Superproteção – A mulher de câncer cria o filho para a satisfação pessoal, despeja afeto mas retira dele as noções de responsabilidade e independência. Assim, o “hipofilho” vai resultar em um adulto fraco, medroso e despreparado diante das provas da vida.

    Leão

    Vaidade – O leonino cultiva a idolatria do ego e tende a criar uma visão parcial e privilegiada de si mesmo. Coloca-se no centro do mundo como um herói, um rei, um ser extraordinário, mas carece de autocrítica. Projeta um brilho falso e grandezas irreais. Faz de tudo para esconder suas precariedades. Superestima qualquer feito comum, vangloriando-se por atitudes vãs e infantis. Age como a criança que quer sempre chamar a atenção dos pais e necessita de aprovação constante.

    Complexo de Pavão – O leonino lança mão de qualquer recurso para aparecer e brilhar, nem que para isso sua aparição seja imprópria e seu brilho falso. Veste-se de forma descabida, “ornamenta-se” como quem vai entrar em cena, exibindo “performances” teatrais de um profundo mau gosto e nenhuma arte. O “pavão” vive o amor próprio do avesso, embriagado por uma fantasia exibicionista e um atroz complexo de superioridade, sem perceber que fabrica uma progressiva insatisfação. Se esforça para parecer mais do que é e não se satisfaz. Ostenta uma arrogância cômica para os observadores mais sagazes. Quer sempre aparentar que está melhor ou é melhor do que os demais.

    Complexo de “César” – A mistura de complexos se origina de sua vaidade e de seu orgulho doentio. O complexo de “César” se traduz em – “preferir ser o primeiro da aldeia do que o segundo em Roma”. Imaginar-se com uma personalidade tão extraordinária que deve sempre estar em primeiro plano, chamando a atenção de todos ou recebendo deferências especiais é sinal de pouco desenvolvimento espiritual.

    Aventuras Amorosas – O leonino está sempre engendrando um romance, nem que seja falso ou apenas um caso superficial. Sua vaidade exige que ele apareça sempre bem acompanhado ou contando histórias de um incrível amor secreto. Aventuras românticas de curta duração, casos passionais, paixões tórridas e namoros cinematográficos com cenas convincentes são uma constante na vida do leonino. Ele mistura “amor-sem-sentimento”, lazer, distração, gosto de aventura, jogo e toda sorte de envolvimentos sem conseqüência para ocuparem o seu tempo livre.

    Cólera – O Leão, no auge de sua raiva, deixa-se vencer por explosões de temperamento inimagináveis. Quando provocado ou enraivecido, perde todo o controle e a noção de qualquer limite, e então explode furiosa e abusivamente. Sua raiva é muito intensa, passionalíssima e até escandalosa, mas começa e acaba repentinamente. Muitas vezes, após as cenas dantescas, arrepende-se amargamente; mas na hora da briga, ele se esquece de tudo e transforma-se num ser atemorizante. Ele parte para uma altercação como quem vai para uma guerra – cego, surdo e muito ruidoso. Como, além de tudo, é teatral e vaidoso, orgulha-se até de sua agressividade, gosta de cenas em que pode demonstrar sua força, domínio e prepotência.

    Prepotência e Autoritarismo – O leonino tem sérios problemas para lidar com hierarquias. Quando está em posição de comando, torna-se autoritário, mandão e prepotente. Quando está em posição subordinada, é revoltado, insubmisso e, por vezes, sabotador. No primeiro caso, é um comando de abusa de poder, exercendo uma autoridade abusiva e, muitas vezes, tirânica. Sua vaidade doentia torna-o surdo a qualquer sugestão e completamente insensível aos direitos dos seus desafortunados comandados. Subestima colaborações e eventuais críticas, que seriam valiosas para qualquer outro indivíduo menos arrogante e pretensioso. Como não sabe perder, detesta competições e por isso subjuga e oprime seus colaboradores. Em alguns casos, seu medo de perder o “trono” é tão grande, que chega a se apropriar das idéias dos outros para não perder o “status de chefe”, que alimenta a sua egolatria. Quando estão subordinados, a vaidade dos leoninos entra em luta surda contra seus opressores, negando-se a obedecer e a aceitar hierarquias. Ficam tão enraivecidos internamente, sem poder exteriorizar a raiva contida, que se sentem oprimidos pelas ordens e deprimidos com a situação. O resultado do conflito entre a auto-estima ferida e a obediência imposta torna-os profundamente infelizes, complexados e, portanto, péssimos colaboradores.

    Virgem

    Culpa do Prazer – Baixa Auto-estima – O virginiano não consegue se dar prazer. Nas horas reservadas a ele, inventa alguma ocupação mais séria e se entrega a essa obrigação, esquecendo por completo o lazer antes programado. Sendo Virgem o signo de mais baixa auto-estima do Zodíaco, sente-se em pecado quando está apenas se divertindo e não se dá o direito de desperdiçar momentos subtraídos do seu precioso tempo. É muito fácil para ele adiar o prazer indefinidamente, só se entregando após muita relutância e quando mais nada existe, na sua agenda, de alguma importância. Quando vence o conflito entre prazer e dever, o virginiano começa a se divertir, assumindo todos os encargos dos preparativos necessários. Se é um jogo de cartas, ele irá providenciar o baralho, as fichas, o pano verde e tudo mais. Se for uma viagem, ele cuida das malas, dos horários, das compras mais difíceis, dos mapas, e tudo mais que envolva a parte trabalhosa do lazer. Prefere o prazer cerebral, trabalhoso, que o obrigue a raciocinar, do que o prazer do tipo ver um pôr-do-sol, brincar com crianças ou apreciar um passeio no bosque. Ele prefere uma mixagem entre prazer e autopunição.

    Trabalhador Compulsivo – A baixa auto-estima do virginiano o leva a trabalhar exaustivamente, sem respeitar seus próprios limites. Chega a um tal nível de casaco, que ultrapassa as normas aceitáveis de saúde e, por isso, estão sempre “à beira de um ataque de nervos”, deixando transparecer uma agitação interna e um estresse incontroláveis. A causa desse comportamento compulsivo reside numa autocobrança que o obriga a fazer e refazer, até atingir uma utópica perfeição.

    Sabotador – Quando o virginiano aceita um trabalho com o qual não concorda e para o qual não tem outra alternativa, ele tende a agir como sabotador. Cria conflitos, inicia greves injustas, faz reivindicações absurdas causando prejuízos. Uma criatura com alma de escravo, que se sente inferiorizado pelo sistema. Só enxerga seus direitos e ignora os deveres. Para ele, o patrão ou o chefe é sempre um inimigo a perseguir e a se vingar.

