1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Velho Bandônion

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Soul Asylum®, 28 Jul 2008.

  1. Soul Asylum®

    Soul Asylum® Usuário

    [size=small]Qual o tempo do cair de uma lágrima?
    Quanto tempo é preciso para partir?
    Qual o tempo do cair da noite?
    Quanto tempo o tempo leva para se extinguir?

    Qual o tempo do cair de uma lágrima?
    É o frio, a noite, a súbita razão da existência...
    Vejo a tv pelo lado de fora através da janela,
    A fumaça do cigarro embassa o vidro.

    Ainda encoberto, mesmo quando a fumaça se dissipa.
    A sombra na parede, à luz contra, falam de mim os
    Contornos que me devastaram;
    E penso: qual o tempo do cair de uma lágrima?

    A barba longa e áspera perpassa a sombra longe e fina,
    Vejo fios passar a linha do meu rosto, inválido e pálido.
    Impalpável, sonolento rio de águas profundas.
    Incubro-me no viés da porta, que se fecha.

    Sinto falta de poemas...
    havia um tempo em que eu os sabia,
    Eram forte presença a implorar direitos dentro de mim,
    A me fazer sonhar em ser quem não sou.
    Presente definitivo.
    Uma chama fraca de azeite de fatigada lamparina.

    Pego o caderno, hesito, tenho medo de não conseguir,
    Abro-o pelo verso. Vejo versos, inúmeros inversos,
    Uma folha, verso. Outra folha. Verso no inverso do meu papel,
    Verso no verso do caderno circuncidado, versosinversos...
    Não quero perder estas idéias que fogem dos olhos.

    Elas dançam no escuro, e meus olhos míopes atordoados,
    Irritadando-as, vão-se embora, numa trama fecundada.

    Uma folha, mais uma folha, outra folha,
    Eclodindo um verso solitário, um menino delirante,
    Embarcado de subjetividade intransigente.
    Versos, tantos versos, Inversamentos versificantes,
    Erros crassos.

    Qual o tempo do cair de uma lágrima?
    A escorrer pelo chão, sem rumo...
    Decai-se em uma valsa crua, eterna,
    Fecho a cortina... incomoda-me o ranger dos trilhos,
    É madruga e faz frio. Aqui dentro de mim.
    Um pavoroso ressoar geado vai-me até a barba.

    Conto os meus passos para junto à cama,
    Qual o tempo do cair de uma lágrima? – penso.
    Meus passos são pesados como nunca antes
    Houveram de ser. São pés-bigorna.

    Versos deixaram de vir, deixaram de querer,
    Versos de inversos, da alma contíguos...
    Versos que se arrastam por entre minada mente,
    Tristonhos e demarcados como a um bandônion
    solitário, depois do fim de um tango desesperado.

    Apago a luz, fecho as cortinas.
    Ante ao meu rosto o quarto volta a dormir.


    [/size]
     
  2. Pupila

    Pupila Usuário

    OLá Soul!!!
    interessante teu poetar!
    Teus versos passaram por várias fases,
    sentiram, não se escreveram...mas
    debruçaram-se
    no olhar...
    beijos poéticos
     
  3. Soul Asylum®

    Soul Asylum® Usuário

    Oi Pupila,

    Pois é, foram várias transições, e ainda continuam.

    Obrigado pelo comentário!
     
  4. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Pensamentos, indagações, e muitas, mas muitas imagens desse teu ato poético, poeta Soul! Muito bom mesmo, perfeito!
     

Compartilhar