1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Vergonha (Salman Rushdie)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Luciano R. M., 7 Dez 2010.

  1. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    Omar Khayam Shakil é um medico gordo e pervertido, filho de três mães e um pai desconhecido. Quando criança suas mães disseram que ele nunca deveria sentir vergonha, e assim ele fez, por toda sua vida. Por muito tempo foi o melhor amigo de Iskander Harappa, um playboy milionário. Harappa, no entanto, depois de quase morrer, torna-se um homem correto e o severo líder da nação, botando Shakil para correr. Shakil acaba tornando-se amigo e genro de Raza Hyder, um homem extremamente religioso que sofreu humilhação atrás de humilhação, e nutre um amargo rancor por Iskander. A filha mais velha de Hyder, Sufiya Zinobia, chamada de 'Vergonha' por sua mãe, a orgulhosa Bilquis, é a esposa de Omar. Ela é deficiente mental, devido a uma encefalite na infância, e, no que tange a vergonha, está no extremo oposto de seu marido: ela assumiu o papel de encarnação da vergonha que lhe foi legado pela mãe, corando de modo quase inacreditável com o mínimo olhar que recebe, e, acabando por ser possuída por esse sentimento, como se fosse possúida por um demônio.

    Juntam-se esses personagens aos primórdios da história do Paquistão e notícias sobre jovens paquistanesas mortas na Inglaterra pelo próprio pai; o resultado é o conto de fadas político e moral do escritor indiano Salman Rushidie: 'Vergonha', recém-lançado pela Companhia das Letras.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Izze.

    Izze. What? o.O

    Os vários atos que definem a palavra “vergonha” estão presentes no livro que leva esse sentimento como nome. Desonra, humilhação, afronta, timidez, vexame. Tudo isso ligado a um jovem país, que poderia ser o Paquistão, mas não, é um lugar fictício, fruto de uma mente fantasiosa. A mente de Salman Rushdie, que publicou em 1983 o livro Vergonha, o sentimento que faz as pessoas corarem e abaixarem a cabeça perante leis, crenças e comportamentos rechaçados pela cultura ocidental. Em nova edição lançada ano passado pela Companhia das Letras, o romance que mistura política à fantasia esmiúça a vergonha de seus personagens, mostrando que dela surge uma fúria impossível de ser controlada.

    O romance engloba a história das famílias de Iskander Harappa e Raza Hyder, que nos primórdios desse país fictício disputam o seu comando. Mas os verdadeiros protagonistas são Sufiya Zinobia Hyder, uma jovem rejeitada pelos pais por nascer mulher e com retardamento mental, que carrega dentro de seu corpo toda a vergonha da família, e seu marido, Omar Khayyam, médico criado por três mães sem religião, posição política e acanhamento. Uma relação estranha que envolve pessoas tão diferentes uma da outra, onde a mocinha encarna a fera e um pervertido assume o papel de heroi.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar