1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Virando a mesa - Capítulo 1

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Anne, 23 Mai 2009.

  1. Anne

    Anne Visitante

    [size=medium]Virando a mesa[/size]


    Capítulo 1


    Esgotada. Era assim que eu me sentia. Exaurida de estar naquele trabalho, saturada de pessoas desinformadas que acreditam que gritar faz bem às cordas vocais. Milhões de telefonemas, mas nenhum exigindo minha ausência daquele escritório infernal. Um dos meus sonhos era sentar no meio daquela pilha de relatórios e pessoas correndo adoidadas, e fazer as palavras cruzadas da minha Coquetel.
    A única coisa que você via ao entrar na sala era um quadro daqueles do tempo da vovó, pendurado, de uma maneira bastante torta, numa parede; um armário escancarado, de onde saíam coisas que cabem à imaginação de cada um decidir o que era e uma mesa, com milhares de folhas empilhadas em várias colunas. E, de repente, surgia dali de trás uma pequeninha cara gorda avermelhada. Caro leitor, apresento-lhe, eu mesma. A mulher da cara gorda e avermelhada que passa o dia inteiro tentando diminuir, com insucesso, aquela pilha à sua frente para ver se consegue enxergar a cor da calça de quem entra naquele escritório.
    Eu nem sempre fui vermelha, apenas gorda. Isso eu sou desde criança. A gordura excessiva foi, com o tempo, se amenizando, mas resolveu permanecer no meu rosto. Não que ele fosse feio. Era gordo. Meu corpo até que é bonitinho, mas ninguém o via atrás daquela mesa. E o avermelhado do meu rosto é conseqüência da sala abafada, na qual sou obrigada a passar o dia.
    Minha esperança sempre foi que alguém, um dia, fosse me tirar dali. Que me levasse para um lugar longe daquele inferno, onde eu pudesse ter uma vida mais tranqüila. Não que eu não gostasse de uma agitação. Mas eu também gostava de ver as calças que as pessoas estavam usando.
    Eu não tinha coragem suficiente para sair desse emprego, talvez eu tivesse capacidade de conseguir coisa melhor para minha vida, mas eu tinha muito medo de o pior acontecer. Muitas das contas da minha casa era responsabilidade minha, se eu perdesse o emprego, correria o risco de perder minha família também. As únicas que tinham um emprego fixo eram minha mãe e eu. Meu pai sempre foi um bêbado que viveu à custa da minha pobre mãe, que sempre achou ele um marido ótimo até cair no vício. Sem falar no meu irmão, que já devia há muito estar trabalhando, mas, pelo que vejo, acabará seguindo a carreira do nosso pai.
    Sentia-me ignorada ali. O fluxo de pessoas era grande, mas ninguém se interessava se eu estava bem ou se precisava de alguma coisa, na verdade, estavam todos preocupados em me deixar muito mais trabalho. Pelo menos, eu tinha um tempo durante o almoço pra relaxar. Aproveitava o tempo para ler uma revista, pintar as unhas, repor a maquiagem e espremer espinhas, que não eram poucas. Meu rosto ficava todo marcado por causa das minhas unhas, mas ninguém estava aí do mesmo. Então, o que de mal tinha nisso?
    Assim que concluía minhas tarefas e o expediente chegava ao fim, levantava-me da cadeira pela primeira vez naquele dia. Dirigia-me até a porta e voltava-me para a mesa, tudo parecia intacto, apesar de ter trabalhado feito uma delinqüente naquele dia. Desanimada, desligava a luz e saía porta a fora.
    Atravessando o corredor, via as pessoas descontraídas, combinando festas e jantares, dando boas risadas. Mas ninguém me percebia ali, era insignificante para todas aquelas pessoas. Minha vida tornara-se monótona e observar o outro feliz me partia o coração.
    Assim que saía da empresa, atravessava a rua e seguia em direção à minha casa. O caminho não era longo, aproveitava esse curto espaço de tempo entre um inferno e outro, para respirar um ar puro. Isso mesmo, minha casa era tão insuportável quanto meu emprego.
    Eu sempre sonhei com uma família feliz, onde a mamãe preparava a comida e todos esperavam comportadinhos à mesa. Depois cada um colocava o seu prato para lavar. Então, todos dirigiam-se à sala e sentavam-se juntos num mesmo sofá e cantavam acompanhados do violão entoado por papai.
    Vendo minha família hoje, posso afirmar, com toda a certeza, que alguma coisa deu errado durante o processo de sua formação.



    ~8~8~8~8~8~8~8~8~~8~8~88~8~8~8~8~8~8~8~8~8
    Assim que terminar de escrever, posto o segundo capítulo. Gostaria que deixassem algum comentário sobre o texto, me falando em que posso melhorar e, se pode-se considerar um texto interessante. Obrigada! :tchauzim:
     
  2. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    bem, vc pediu comentários, então agora aguente o tranco, ho ho ho ho (risada macabra)

    pelo q pude perceber em seu texto, vc é relativamente nova nesse negócio de escrever, certo? faz qto tempo q o vírus da escrita te infectou? indiferente do tempo, uma dica básica é, sempre continue escrevendo, pois o seu texto de amanhã vai ser melhor q o de hj, e assim sucessivamente. somente com a prática vc chegará a perfeição.

    outra coisa, vc postou o mesmo tópico duas vezes, mas só um dos moderadores pode apagar um deles. isso geralmente acontece qdo vc clica no botão publicar e a página dá um erro, seja por sobrecarga no site ou por lentidão na conexão. antes de recarregar a pg ou postar dnv, olhe na seção se o seu post já ñ aparece por lá. vai evitar duplicidades q podem ser consideradas flood, e vc perderá pontos aqui.

    agora, qto ao texto, a melhor sugestão é vc se colocar no lugar do leitor. a primeira coisa q vc vê num texto é a formatação dele. se for um amontoado de palavras sem espaços para os parágrafos nem alinhamentos q o deixem visualmente apresentáveis, provavelmente só vc vai lê-lo. experimente comparar um dos posts q eu escrevi (só como base) com este seu e veja a diferença visual entre eles. isso ñ é algo difícil de se alcançar.

    outra coisa q todo leitor quer: algo q chame a atenção, q faça ele ficar preso no texto até chegar no final, q ñ consiga parar de ler. enfim, ele quer q vc hiptonize ele. para isso, use e abuse de recursos q existem na sua vida, seja o humor, o suspense, a filosofia de vida, o drama. para q alguém fique interessado em ler mais, vc precisa saber de algumas técnicas chamadas "ganchos", q volta e meia aparecem no texto.

    e ñ esqueça da ação. história = ação. sem ação, tudo fica chato e vc ñ quer q o seu texto seja sonífero, certo? notei q faltou um arremate no finalzinho do seu conto, oq vc poderia colocar q mudaria a vida chata da protagonista? ela acha uma maleta cheia de dólares? ela descobre um documento com informações sobre um atentado terrorista? ela decide mudar de vida e manda o chefe às favas? ñ, ela só vai pra casa se lamentando. perecebeu oq eu quero dizer? abuse da sua história pra ela ficar interessante.

    por último, tente começar por textos pequenos, antes de partir para maiores. mesmo q estes textos tenham sempre a mesma personagem, eles precisam ter começo, meio e fim. se vc colocar um "capítulo 1" na frente, pode desistimular um leitor q não conhece os seus escritos ou q ñ gosta de sequências. as sequências sempre são mais difíceis q os textos solo.

    e lembre-se do mais importante, para receber comentários em seus textos, seja solidária, comente nos textos dos outros tb. assim vc poderá ver como outros escrevem e ñ precisará ficar pedindo q o pessoal comente. os comentários virão naturalmente e por gosto próprio do leitor.
     
  3. Anne

    Anne Visitante

    Obrigada JLM!
     
  4. Thorondir

    Thorondir Usuário

    Uma dica (que serve para todos que escrevem): liberem seus cupins literários. Remova o máximo possível de palavras desnecessárias (isso não é tirar a essência, veja bem, é só polir o grosso).

    Por exemplo: "pendurado, de uma maneira bastante torta, numa parede". Se o quadro está pendurado, você poderia omitir o 'numa parede', já que é o primeiro lugar onde penduraríamos um quadro.

    Outra dica: revise bastante antes de postar. Passaram alguns errinhos bobos, como esse de concordância: "Muitas das contas da minha casa era responsabilidade".
     
  5. Thorondir

    Thorondir Usuário

    Desculpe o flood, mas seria legal uma resposta! :)
     
  6. imported_Elektra

    imported_Elektra Usuário

    Fiquei curiosa para saber o que ela fez para mudar de vida. Concordo com o JLM quanto à ação :sim:
     
  7. Anne

    Anne Visitante

    Desculpa por não responder logo Tauil. Achei bastante válida as suas observações quanto ao meu texto, obrigada pela postagem.

    E Elektra obrigada pela postagem também. A continuação está no Virando a Mesa - Final, como você mesma já leu.
     

Compartilhar