    Hipocondríaco – Pela necessidade de preservar sua saúde, esse hábito pode se tornar uma mania compulsiva e um medo constante de qualquer tipo de doença. Trata exageradamente de todos os possíveis sintomas e imaginados sintomas como se fossem uma realidade inquestionável. Vive procurando uma doença real para justificar sua neurose por medicamentos. É assíduo freqüentador de consultórios médicos, e desses contatos se resulta um grande conhecimento de termos técnicos e cultura de almanaques especializados.

    Prevenção – Os virginianos que fazem da prevenção uma religião, vivem tomando vitaminas, vacinas e adotando regimes alimentares com ênfase obrigatória na saúde. Não comem por prazer, comem porque faz bem à saúde. São os únicos no Zodíaco que seguem prescrições com total obediência e orgulho.

    Manias – As qualidades de limpeza, ordem e arrumação viram manias, e o virginiano não pára de se lavar e limpar tudo em seu raio de ação. Essas manias levam o virginiano à se autocobrar de uma maneira excessiva, o que o faz detalhista compulsivo, ranheta, preso a rigores inúteis; cansativo no convívio e terrivelmente prolixo, pois além de falar muito, o virginiano ainda tem obsessão por detalhes tediosamente repetitivos.

    Dificuldades no Amor – Os virginianos são pouco carinhosos, não acreditam em paixão, amor à primeira vista, efusões amorosas, “reencontros que tinham que acontecer”, romances, namoros complicados, “melosidades”, amores impossíveis, aventuras novelescas, pieguismos, “pessoas-colantes” e muito mais. De tudo que a literatura romântica escreveu nos séculos, o virginiano desconfia. É um tipo muito cabeça, cético e que leva tempo para esquentar. Teme, portanto, deixar-se envolver por algumas ingenuidades romanescas como os outros signos. É preciso dedicação para derreter esse “iceberg”.

    Critica quem Ama – No seu intuito de aperfeiçoar o comportamento do companheiro, o virginiano vai desfiando um rosário de críticas. É difícil namorar ouvindo relatórios de seus defeitos. Diz a Astrologia que os virginianos, quando criticam, estão dando prova de grande interesse e até de amor, mas a maioria das outras pessoas não tolera ser criticada e nem aprecia uma personalidade categórica e autocontida.

    Libra

    Hesitação – No libriano, as dúvidas atingem níveis prejudiciais que chegam a causar a descontinuidade da ação, bloqueando a mente e impedindo-a de tomar a menor decisão. Sente-se mal, quando se trata de fazer qualquer escolha, e perde um bom tempo nessas ocasiões cruciais. Deixa-se influenciar com facilidade e, na sua vacilação habitual, costuma pedir socorro aos outros, como quem necessita do aval de alguém para permitir-se chegar a uma simples decisão.

    “Em Cima do Muro” – É uma posição que o libriano pensa ser política ou diplomática, mas que, na verdade, é apenas ilusão da sua ingenuidade. Ele presume ser possível viver “em cima do muro” e ser aceito por gregos e troianos, sem ouvir críticas ou discordâncias. Mais uma faceta de sua incurável hesitação. Querendo agradar a todos, amigos e inimigos, prós e contras, termina por desagradar o conjunto. Tanto os partidários quanto os opositores acabam perdendo a paciência com essa atitude ambígua e indefinida, o que lhe acarreta perda de confiança e descrédito.

    Bajuladores – No empenho de conquistar a todos do seu grupo, o libriano se perde em excessos de demonstrações afetivas desproporcionais e pouco sinceras. Ninguém pode vir a acreditar nos seus propósitos múltiplos de amor indiscriminado, e passam a encará-lo como uma pessoa sem personalidade definida e afeita à bajulação. Abusa de frases feitas e comportamentos estereotipados pelas normas sociais vigentes. Ele está mais preocupado em parecer do que ser. Seu objetivo está muito mais no agradar o ao mundo social do que na estrutura verdadeira do relacionamento pessoal.

    Imagem Social Desfocada – Através de lisonjas viscosas, os librianos vão incensando as personalidades, supostamente importantes, apenas para saltar degraus. Chegam rápido ao topo, como um alpinista social, mas não se mantêm por falta de bases sólidas e pelo despreparo para as vertigens das alturas. Na mesma velocidade com que atingem o cume, despencam para o vácuo de suas incompetências. A mania de grandeza libriana faz surgir os “socialites”, aqueles que querem viver num mundo em que todo superficialismo e banalidades são permitidos.

    Casamento de Fachada – Um dos piores problemas da mulher de Libra é sua tendência interesseira, que a leva a se engajar em parcerias de conveniência. A expectativa de melhores condições financeiras, de uma pretensa respeitabilidade somada à enorme vaidade de estar casado é a fórmula ilusória das pessoas que sofrem da “falsa-esperteza”. Neste relacionamento, os parceiros estão atados a um compromisso social com os outros ou com o público, e, no entanto, a vida pessoal é sufocada ou deixa de existir.

    Farsa do Casamento Feliz – Ainda há o tipo de libriano que permanece dentro de uniões que nunca existiram como eles querem fazer crer. Por não saberem viver sós, vivem a farsa da felicidade cor-de-rosa num casamento em que permeiam a solidão a dois e uma incurável monotonia. Com um script teatral, procuram se autoconvencer ou se autocompensar com o respeito social que uma união duradoura pode despertar, mesmo que as duas partes partilhem apenas de um profundo tédio e de uma exaustiva convivência. Esses casais incompletos “vingam-se” desse pesado fardo, nas grandes ocasiões sociais, quando aparecer casados ou acompanhados é sinônimo de uma vitória sobre aqueles que fizeram a opção pela vida de solteiro. Desistem de uma vida autêntica, livre e produtiva em benefício de uma farsa grotesca.

    Escorpião

    Ciúme – Nisso o Escorpião extrapola: além do ciúme físico, destila um ciúme mental, querendo dominar o que o outro pensa, sente, sonha, projeta, enfim, quer se apropriar de tudo que existe na mente e no coração do outro. O ciúme do Escorpião é vivido em três tempos simultâneos: passado, presente e futuro. É tão visceral e doentio que desafia o próprio tempo. Existe ainda o ciúme subjetivo: aquele que, sem motivo algum, imagina seres irreais, situações de concorrência, desvios de rota, suposições infundadas, criando impasses e problemas inúteis. É assim que o Escorpião faz sofrer a quem “pensa” que ama e, na angústia de possuir por inteiro o ser amado, torna-o vítima de sua “paranóia”, transformando a convivência numa coleção de maus momentos preenchidos com uma overdose de interpretações, discussões e desconfianças.

    Agressividade – O Escorpião copia o comportamento do animal símbolo, sempre pronto para atacar quem o tocar, com sua cauda retesada, o ferrão venenoso e a rapidez de uma picada mortífera. Ele nem sempre reage no momento; isso é perigoso. Pode até deixar passar muito tempo para demonstrar sua reação e ele jamais esquece uma afronta. Tem memória invejável e paciência inesgotável; por isso, leva o tempo que achar necessário tramando uma vingança, e esta terá que ser completa.

    Vingança – O Escorpião se vinga sempre. O senso de justiça da criatura não é intelectual como o de Libra. É todo baseado em impressões emocionais – mais para a antiga lei “olho por olho, dente por dente”. O importante é que nada fique sem a devida resposta, o que, para ele, pode variar de um simples olhar profundo até uma atitude de conseqüências graves. Um Escorpião jamais esquece uma ofensa, nem perdoa quem a fez. O canal de resposta pode variar, mas o troco vai acontecer. Ele fica preso à sua memória retentiva. Lembra, relembra e se enraivece inúmeras vezes. Sua “libertação” só se dá quando concretiza a vingança. O Escorpião age obcecado por sua lógica parcial, livra-se das ofensas e finaliza o enredo vingando-se sempre. Ele se acha “em missão” de ensinar aos outros o que ele considera certo e errado. “Aqui se faz, aqui se paga”; “Quem me fez sofrer vai sofrer também”. Na sua infinita prepotência, toma o lugar de Deus e resolve fazer, ou mandar fazer, justiça a seu critério. Reprimir raivas, submeter-se aos outros, engolir sapos, cobras e lagartos é considerado prejudicial à saúde pelo Escorpião.

    Mau Uso do Poder – Um outro grande pecado do Escorpião é a utilização negativa de situações nas quais ele detenha algum poder. Nessas oportunidades, ele vai exercer toda sua força de manipulação, influenciando a conduta dos outros para proveito próprio. Tem o dom de “fazer a cabeça”, modificando opiniões e envenenando o espírito dos mais ingênuos.

    O Abuso da Fé – Escorpiões mal intencionados são personagens que ocupam cargos ou posições que exploram a fé e a confiança dos mais fracos, utilizando procedimentos indignos para influenciar seguidores ou “clientes”. Abusam da fé dos ingênuos, condicionam suas mentes a fazer o que lhe é mandado, manipulando, em proveito próprio, suas infortunadas vítimas que sucumbem diante de uma magnetismo nocivo, mas poderoso. Um bom exemplo disso, são os falsos gurus, que fazem uso de sua liderança abusiva e hipnotizam seus “cordeiros” com toda sua capacidade teatral.

    Sexo – Uma arma de dois gumes – O Escorpião negativo, ao perceber seu forte magnetismo sexual, transforma seu parceiro num mero fantoche que recebe sexo, mas não recebe amor. Os relacionamentos tornam-se apenas encontros físicos, desvinculados de qualquer emoção ou sentimento superior. Os subjugados pelo perverso domínio sexual do Escorpião vivem numa constante escravidão, mendigando afeto e na esperança obsessiva de, um dia, obter a uma realização mais plena. Mas a arma do sexo pode ter dois gumes; portanto, o temido ferrão do escorpião pode voltar-se contra ele mesmo, na medida em que ele fica viciado ou condenado ao sexo pobre, sem nunca conseguir se libertar para viver uma autêntica paixão.

    Sargitário

    Exageros – O signo de Sagitário rege o princípio da expansão. Mas no lado negativo, o desejo de crescer indiscriminadamente leva ao exagero. É comum assistir a um desses sagitarianos discursando sobre qualquer assunto de seu próprio interesse com um ar doutoral de quem sabe tudo a respeito da matéria e não tem nenhuma dúvida lhe perturbando a mente. Faz afirmações como o próprio “dono de todas as verdades”, exibe-se com um vocabulário floreado, num tom de voz de altos registros, com o propósito de impressionar os ouvintes.

    Turistas "narradores" – Sagitarianos adoram contar histórias sobre suas viagens, sempre com ênfase nas vantagens das mesmas. Nunca se referem aos contratempos, atrasos, perdas, despesas; só falam das “maravilhas” vividas nas suas andanças e transformam qualquer “excursãozinha” numa aventura cinematográfica. A verdade e a exatidão nem sempre estão presentes nos relatos, porque o exagero sagitariano gosta mais de contar casos “interessantes ou engraçados”do que se deixar limitar pela verdade, que, muitas vezes, é apenas insossa e vulgar.

    Viajantes Compulsivos – Mais um outro problema dos maus sagitarianos é o fato de eles destinarem boa parte de sua vida a viver o ideal das grandes e inúmeras viagens. Passa todo o seu tempo útil deslocando-se de um lugar para outro, com uma sede jamais saciada e uma insatisfação contínua; pois, por mais que rodem o mundo, permanecem com a sensação de que não foi o bastante. Eles “vendem” uma imagem de felicidade fictícia porque, na verdade, são ansiosos, inquietos e eternamente descontentes com as condições de sua vida pessoal. Não se dão conta de que, fazendo a opções de correr o mundo em busca de alegrias, excitações e felicidades, distanciam-se de suas possibilidades num trabalho produtivo e cortam possíveis laços afetivos.

    “Centauro aposentado” - Quando o sagitariano é um viajante compulsivo, ele se afasta tanto de sua terra, que acaba por perder suas raízes. Após dedicar-se anos a fio a uma vida de nômade, ele passa a se sentir estrangeiro em sua própria terra natal e um alienígena na terra dos outros. Em geral, não se realiza profissionalmente e vai chorar na velhice, como um “estranho no ninho”, a falta de laços afetivos e familiares. Após uma vida em todos os lugares, o centauro aposentado sente duramente a solidão pela falta de vínculos emocionais, pois não é valorizado nem estimado por seus entes queridos, parentes e amigos, que se acostumaram sem ele.

    Vaidade – A vaidade humana atinge seu ápice negativo em Sagitário, por ser o signo de todos os excessos. O sagitariano deixa-se enfeitiçar por este ícone da modernidade e embarca acelerado na expansão do Ego, autoproclamando-se excelente, sem esperar que a crítica e o julgamento da maioria dêem seu aval. O sagitariano leva a vaidade para o plano do saber: considera-se uma autoridade em vários assuntos, pensa que sabe muito mais do que os outros e desanda a dar conselhos e a assumir postura professoral, passando a responder sobre tudo que lhe perguntam com uma segurança e uma irresponsabilidade de estarrecer os mais moderados. Tornam-se tão cegos pela presunção, que se expõe a falar na presença de pessoas que, muitas vezes, têm muito mais preparo do que ele no assunto abordado e que, por modéstia ou por piedade, se calam.

    O Vaidoso Conquistador – Quando a vaidade escorrega para o plano afetivo, surge o sagitariano na sua faceta negativa de grande conquistador – um ser que namora muito mas não ama ninguém, capaz de se engajar em vários relacionamentos sucessivos ou simultâneos, imune a laços afetivos sérios e indiferente aos compromissos familiares. Tem audácia, impetuosidade e sedução em sua conquista. Promete mundos e fundos, atordoando suas “vítimas” com sua lábia decisiva. Não consegue devotar amor verdadeiro a ninguém, valoriza a quantidade em detrimento da qualidade, precisa colecionar novas conquistar para exibi-las como troféus e para atender à sua motivação interna que exige um grau de excitação cada vez maior. Seu comportamento antiético, exibicionista e fanfarrão leva-o a ter mais satisfação em divulgar as historinhas de suas conquistas do que propriamente se deleitar com o que elas poderiam proporcionar. Isso é mais comum entre os homens e, felizmente, cada vez mais repudiado na sociedade atual.

    Moralismo – Uma faceta bem marcada no mau sagitariano é o moralismo exacerbado que, em alguns casos, chega às fronteiras do ridículo. Esse indivíduo se arroga o direito de julgar e condenar os erros de toda a humanidade. Afirma, com uma certeza assombrosa, o que deveria ser feito, ser dito e ser pensado pelos outros, sempre pelos outros; aliás, a sua frase predileta é: “Você deveria”... isto ou aquilo... Ele sabe sempre o que os outros deveriam ser ou fazer, mesmo não conhecendo as causas que motivaram as ações dos demais. Desprovido de empatia, não se detém ao julgar, não pára para pensar e por isso não procura investigar o que provocou as ações dos outros, apenas declara as sentenças, com base simplesmente nas aparências, ou no aspecto exterior das situações. Também é marca de sua personalidade uma postura paradoxal – ele cria uma lei para o mundo exterior, bem rígida e austera, e outra para si mesmo, bastante amena e incrivelmente elástica. No papel de juiz, é implacável e rigoroso. O que é errado para os seus circunstantes deve ser punido ou, pelo menos, criticado. Quando flagrado em erro, ele tem explicações para tudo, defende-se com veemência e lança mão de qualquer trunfo que argumente a seu favor.

    O Avesso da Generosidade Sagitariana – O sagitariano é bastante generoso ao das conselhos e opiniões. Se existe algo que não lhe falta é opinião, mas nem sempre tem a mesma atitude quando se trata de doações materiais. Ele pensa, repensa, “tripensa”, antes de abrir a mão e dar alguma coisa para alguém ou levar um presente, mesmo que seja de pouco valor. O que ele mais gosta ;e de aparentar uma grande fartura, mas o que se pode verificar de fato é uma conduta mesquinha e parca de doações. Alguns mais vaidosos e preocupados com sua fama, pagam contas em que apareça o seu gesto, mas não pagam as contas silenciosas e obrigatórias. Gostam de dar pequenas “facadas” nos amigos, prometendo pagar com juros e correções, mas habitualmente se esquecem e permanecem em uma amnésia irresponsável, porém, bem confortável para eles. O caso é que Sagitário gosta de se mostrar como o mais generoso do Zodíaco, mas, na polaridade negativa o inverso é a lamentável realidade.

    A Face Negativa do Humor Sagitariano – Na polaridade negativa, o princípio da expansão gera várias formas de desequilíbrio, como no caso do humor que, quando mal vivenciado, transforma-se numa euforia desproporcional. Quando o humor sagitariano transgride a linha divisória do bom senso, ele se perde nos excessos da euforia e torna-se uma grande inconveniência. Uma pessoa desagradavelmente eufórica desconhece qualquer limite. Nos casos mais graves, o humor transfigura-se em deboche. O Sagitário negativo pode fazer uso desta atitude menor para sustentar sua vaidade e seu descomedimento. Zombar de alguém é fazer do humor uma arma covarde, é ser maldoso por meio de risadarias, fazendo sarcasmos do sofrimento alheio e galhofas com as situações penosas que a vida impõe. Nos piores casos, o humor serve de máscara para dissimular um caráter absurdamente insensível. Os humoristas, desprovidos de sensibilidade, são alheios aos sentimentos do resto do mundo, riem da desgraça e dos dramas dos outros e mostram-se capazes de ferir indiscriminadamente, sempre exibindo um “sorriso de lagarto”. Fazem humor em local e hora erradas, com a pessoa mais imprópria ainda. Suas gracinhas, sempre importunas, têm um objetivo crítico e irônico, camuflado em meio a piadas de mau gosto. Esses distúrbios de humor, característicos dos sagitarianos negativos, revelam graves problemas de caráter.

    Capricórnio

    Limitação – A limitação de Capricórnio gera avareza, amargura, timidez, pessimismo e muitas dificuldades de relacionamento. Isso pode gerar dificuldades quando usada como restrição, diminuição, insuficiência e, nos piores casos, até como mediocridade. Deixar-se vencer por essas restrições é a causa de insucesso de uma vida, que poderia ser muito mais ampla sem os freios a que um capricorniano negativo se obriga.

    Avareza – Ter dinheiro e não conseguir usufruí-lo é um problema de alma que é avarenta, porque não se permite o menor gesto de doação consigo mesma, muito menos com os outros. O avarento vive ansioso, sempre preocupado em não gastar. Perde um tempo enorme inventando expedientes para evitar as mínimas despesas e justifica-se alegando necessidade de guardar tudo indiscriminadamente. Vangloria-se de economias desprezíveis, é capaz de entrar em tolas contendas por centavos e vive contando migalhas, torturado pelas perdas corriqueiras. O capricorniano pode padecer com esse problema, pois se impõe tantos limites, que acaba por estragar a própria vida, furtando-se ao prazer e infligindo-se rigorosas restrições, que atuam como verdadeiras penalidades.

    Avareza de Sentimentos – O avarento é um ser fadado à solidão, porque é dificílimo viver ao lado de alguém que tranca seus impulsos generosos e é incapaz de doar-se ou oferecer qualquer benefício para quem estiver por perto. Seus relacionamentos afetivos são tão pobres quanto suas intenções, e sua preocupação em não gastar gera um mau hábito dentro dele que o impede de ser amistoso com alguém. Amor e carinho são formas generosas de abundância, são partes da própria pessoa doadas a outrem.

    Ambição Desmedida – A ambição negativa transfigura-se numa quase obsessão, e as pessoas vítimas desse mal consomem anos de suas vidas tentando, a qualquer preço, atingir seus objetivos. Capricórnio, por sua natureza obstinada, não mede conseqüências nem esforços para alcançar o topo da montanha da vida; no entanto, na polaridade negativa, quando essa ânsia de vencer vem impregnada de vaidade, orgulho e desejo de poder, surge a ambição desmedida. Nesses casos, pode acontecer uma avalanche de erros que vão se avolumando, desde um comportamento antiético até a total corrupção.

    Ambiciosos Frustrados – Nesse grupo estão reunidos os ambiciosos incompetentes que, apesar de toda a ambição, não têm o preparo necessário para realizá-la. Integram esta lista negra famosos personagens do folclore cotidiano, tais como os alpinistas sociais, os bajuladores, os “papagaios de pirata” e todos aqueles que vivem nas cortes dos poderosos, tentando obter algumas poucas migalhas do sucesso deles.

    Timidez – O Capricórnio negativo, quando frustrado social ou profissionalmente, esconde-se dentro de uma timidez autopunitiva que, na maioria dos casos tem origem numa infância sofrida. Essa timidez dramática é geradora de várias outras limitações no âmbito dos relacionamentos interpessoais – o tímido, quando não expressa suas emoções nos momentos precisos, “engole sapos”, deixa-se atingir sem se defender e acumula rancores inconfessos que o fazem sofrer por muito tempo. Em geral, sua única reação é refugiar-se num obstinado silêncio que funciona ora como fuga ora como pseudovingança, pois ele se sente encurralado e sem saída para os impasses. Mas, em todas essas situações, a timidez sempre maltrata os dois pólos de qualquer relacionamento. A timidez capricorniana pode ser a causa de muitos outros problemas do signo na via negativa, tais como depressão, melancolia e pessimismo. Todos esses sentimentos são ingredientes de uma personalidade derrotista e frustrada.

    Pessimismo – O pessimismo é uma das piores dificuldades do Capricórnio negativo, pois ele tem um efeito multiplicador, isto é, o pessimista contamina todos ao seu redor. A grande maioria tem uma tendência negativista dentro de si que permanece latente como uma porção passiva no fundo da alma e, quando despertada pelo pessimismo do outro, vem à tona e contagia totalmente o indivíduo, trazendo também consigo alguns “nefandos parentes”: a melancolia e a depressão. Essa disposição de espírito, que leva o indivíduo a encarar tudo pelo lado negativo, a esperar de tudo o pior, tem sua origem em seu próprio medo e incapacidade de criar soluções. Os pessimistas, em geral, não reconhecem sua condição derrotista; intitulam-se, com muito orgulho, realistas, racionais, “pé-no-chão”, e, por isso, fica mais difícil enfrentá-los e aquietá-los. Quando começam a defender suas teses fatalistas, inundam o ambiente com suas frases contundentes e de grande impacto. Muitos os respeitam pela seriedade e pelos argumentos aparentemente indefensáveis sem, no entanto, parar para avaliar a precária perspectiva enfocada.

    “Pré-Ocupados” – A “pré-ocupação” é um subproduto direto do pessimismo. Sua origem está no medo do fracasso, da não realização e ainda se apresenta como uma conseqüência da autolimitação; à qual se impõe o Capricórnio negativo, que se deixa vencer pela angústia e ansiedade e usa mal seu tempo de ação no presente com preocupações futuras que podem ou não acontecer.

    Insatisfação – O Capricórnio é naturalmente insatisfeito. E isso torna-se causa de muitos problemas para o Capricórnio negativo, pois estes indivíduos de mal com a vida vivem programando situações completamente insatisfatórias que fazem deles seres de muito difícil convivência, uma vez que aturar tamanha impertinência é quase impossível. Tal comportamento gera outros “pecados”, tais como cobranças desmedidas, exigências descabidas, pessimismo, melancolia, mau humor habitual, rabugice. Enfim, esses capricornianos transformam-se em criaturas eternamente ranzinzas e com temperamento envelhecido precocemente.

    Aquário

    “Do Contra” – Há um tipo de Aquário negativo que tem uma prazer muito especial em contestar. Negam tudo que é dito pelos outros, são contra todas as opiniões e, se possível, fazem disto motivo para grandes discussões. Além de discordarem sempre, adoram ser ostensivamente “do contra”. Querem que os outros tenham a certeza de que eles discordam, e não fazem por menos, falam alto, exageram no vocabulário ofensivo, são prolixos, necessitam de que todos ouçam os seus excitados discursos. Não importa a idade; sempre se comportam como adolescentes implicantes e resolvidos a incomodar. Enquanto não conseguem aborrecer bastante, não param com as provocações, tentando de variadas formas irritar quem estiver por perto. São os maiores “espíritos de porco” do Zodíaco, não perdem oportunidade de começar uma discórdia e, quando não encontram contendores, ficam profundamente frustrados. O fato é que não podem ver ninguém sereno, tranqüilo ou bem humorado que eles começam a infernizar, provocando discussões inúteis e de ritmo nervoso – este é um sério problema aquariano causado por um sistema nervoso profundamente alterado.

    Anarquistas – Quando a contestação ultrapassa o âmbito pessoal e atinge o campo exterior, surge o aquariano do tipo político, que se especializa em se opor às leis do país, do mundo e da sociedade. Ele, em geral, sente-se mais realizado quando consegue uma tribuna para tornar-se um oponente profissional que ataca sempre, em qualquer situação, tudo que estiver sendo realizado. É um indivíduo na contramão. Quando todos estão de acordo, ele protesta, mostrando erros e defeitos que os outros fazem. Inventam encrenca a partir do nada. A ocasião pode ser a mais imprópria para discursos políticos, mas eles estão sempre à espreita e preparados para despejar uma falação inoportuna, estressante e cansativa.

    Agressividade – Na polaridade negativa, um dos graves problemas aquarianos é a sua mente desgovernada e facilmente excitável. Quanto isto acontece- perigo à vista. Se tornam agressivos, completamente intolerantes e capazes de ferozes rompantes de violência. Entram numa briga dominados por forte tensão e são capazes de estarrecer e encurralar o adversário em poucos minutos. Tornam-se surdos a qualquer argumentação e cegos a qualquer evidência. Por terem seu mundo próprio, ficam impermeáveis a ponderações e raciocínios. O Aquário é sujeito a se fixar num comportamento rígido e irredutível. Portanto, num momento de explosão de temperamento, sua imensa agressividade vem à tona de uma forma colérica, e as vítimas têm real motivo para fugir ou sofrer alguns danos, sejam físicos ou morais. O que mais assusta neste tipo zodiacal é a imprevisibilidade das reações. Tudo com eles acontece de repente, e as respostas vêm em grau desproporcional ao ocorrido. São inteiramente dominados pelo seu estado de espírito do momento, daí os rompantes sempre injustificados e bem mais difíceis de lidar porque, além de descontrolados, exibem uma raiva escandalosa e ruidosa.

    Dificuldade de Relacionamentos – Sendo uma natureza fechada, tensa, às vezes, irascível e de poucas palavras, torna-se complicado viver ao seu lado, embora possa existir dentro dele um sentimento também aprisionado que luta por uma libertação. Quando se sente acuado ou contrariado, tranca-se num mutismo constrangedor, que é uma das suas armas preferidas de agressão e que, por vezes, torna-se um hábito insuportável para as pessoas que têm a má sorte de partilhar de sua convivência. Vive interiormente numa rota de colisão entre a grande vontade de amar e o medo de ficar à mercê de quem ama, uma luta inglória entre a noção de uma falsa liberdade e o desejo normal de ter alguém como companhia. É bom lembrar que o Aquário não é de fácil adaptação, daí não se ajustar aos hábitos de outra pessoa. O Aquário exige que os outros o adivinhem e que aprendam a ler seus sinais e não suas palavras. Quer impor sua maneira de pensar mas, ao mesmo tempo, odeia submissão, eis um dos seus inúmeros paradoxos. No credo aquariano, ele professa “Todos têm o sagrado direito de concordar comigo.” Se isso não acontece, ele desdenha o entendimento do outro, porque afinal de contas suas idéias são sempre tão originais e tão brilhantes...

    Autoritarismo Aquariano Exacerbado – O Aquário negativo soma à sua lista de dificuldades uma faceta menor do Leão – um autoritarismo exacerbado. Por não se submeter a ninguém, exige uma obediência total às suas vontades e, por qualquer tola contrariedade, faz uma tempestade num copo d’água. Uma contenda com um aquariano é sempre penosa e profundamente desgastante, porque ele não se satisfaz em ser o autor da palavra final; ele quer vencer após uma guerra, que pode variar de uma longa e violenta discussão a um duelo armado. Em ambos os casos, o clima é um perigoso tudo ou nada.

    Dificuldade com Padrões Estabelecidos – O “espírito de porco” do aquariano negativo quando muda seu foco de atuação dirige suas baterias para qualquer tipo de autoridade. Na família, desde criança o Aquário é capaz de se insurgir contra todos os regulamentos tradicionais do grupo familiar. Toma atitudes impensadas para que possa demonstrar frontalmente sua revolta contra os costumes preestabelecidos. Segue pela vida criando caso e contendas toda vez que lhe dão oportunidade para exibir seu espírito revoltado e pretensamente renovador. No trabalho, desafia o poder, a autoridade e as hierarquias. Não se submete às normas da organização fazendo-se de desentendido diante de novas regras ou orientações. Ignora os regulamentos que todos os outros seguem e só os aplica quando resolve que é o momento; portanto, nesse meio tempo, cria sucessivos tumultos, impedimentos e barreiras, fazendo questão de mostrar sua insatisfação e rebeldia. Na sociedade, opõem-se ao grupo a que pertencem por origem. Se são pobres, fazem disso uma bandeira para agitação, tornam-se sabotadores e se comprazem em ameaçar o sistema. Se são ricos ou poderosos, odeiam sua situação privilegiada – a riqueza lhes pesa como crime e culpa. Para derrubar os ancestrais e a hierarquia, são capazes de promover escândalos e provocar rupturas irreconciliáveis.

    Peixes

    Vícios, Venenos e Escapismos – O signo de Peixes, quando negativo, está vinculado aos problemas de vícios e às diversas formas de prisão interior. Todo viciado ou dependente é, no fundo, um fugitivo que tenta escapar de si próprio. Ester ser prisioneiro nunca está satisfeito consigo mesmo, sempre acha que poderia ser melhor do que é e, por isso, fantasia formas de escapismo através das quais ele possa, pelo menos por alguns instantes, fugir de sua vidinha medíocre e viver num paraíso artificial. Possuem sintomas como incapacidade para viver com alegria (constante mau humor), falta de amor, carência de companhia permanente, dificuldade para se comunicar e aceitar a realidade. Os Peixes negativos sonham ser indivíduos imensamente grandes, quase perfeitos, superdotados, com todas as grandes qualidades humanas. Imaginam-se quase deuses, ou tão poderosos quanto. Exemplo disso são os viciados em heroína, que se sentem como super-heróis – capazes das mais arriscadas performances. Como um ser pequeno, comum, igual entre tantos outros, poderia tornar-se um gigante? Como conviver com todas essas fraquezas? O Peixes negativo não sabe resolver este impasse e, sem saída, encurralado na sua dor, apela para os vícios do álcool, das drogas e de outros venenos similares para aliviar seus sofrimentos. Ainda existe outro grupo de Peixes negativos que canalizam suas fraquezas para vícios menores, ou pelo menos, mais aceitáveis pela sociedade, tais como gula, cigarro, jogos de azar, apostas, além das manias de remédios e hipocondrias variadas.

    Egoísmo e Solidão - Os tipos negativos de Peixes sofrem com qualquer tipo de isolamento, e a solidão é vivida como um castigo. Eles se lamentam e reclamam continuamente pelo fato de estarem sós, mas, em geral, não param para questionar as causas e descobrir o porquê de seu infortúnio. Tudo poderia ser diferente se ele observasse três fatores importantes:

    - Dificuldades na comunicação: Não gostam de expressar seus sentimentos e não sabem fazê-lo. É comum uma mudez hostil, que inibe o interlocutor ou instiga uma reação pouco amigável.
    - Espírito crítico: Não perdem oportunidade de criticar e apontar falhas nos outros. Não sabem elogiar e sempre deixam a impressão de que tudo está errado, malfeito e inadequado.
    - Falta de humor: Não sabem ser boas companhias. Agem nos extremos ou fazem o tipo “ermitão”, aquele que vive ausente de todos os eventos, que sempre diz não, que nunca pode nada. Em casos piores, se exibe em atitudes disfarçadamente agressivas e em frases de mau gosto.

    A solidão de Peixes é advinda de um comportamento nitidamente egoísta. Embora pareça contraditório, na polaridade negativa, o pisciano vive centrado em si mesmo e acaba sofrendo com isso. Sofre porque é só, sofre porque desagrada a todos, porque é terrivelmente intolerante e, principalmente, porque seu egoísmo o faz pensar apenas nos seus interesses e em suas conveniências.

    Mentiras e Falsidade – O signo de Peixes, na via negativa, é o símbolo da mentira, de tudo que é falso ou que provém de uma imaginação sem controle e, por vezes, doentia. A mentira é uma forma de vício; ela tende a tornar-se habitual e, em alguns casos, comum e corriqueira. O Peixes negativo tem a predisposição para a fraude, um jeito aparentemente fácil de escapar de enrascadas. É um comportamento recorrente que pode se transformar em formas fraudulentas subsidiárias, tais como plágio, estelionato, calúnia, falso testemunho, fingimentos, injúria, infâmia e tantas outras condutas que têm, igualmente, graves conseqüências sociais. Os Peixes negativos sabotam a si mesmos, mostrando ao mundo uma personalidade menor, que “viaja” clandestina dentro da verdadeira, mas que ousa falar e se exibir, mentindo sem nenhum pudor. Com isso, padecem de auto-agressão e de menos-valia que, com o tempo, vai avolumando-se.

    Salvadores e Vítimas – O Peixes negativo representa muito bem os dois papéis. Dependendo da situação, pode ser o mais heróico dos salvadores ou a mais desalentada das vítimas. Os salvadores muitas vezes não se dão conta de que a vítima nem sempre é tão vítima e que ele, em alguns casos, não deveria se oferecer como salvador. Ele deveria analisar cada situação com racionalidade antes de se envolver na história. Após um tempo de reflexão, alguns desses salvadores percebem o quanto foram usados, enganados, e ludibriados. Nesse momento, mudam de papel, tornam-se vítimas de sua própria e distorcida percepção. Passam a amargar um sentimento de insegurança generalizado, desconfiam da própria sombra e condenam-se a um isolamento, onde reclamam copiosamente e insistem no fracasso de sua missão nessa vida.

    Sacrifícios e Chantagens – As pessoas confundem sacrifício com seu original (sacro + ofício), e passam a reclamar de tudo que tenham que fazer por obrigação ou de forma sistemática. O Peixes negativo absorve esse comportamento e desperdiça sua vida repetindo a mesma ladainha. “Ó vida, ó céus!”; “Como sou infeliz! Como sou explorado!”; “Como são ingratos!”. A chantagem é um subproduto da trapaça, das enganações, da arte de blefar e de tudo que se esconde por trás de falsas aparências. O Peixes negativo sabe manobrar bem com essas atitudes menores, pois tem o dom do disfarce. As formas de chantagem piscianas são infinitas. Nenhum outro signo possui recursos tão variados para chantagear o próximo e, ao mesmo tempo, ser incrivelmente convincente nesta “arte”. As variadas formas de chantagens do Peixes acontecem quando menos se espera. Elas não vêm necessariamente de fora de casa – podem surgir dentro do próprio grupo familiar. Elas podem aparecer como uma cobrança emocional, em que o chantagista reivindica afeto além do que lhe é devido, ou ir até situações gravíssimas, em que a vida do chantageado corre perigo real. Em todas as múltiplas situações, fica sempre a marca ardilosa e fria do Peixes negativo.

    Fantasias e Desilusões – Uma das causas essenciais de suas fantasias despropositadas tem origem na baixa auto-estima. Ele tem uma grande dificuldade de encaixar o Eu Interno com o Eu Externo. Pos isso, sua figura nos parece uma fotografia superposta e mal focada. Como não resolve o dilema das duas personalidades, ou dos dois egos, sua fantasia entra em ação, como um piloto automático, e tenta compor uma nova imagem a partir dessa dualidade. E se nem sua própria imagem está bem resolvida, imagine-se o mundo à sua volta; fica difícil integrar-se num ambiente tão confuso como espelha sua cabeça. A solução que ele supõe ser mais viável é escapar pelos sonhos, fantasias, ilusões, utopias e todos os delírios da mente em descontrole. A realidade, no entanto, briga com a fantasia; a desilusão é sempre proporcional à ilusão. O sonhador, ao perceber que tudo era uma grande quimera, cai numa profunda depressão. A realidade e o imaginário não se coadunam. Quem sonha muito alto, em cores muito vibrantes, fatalmente está se autocondenando a uma solene decepção; quem se deixa iludir por fantasias desvairadas vai amargar uma incurável desilusão; e quem se encanta por paraísos inexistentes vai sofrer um triste desencanto...

    Mediunidade Enganosa e Ilusão Espiritual – Como a vida psíquica e espiritual do Peixes estão nos signos de ar, seu psiquismo, na via negativa, embarca facilmente nos delírios e fantasias destes signos que, por não terem limites físicos, disparam em todas as direções, sem conseguir manter um razoável controle. É uma criatura que ascende vela para todos os santos e faz as promessas mais bizarras que se possa imaginar. Sua fé direciona-se para múltiplas expressões de religiosidade, superstições e “esoterices”. Quer estar em todos os altares, embaralha todos os ritos, num verdadeiro folclore panteísta. Como sua fé é pouco consistente, ele apela para a quantidade de ídolos como compensação pela debilidade do sentimento e da crença. A mediunidade do Peixes negativo, mal orientada, é uma derivação da vaidade. Pessoas menores, que se julgam maiores, muitas vezes utilizam-se desses recurso para impressionar os crédulos. Exibem um falso poder com o intuito de se atribuírem uma importância que não têm. Afirmam-se como canais das grandes entidades, porta-vozes dos espíritos iluminados, ponte entre o céu e a terra, enviados divinos, enfim, seres predestinados a orientar os desorientados.

    Amor Platônico, Oculto, Proibido e Decepções – O Peixes possui uma atração inequívoca pelo proibido. Qualquer tipo de proibição exerce uma intensa forma de fascínio, e o ser humano é magnetizado por tudo que tem a placa: É PROIBIDO. E isso incluem-se desde anseios concretos do mundo material até os intrincados desejos do campo afetivo. O Peixes negativo aprofunda-se nessas águas perigosas e nelas se mantém por longos períodos. E por que razão o Peixes busca amores de tão difícil solução? A resposta está nos vários níveis de sua personalidade fragmentada. Eis aqui alguns itens:

    - Preservar sua liberdade: Amar a quem não pode, quem está longe é uma forma de não ter que assumir a convivência e as responsabilidades de um vínculo mais sério, portanto poder usufruir suas horas livres como bem lhe apetece.
    - Masoquismo? Karma? Prazer de Sofrer?: Muitas podem ser as origens dos amores proibidos, inclusive o prazer da dor das eternas despedidas, aquele amor cheio de interrupções, de partidas e de ausências.
    - Saudade e Nostalgia: O Peixes negativo sente uma satisfação melancólica em curtir as ausências do amado, para não banalizar sua presença. Sonha com o próximo encontro, dando asas à sua ansiedade no antes e prolongando o prazer com a saudade no depois.

