1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Ventos da Libedade (The Wind that Shakes the Barley, 2006)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Melkor- o inimigo da luz, 14 Abr 2007.

  1. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Ventos da Liberdade
    (The Wind That Shakes the Barley, Alemanha, Itália, Espanha, França, Irlanda, Inglat, 2006)


    Títulos Alternativos: Vent se lève, Le / Vento che accarezza l'erba, Il / Viento que agita la cebada, El

    Gênero: Drama, Guerra

    Duração: 127 min.Tipo: Longa-metragem / Colorido

    Distribuidora(s): Califórnia

    Produtora(s): BIM Distribuzione, Bórd Scannán na hÉireann, EMC Produktion, Element Films, Film Coop, Filmstiftung Nordrhein-Westfalen, Matador Pictures, Pathé Distribution, Regent Capital, Sixteen Films Ltd., TV3 Television Network Ireland, Tornasol Films S.A., UK Film Council

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Diretor(es): Ken Loach

    Roteirista(s): Paul Laverty

    Elenco: Cillian Murphy, Padraic Delaney, Liam Cunningham, Gerard Kearney, William Ruane, Kieran Aherne, Roger Allam, Laurence Barry, Sabrina Barry, Frank Bourke, Fergus Burke, Antony Byrne, Tom Charnock, John Crean, Máirtín de Cógáin Estréia: 13.04.2007

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    SINOPSE

    Irlanda, 1920. Trabalhadores do campo e da cidade se unem numa guerrilha armada contra os cruéis ''Black and Tan'', um esquadrão enviado da Inglaterra para impedir os movimentos de independência dos irlandeses. Guiado pelo profundo senso de dever e amor pelo seu país, Damien abandona sua carreira burguesa como médico e junta-se ao seu irmão, Teddy, numa perigosa e violenta luta pela liberdade. Palma de Ouro no Festival de Cannes.

    [fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ]
     
  2. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Vi ontem, achei fantástico. Eu estava com um pé no ônibus, lá na Paulista, e os carros estavam todos parados. Pensei "ok, não quero ficar horas no trânsito". Desci e entrei no Reserva Cultural: resolvi dar uma chance às mais de 2h de filme sobre a independência da Irlanda. Não me arrependi.

    Não só por causa da fotografia e trilha sonora fantásticas. Não só por causa das atuações incríveis. Mas também porque é uma história linda que foi bem retratada.

    A violência invade a vida do protagonista e domina ela de tal forma que os momentos de ternura passam a parecer estranhos até mesmo para nós, depois de um tempo. É tudo muito rápido e, quando você percebe, já está envolvido naquilo tudo. Você já aderiu à causa deles. Você quer libertar a Irlanda do jugo inglês. É muito estranho.

    E você fica o tempo todo se questionando, questionando a violência que você está disposto a usar para se livrar da violência. Eu não teria culhões para isso foi a frase que mais passou pela minha cabeça. Irmãos contra irmãos, amigos contra amigos, amantes contra amantes. Incrível. O limite de repente fica tênue, você não sabe de que lado você está.

    Ah, não sei. Achei tudo tão bonito. Não há proximidade geográfica nenhuma entre mim e a causa irlandesa, mas a proximidade psicológica entre nós dois ficou evidente. Há alguma coisa que liga as lutas por liberdade. Eu não sou um revolucionário, vocês talvez também não sejam, mas esse filme acende alguma coisa dentro de nós.
     
  3. Lupippin

    Lupippin Loki's Army

    Nota 10, mereceu a Palma de Ouro de 2006.
     
  4. Erick Van Pato

    Erick Van Pato Celta ácido que detesta um

    Eu estou louco para ver esse filme.

    Dei bobeira no festival de cinema e não consegui ver, agora só deus sabe quando terei a oportunidade.
     

Compartilhar