1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Week-end na Guatemala (Miguel Ángel Astúrias)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Lucas_Deschain, 16 Out 2010.

  1. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Week-end na Guatemala é um livro escrito em 1956 pelo guatemalteco Miguel Angel Astúrias, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1967. A obra é formada por oito contos, com personagens e tramas diferentes e que são independentes uns dos outros.

    Para compreender o livro é preciso levar em consideração o contexto histórico em que Astúrias viveu e no qual a Guatemala estava inserida. Depois de diversos governos autoritários e conservadores, em 1944, uma junta comandada por Arévalo e Arbenz consegue subir ao poder, derrubando o general Jorge Ubico, que estava no poder desde 1931. Esse processo é chamado por alguns autores de Revolução de Outubro de 44, em referência a revolução Soviética.[/align]

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Você pode encontrar a primeira parte dessa resenha
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .

    O quinto conto do livro é intitulado O Boizão e retrata a luta pelas terras, uma constante reivindicação nas lutas camponesas tão recorrentes do cenário latino-americana dessa época e também de todo o período que sucede à chegada dos espanhóis. Porém, a relação que os “nativos” tem com a terra é mais profunda do que a mera produção econômica, e faz parte dos próprios ritos e crenças dos antepassados maias em suas ricas lendas e cultura, temática estudada por Astúrias ao traduzir o Popol Vuh ou ao reunir histórias da mitologia quiché em Leyendas da Guatemala (1930).

    A exploração da Frutera ignora essa relação dos homens com a terra e as tira cruelmente para servir a seus interesses econômicos, monopolizando a economia guatemalteca e gerando graves desdobramentos para as populações, alijadas do espaço necessário para a subsistência e que não raro se indignam e oferecem resistência, prontamente reprimida pelo longo braço norte-americano.[/align]

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar