1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Volta ao mundo com verba pública

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Anica, 17 Abr 2009.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Continua aqui -> http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/vidapublica/conteudo.phtml?tl=1&id=877990&tit=Volta-ao-mundo-com-verba-publica

    ***

    Eu não sei sobre vocês, mas fico aqui fazendo minhas contas sobre a grana que esses políticos de merda torram com coisas como essa (ou aquela das ligações de celular, por exemplo), e não tem como não ficar revoltada.

    Para que pagamos imposto? Para bancar viagem da família de um filho da mãe para a europa? É muita falcatrua. MUITA.

    O pior é pensar que nem adianta "não votar nesse ladrão no ano que vem", porque se ele não ganha, vem outro ladrão no lugar dele. Pqp, que sistema cretino que nós temos. =(
     
  2. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    "[...] Na época das viagens, o deputado era o segundo vice-presidente da Câmara. Por isso recebeu uma verba extra de 13.116,21 na sua cota de passagens, a qual varia entre R$ 4.075,72 e R$ 18.737,44, de acordo com o estado de origem de cada deputado.

    :susto:


    Acho que essa é uma das razões pra quantidade de tranqueira que se candidata a deputado, só pra levar essas "vantagens".
    De trabalhar, fazer políticas públicas decentes, poucos querem saber.
    Pouquissimos pra um país do tamanho do nosso (e com os problemas que tem).

    E aquela velha história continua, os eleitores precisam saber quem é seu deputado(a), o que ele(a) está fazendo (ou não fazendo), mesmo que você não tenha votado nele, mesmo que você não queira ou não tenha tempo de enviar e-mails com cobranças e tals.
    Saiba quem ele(a) é, e se não estiver andando na linha, não vote mais no FDP.
    Mas muita gente nem sabe em quem votou, nem mesmo pra presidente.
    É só fazer uma enquete perguntando pra pessoas próximas em quem elas votaram pra presidente. Garanto que a maioria vai dizer que NÃO votou no Lula (não sei como o cara foi reeleito :rolleyes: ) e se você perguntar depois: "então em quem você votou?", com certeza ela não vai lembrar.
    Ou então vai dizer que foi no "Fernando Henrique" ou "naquele careca lá" ! :rofl:
    Eleições também é cultura. :sim:
     
  3. Izze.

    Izze. What? o.O

    E a coisa tende a ser assim pra SEMPRE.

    Afinal, pra que trabalhar honestamente se sem fazer isso tu consegue essas regalias? Assim meu lado egoísta quer ser político também!
     
  4. Breno C.

    Breno C. Usuário

    Eu tive um professor que quando me escutou falar essa frase sobre o sistema, foi perfeito na resposta: "O sistema é perfeito, ele é uma máquina. O problemas são os operadores, porque esses são humanos."

    Não sei mais se eu deveria ficar muito puto ou simplesmente achar banal os representantes públicos com suas fraucatuas. Meu lado ideológico vive batendo cabeça no muro e me dizendo que ainda dá tempo de mudar, que o ser humano tem redenção e que juntos vamos construir uma sociedade melhor, porém o lado realista também é o pratico e apenas grita "se não pode contra, una-se a eles".
     
  5. Anica

    Anica Usuário

    Eu observei (pelo menos pelo que ouço em época de eleição, não tenho dados oficiais nem nada) que para deputado, senador e vereador pessoal vota ou em rosto conhecido (por exemplo, "O Filho do Ratinho", "O cara daquele programa do sbt", etc.") ou na legenda. Eu já votei na legenda trocentas vezes, e acabava achando que não tinha que me sentir culpada pelos pilantras que estão aí, mas cheguei a conclusão de que sou mais ainda. Tinha que começar uma campanha não como aquela sobre votar nulo (pq aquilo é lenda urbana), mas para pararmos de votar na legenda, pq aí não damos nomes aos bois. Ou, o que é pior, mesmo com toda a questão da fidelidade partidária, "os bois" mudam de pastagens.

    Isso que não levantei a bola do "votar de sacanagem", que muitas pessoas fazem. Naquele esquema "já é tão ruim que não tem como estragar", pegam o candidato mais tosco e votam nele. Às vezes o tiro sai pela culatra e o candidato ganha, tipo o Clodovil, que mesmo tendo falecido recentemente não faz dele nenhum exemplo de político ideal.

    É aquela história sobre o poder corromper (mesmo quando é um pequeno poder). Fico pensando principalmente no PT, que por anos e anos ficou apontando falcatruas dos candidatos então na situação (pq vamos lá, a falcatrua não começou agora, não vamos esquecer dos jardins da Dinda, por exemplo) e aí você pensa que quando eles estivessem no poder fariam diferente, mas necas. Da história das passagens aéreas, até o Gabeira apareceu envolvido.

    Sim, entra no que comentei com a Izze ali. Mas eu não consigo deixar de pensar "E nos lugares em que o sistema funciona?" Lá são humanos que o operam também. O problema é que o nosso sistema não é adequado para brasileiros, que querem sempre ser os mais espertos, sempre darem "um jeitinho", sempre se dar bem. Eu não esperava uma máquina perfeita, esperava apenas que se fosse existir roubos e desvios de verbas, pelo menos não estivéssemos na situação que estamos. Um país tão desequilibrado sócio e economicamente com tanta ladroagem é simplesmente mais revoltante.

    Una-se a eles? Virar político e roubar também?
    Eu sei que o se revoltar é um tanto quanto inútil, mas não piorar (ou seja, não alimentar esse processo) me parece o mais lógico a se fazer.
     
  6. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium


    Eu estava pensando nisso, que os políticos que não alimentam esse processo, que não entram no esquema devem ser excluídos e ficar isolados dos outros.
    Parece que foi isso que aconteceu com a deputada Sonia Francine, aqui na cidade de São Paulo.
    Mas isso não é nem de longe desculpa!
    Afinal a pessoa foi eleita pra fazer aquele trabalho e nem tem que vir com campanha do tipo "sou honesto", tem que mostrar o que fez e o que quer fazer caramba!
    É óbvio que se espera que todos sejam honestos, isso não deveria ser visto como "um plus a mais" (como diria a Xuxa :lol: ) na carreira do político.
    Já pensou você ir procurar emprego e quando perguntarem suas qualificações você dizer "Eu sou honesto(a)! Nunca roubei nenhuma empresa na qual trabalhei." ?
    Mas as coisas andam de tal maneira que levantam isso como uma bandeira ou cai naquela frase imbecil "rouba mas faz".

    Nossa, isso é horrível!
    Pessoas jovens e (eu considerava) sensatas fizeram isso nas últimas eleições, e usaram essa mesma frase que você escreveu... e votaram no Clodovil... :susto:
    Essas coisas me dão um desânimo, uma vontade de não saber de mais nada, de entrar pra TFP ou virar Hare Krishna... :gira:
     
  7. Breno C.

    Breno C. Usuário

    O problema é que o sistema não funciona em lugar nenhum, justamente por ter humanos fazendo a manutenção. Tenho contato com pessoas em 4 continentes diferentes e poucas vezes as reclamações diferem das nossas, no caso apenas a freqüência e qualidade da reclamação.

    A verdade (pelo menos a minha verdade) é que não existe e nem nunca vai existir uma possibilidade da máquina (os sistema de regras e leis) funcionar de forma perfeita, porque humanos sempre acabam sendo passionais e cometendo erros devido aos julgamentos baseados nos interesses pessoais (levar a família para a Disney sem gastar nada).

    Sei que é um pouco de viagem, mas esse problema de "o erro está na humanidade (leia como fator, não a massa)" aparece no Matrix. Quando as máquinas (programas) passam a adquirir "emoções", elas começam a sair da Matrix ou a querer apenas viver, sendo que o destino de uma máquina é findado quando ela se torna obsoleta.

    Colocando esse ultimo parágrafo no contexto: se houvesse uma forma de governo regido por seres (qualquer coisa digital ou biológica) que tem um senso de julgamento social perfeito, ai sim o sistema funcionaria, independente da condição dos regidos por ele (brasileiros, chineses, holandeses etc). No dia em que tivermos uma máquina registradora no lugar do presidente e dos ministros, as contas sempre vão fechar em perfeito equilibro.

    Mas tudo isso é um utopia fodida.

    Já tive algumas oportunidades de me unir a eles e juro que pensei várias vezes antes de dizer "não obrigada, não quero ser seu acessor, tenho só 16 anos". Não sei se hoje em dia aceitaria, mas é sempre uma coisa a se pensar, sempre tem concurso publico.
     
  8. Breno C.

    Breno C. Usuário

    É uma inversão de valores e funciona assim:
    O errado é cometido tantas vezes que o certo passa a ser uma exceção, sendo tratado como um "plus a mais" nas avaliações em conjunto.
    Não concordo, mas acho que nunca foi requisito para um representante publico ser honesto (aquele caso sobre relação sentimental e condicionamento). Tem muito político que deixa de ser "honesto" porque o meio é corruptível. "se você não roubar junto, vai te acontecer algo ruim" funciona muito para comprar as pessoas.
     

Compartilhar