    - Romancear as histórias: Uma dos prazeres do Peixes é mascarar a realidade, pois ele a considera pobre e medíocre. Nesses momentos, cria fantasias, dando aos dados concretos valores subjetivos, muitas vezes completamente irreais.

    Todas essas características se somam e se completam, gerando formas de amores incompletos, insatisfatórios, irrealizados ou platônicos. Em resumo, são escolhas insensatas e proibitivas, que impedem o Peixes de viver o amor na sua plenitude.
     
  2. Anoriell

    Anoriell Usuário

    Nossa.... Sou de Áries e quando fico fula da vida... SAI DE BAIXO!!! ... Sou um horror mesmo, super nervosa e descontrolada...Algumas coisas foram realmente tiro e queda... =]
     
  3. TT1

    TT1 Dilbert

    Dá onda ressucitar tópicos? :eh:
     
  4. Anoriell

    Anoriell Usuário

    Como é que é?! Não entendi?... A "grosseria" foi para mim é?!
     
  5. Lord Seth

    Lord Seth Banned

    Acho impressionante como ainda existam pessoas que achem essas generalizações válidas como forma de se auto-explicar.
     
  6. Mentha Brandybuck

    Mentha Brandybuck Evolution

    Acho impressionante como existem pessoas que não conseguem perceber que se uma crença existe há milhares de anos, por mais que sua fundamentação seja questionável, deve ser vista com seriedade. :roll:
     
  7. Anoriell

    Anoriell Usuário

    Escuta bem, se você não gosta deste tipo de coisa o problema é seu, se esta de mau humor o problema também é seu... agora não me escolha como vitima do seu final de semana... valeu...
     
  8. Anoriell

    Anoriell Usuário


    Palmas para vc.... :joy: :joy: ....Ele que deve ter tomando um pé na bunda e esta ssim...
     
  9. Cain

    Cain Usuário

    Cavaleiros do Zodíaco

    Leitura fria...

    Exemplo pessoal: amiga chegou e perguntou meu signo, respondi Aquário, então ela me leu toda uma dessas descrições do signo e praticamente tudo fechava com minha personalidade, nós dois concordamos, eu sou um exemplo perfeito de aquariano, incrível como a astrologia não erra né? O probleminha: eu nasci sob o signo de Libra ascendente em Leão e sou cético, minha amiga nunca mais tocou no tópico "signos" depois dessa revelação =p

    É fácil acreditar que as coisas são reais se você não quiser/puder questionar. Não importa se é astrologia, teologia ou esquizofrenia.
     
  10. Deriel

    Deriel Administrador

    Exatamente!!! Vamos ver com seriedade o Papai Noel e Coelhinho da Páscoa. :blabla:

    Crença não diz absolutamente nada.
     
  11. Silenzio

    Silenzio Visitante

    Realmente Mentha, por séculos se acreditou que a Terra era o centro do universo, que antes de chegar à américa haveria um abismo onde acabava o mundo e outras coisas absurdas.

    Esse argumento não passa de uma falácia, da qual não me recordo o nome.

    Ps: eu pensei ter lido que o Derial havia aberto o tópico e por um instante fiquei totalmente confuso com o que ele queria dizer com isso, rs
     
  12. Mentha Brandybuck

    Mentha Brandybuck Evolution

    Não estou dizendo que há verdade em Zodíaco, a Terra ser plana ou o centro do Universo, Deus, etc.

    O que estou dizendo é que se alguém acredita em algo, que há milênios não pôde ser comprovado, mas que também não foi comprovado ser falso, não deve ser visto com tanto desdém.

    Se alguém entrasse numa igreja e dissesse "Não entendo como atualmente ainda há gente que acredita em Deus", seria muito fácil recriminá-lo por não respeitar a crença dos outros.

    Agora quando o assunto é Zodíaco, que inclusive é mais antigo que muitas grandes religiões, todos rapidamente o atribuem ao ridículo.
     
  13. Erufeliel

    Erufeliel I'm a whole lotta trouble

    Deve de haver, eu sou a cara chapada daquilo escrito lá em cima, mesmo se não houver, sempre é uma maneira de estar distraído com alguma coisa...
     
  14. Deriel

    Deriel Administrador

    :blabla:

    Já foi comprovado falso dezenas de milhares de vezes.
     
  15. Lordpas

    Lordpas Le Pastie de la Bourgeoisie

  16. Deriel

    Deriel Administrador

    Não precisamos nem ler o texto pra pensar em perguntinhas capciosas:

    * antes da descoberta de Urano (1781), Netuno (1846) e Plutão (1931) todos os horóscopo feitos por milhares de anos eram incorretos?
    * pq o momento do nascimento e não o da concepção importa? Devemos todoas buscar a cesariana como modo seguro de melhor o futuro de nossos filhos?
    * pq astros cuja gravidade influenciam muito mais a Terra não constam no zodíaco?
     
  17. Logan Mcloud

    Logan Mcloud Usuário

    a massa do hospital no qual q criança nasceu interfere mais em sua vida q a massa de urano....



    Dwarf
     
  18. Lord Seth

    Lord Seth Banned

    Sinceridade?
    Na boa mesmo?

    O Zodíaco faz parte de uma Tradição Sagrada e que remonta aos tempos esquecidos da humanidade (não estou sendo dramático, estou falando sério).

    O Zodíaco vela uma série de significados que, infelizmente, foram sendo distorcidos e deturpados no decorrer dos milênios.

    O Conhecimento Sagrado da Humanidade, e que o Zodíaco representa, ainda que de maneira tosca e distorcida, já definiu a milhares de anos atrás que nosso Sistema tem DOZE planetas.
    Já foram "descobertos" 10 planetas, faltam só 2.

    Os dois momentos importam. Mas quando o ser humano desprende-se carnalmente da mãe ha um rompimento energético que se correlaciona às influências astro-físicas planetárias.

    O futuro se define no Hoje.

    Porque o Zodíaco leva em conta os astros planetários e não os lunares, e a gravidade é apenas um dos muitos fatores a serem levados em conta.

    É um erro achar que o Zodíaco de jornal ou praticado por picaretas e auto-didatas tenha algum tipo de serventia ou valor.

    Porém, quando se faz um estudo zodiacal sério...

    Muita coisa é revelada.
     
  19. Deriel

    Deriel Administrador

    Jesus, quanta besteira :lol::lol::lol:

    A parte dos "astros lunares" é especialmente divertida :lol::lol:
     
  20. Cain

    Cain Usuário

    Parabéns, Lord Seth, sarcasmo de altíssimo nível.
     

Compartilhar