1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Vereadores atribuem ao eleitor e ao "sistema" problemas da Câmara

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 5 Ago 2012.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Os 55 vereadores paulistanos iniciaram na quarta-feira passada os últimos cinco meses de trabalho na Câmara Municipal. Após quase quatro anos de mandato, eles chegaram até aqui com o saldo de 672 homenagens a personagens ilustres, como Neymar, batismos de ruas e novas datas no calendário, como o Dia do Profissional de Dança.

    Essa massa corresponde a mais de 80% das ideias dos atuais vereadores que se tornaram lei de 2009 para cá. Já as criações de normas, como a restrição ao uso de celular em agências bancárias, representam apenas 11% da produção. Essa disparidade, na avaliação de cientistas políticos e dos próprios vereadores, é resultado do misto de antigos vícios da Casa e da falta de cobrança dos eleitores.

    Ao todo, com o atual quadro de vereadores, a Câmara aprovou 950 projetos, sendo que 85% deles partiram dos parlamentares que hoje ocupam o Palácio Anchieta, segundo levantamento feito pela sãopaulo. As demais propostas nasceram na prefeitura.

    Coletivamente, parlamentares redigiram 38 novos textos, como o fim das sacolinhas nos supermercados --hoje questionada na Justiça--, a instituição da Ficha Limpa para servidores do governo e a entrega da medalha Anchieta ao candidato petista à prefeitura, Fernando Haddad.

    Sozinhos, criaram outros 771. É aí que se sobressaem os batismos de praças e escolas, a entrega de títulos a famosos e anônimos e a instituição de dias em memória de fatos históricos ou em reconhecimento a profissionais.

    São esses mesmos vereadores que agora tentam se reeleger para mais um mandato --52 dos 55 são candidatos.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O presidente da Câmara, José Police Neto (PSD), defende os projetos de denominação de vias.
    afirma.

    O cientista político Marco Antônio Teixeira, professor da FGV (Fundação Getulio Vargas), pondera.
    diz ele.
    De janeiro de 2009 a junho deste ano, os vereadores aprovaram 141 projetos elaborados pela prefeitura. Há entre eles, sobretudo, leis que reajustaram o salário de servidores, cederam terrenos ou provocaram alterações na estrutura do governo municipal.

    Os de maior repercussão são os de isenção fiscal do estádio do Corinthians, o Itaquerão, na zona leste, a concessão urbanística do projeto Nova Luz e o aumento salarial do prefeito, dos secretários e dos subprefeitos.

    Para o historiador Marco Antonio Villa, professor da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), a Câmara paulistana perdeu a capacidade de legislar e de vigiar a prefeitura.
    Segundo o vereador Carlos Apolinario (PMDB), essa tradição vem desde a época em que Marta Suplicy (PT) era prefeita (2001-2004). Além disso, completa ele, a Casa acostumou-se a votar projetos que não causam polêmica.
    Os vereadores elencam de limitações na lei à resistência da prefeitura para justificar o fato de os projetos mais sérios saírem do Executivo.
    diz Floriano Pesaro (PSDB).

    Assim como ele, 43 parlamentares assinaram ao longo do mandato leis que adicionaram novas datas no calendário oficial.
    afirma o tucano.
    Campeão em homenagens, com 18 projetos aprovados, Eliseu Gabriel (PSB) diz que essa é uma demanda da população e aponta a prefeitura como um dos entraves para a criação de leis mais sérias, pois cabe ao prefeito sancioná-la depois de ela ser aprovada no Legislativo.
    Assim, completa o vereador petista Carlos Neder, resta aprovar os de "baixo impacto, que não criam problemas". A consequência dessa prática, acrescenta ele, é o empobrecimento dos debates na Casa.

    Ex-presidente da Câmara e um dos vereadores mais antigos em atividade, Roberto Tripoli (PV) afirma que a mudança do perfil dos vereadores --um quarto dos 55 está em seu primeiro mandato-- também favoreceu a falta de força do Legislativo.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    A petista Juliana Cardoso integra a lista de novatos --eleita aos 28 anos, é a mais nova da Casa. Ela faz parte da maior bancada da Câmara, do PT, que vota contra o prefeito Kassab, mas não cria grandes dificuldades para ele --o líder do partido, Chico Macena, não atendeu à reportagem.

    A oposição declarada resume-se aos vereadores Aurélio Miguel (PR) e Adilson Amadeu (PTB).
    critica Amadeu.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    A culpa é do eleitor
    Parte dos vereadores transfere ao eleitor a responsabilidade pelos resultados dos últimos quatro anos.
    diz Tripoli.

    A tese de espelho da população é criticada pela cientista política Maria do Socorro Sousa Braga, da UFSCar.
    Além disso, vereadores deixaram a Casa no meio do mandato --10 dos 55 eleitos saíram para ocupar outros cargos.
    acrescenta Marco Antonio Villa. Segundo a historiadora Maria Aparecida de Aquino, professora da USP e do Mackenzie, não deveria fazer parte da boa política a Casa servir de trampolim para outros cargos.

    diz ela. Gabriel Chalita (PMDB), por exemplo, foi eleito em 2008, saiu candidato a deputado federal em 2010 e ganhou. Agora, é candidato a prefeito de São Paulo.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Eliseu Gabriel ressalta que críticas à Câmara acompanham a lógica da mídia.
    diz ele, um dos 17 citados em reportagem de julho de "O Estado de S. Paulo" que mostrou que vereadores recorreram a um servidor para marcar presença no plenário.

    diz Marco Aurélio Cunha, corregedor da Casa e líder do PSD.
    Com o caso, houve mudanças nas regras. Desde quarta, o vereador deve usar o leitor biométrico ou anunciar a presença em voz alta. O equipamento que existia fora do plenário foi removido. Uma sindicância apura o caso.

    Os nove vereadores entrevistados pela sãopaulo concordam que mais mudanças são necessárias.
    afirma Cunha.

    Para a novata Juliana Cardoso, é preciso haver mais cobrança sobre as atividades do vereador.
    A historiadora Maria Aparecida de Aquino ressalta que o foco deve ser o cidadão, e não os interesses dos legisladores.
    Ao eleitor, cabe decidir por essas e outras mudanças em 7 de outubro.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Nessas horas sou sincero e não vou deixar de esconder que "Ainda bem que não moro em Sampa que tem cada lixo de vereador!", mas se eu morasse ficaria com muita raiva e indignação mesmo.

    O número de projetos que são verdadeiramente úteis pra população é baixíssimo. Enquanto que pra dar nome em placa de rua e homenagear quem não merece nunca falta tempo e dinheiro.

    E a culpa disso tudo com certeza é do eleitorado.

    E o que já é ruim ainda ficará pior, pois mais um lixo de vereador facilmente deve se eleger e integrar ao bando a partir do ano que vem

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar