1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

vodca

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Luciano R. M., 2 Mar 2011.

  1. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    eu estava sozinho em
    meio a neve e sentia sua
    falta. comprei
    uma garrafa de
    vodca com seu nome
    escrito
    no rótulo. agora
    estou sozinho
    em meio a neve e
    ainda sinto a sua
    falta.
     
  2. Vinnie

    Vinnie Usuário

    kkk... humor.


    Natasha... mas podia ser Rebeca. :happyt:



    Como cada isso nos lembra um aquilo - já dizia o poeta, olha aí.... do fabuloso André Dahmer:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  3. Tayana

    Tayana Usuário

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Luciano, muito massa...
     
  4. imported_Cabal

    imported_Cabal O Poeta Aprendiz

    As poesias do Luciano são fodas, gosto muito de todas.
     
  5. Fluo

    Fluo Banned

    Muito bom.
     
  6. Matheus Spier

    Matheus Spier Usuário

    Gostei muito desse poema: muito simples, mas muito real.

    Até me lembrou daquele poema do chinês Li Po "bebendo sozinho com a lua" (catei uma tradução no Google):

    De um pote de vinho entre as flores,
    Bebo solitário. Ninguém me acompanha...

    Até que, erguendo minha taça, pedi à lua brilhante
    Para trazer-me minha sombra e para que fizéssemos três.

    Ai de mim, a lua era incapaz de beber
    E minha sombra me acompanhava despreocupada;

    Mas ainda por um momento tive dois amigos
    Para me alegrarem já no fim da primavera...

    Cantei. A lua me encorajava.
    Dancei. Minha sombra espojava-se no chão.

    Tanto quanto me lembro fomos bons companheiros.
    E depois fiquei bêbado e nos perdemos um do outro.
    ... A boa vontade deverá ser sempre mantida?

    Fiquei olhando a longa estrada do Rio das Estrelas.


    Muito bom seu poema.
     

Compartilhar