1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

William Somerset Maugham

Tópico em 'Autores Estrangeiros' iniciado por Lucas_Deschain, 29 Jul 2010.

  1. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=center][size=medium]William Somerset Maugham (1874-1965)[/size][/align]

    [align=center]
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    [/align]

    [align=justify]
    William Somerset Maugham nasceu em 25 de janeiro de 1874, em Paris (França). Sua infância foi difícil: gago, ficou órfão aos 10 anos, sendo criado por um tio em Canterbury (Inglaterra).
    Maugham cursou a faculdade de medicina em Londres. Sua experiência como médico foi transposta para o primeiro romance, Liza, A Pecadora (1897). Embora tenha tido pouco sucesso, Maugham abandona a medicina para dedicar-se à literatura.
    Depois de viajar por Itália e Espanha, ele consegue o reconhecimento em 1908, com quatro peças teatrais simultaneamente em cartaz em Londres. Em 1915, lança o romance semi-autobiográfico Servidão Humana.
    Durante a Primeira Guerra Mundial (1914-18), Maugham trabalha como agente secreto. Em 1928, publica Ashenden, baseado nessas atividades. Vivia então em Cape Ferrat, na Riviera francesa. Durante a Segunda Guerra (1939-45), muda-se para os Estados Unidos --várias de suas obras serão filmadas em Hollywood. Volta para a França após o fim da guerra e morre em 16 de dezembro de 1965, em Nice.
    Somerset Maugham é o autor de Histórias dos Mares do Sul (1921), Antes do Amanhecer (1942) e O Fio da Navalha (1944), entre muitos outros livros. [/align]

    Fonte: http://educacao.uol.com.br/biografias/ult1789u134.jhtm

    [align=justify]Faz tempo que encaro O Fio da Navalha e tenho vontade de pegar para ler. É um dos grandes autores, desses que figuram nas coleções de clássicos e imortais da Literatura Mundial. Alguém que já leu se dispõe a falar algo sobre ele?[/align]
     
  2. Gigio

    Gigio Usuário

    Gostei muito dos livros do Maugham que li, "A Servidão Humana" e "O Fio da Navalha".

    "A Servidão Humana" relata um longo período da vida do personagem central, Philip, começando com o momento em que perde a mãe, fica órfão e passa à tutela dos tios, aos 9 anos, indo até algo próximo dos seus 30 anos. É considerado, portanto, um romance de formação. Para mim, duas coisas foram mais marcantes. A primeira é a orientação de boa parte da juventude de Philip, uma busca contínua por algo que realmente tenha sentido na vida. Ele experimenta, ganha confiança, depois desanima... O tempo todo ele está reescrevendo sua visão de si. E a segunda, a parte em que ele se envolve com uma garota e fica completamente transtornado por ela. É um excelente relato sobre os efeitos da paixão.

    "O Fio da Navalha" fala de Larry, um jovem que perde completamente o contato com a vida ordinária depois de suas experiências na Primeira Guerra. Ele não consegue mais se adaptar, e parte em uma busca por respostas quanto à situação humana, que o levam a um longo período na Índia. A história é contada do ponto de vista de um personagem secundário, que conhece Larry na época da guerra e, mais tarde, um Larry totalmente transformado pelos anos no Oriente.
     
  3. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Ufa Gigio, obrigado por responder, achei que ninguém ia falar nada de todos esses tópicos que criei aqui nos Autores Estrangeiros, hehe. E como sempre com posts extremamente informativos, de conteúdo muito bom. Legal saber que O Fio da Navalha trata da Primeira Guerra Mundial (embora não diretamente), que é um dos meus eventos históricos prediletos, inclusive conheço poucos livros que falam sobre as cicatrizes desse conflito, de cabeça agora me lembro do Nada de Novo no Front, do Erich Maria Remarque e Adeus às Armas, do Hemingway. Certamente depois dessa dica a obra vai subir algumas posições na minha lista de prioridade de leitura.[/align]
     

Compartilhar