1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias Uso de efeitos visuais em Hollywood vai parar na Justiça nos EUA

Tópico em 'Cinema' iniciado por Fúria da cidade, 8 Mar 2018.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O uso da tecnologia MOVA em "O Exterminador do Futuro: Gênesis" Imagem: Reprodução

    A justiça dos Estados Unidos rejeitou o pedido de uma empresa de tecnologia que exigia, entre outros pontos, que os estúdios Disney, Fox e Paramount pagassem direito autoral para o uso de captação de movimentos em grandes filmes como "Guardiões da Galáxia Vol. 2", "Deadpool" e "O Exterminador do Futuro: Gênesis".

    A firma Readen LLC, fundada no Vale do Silício por Steve Perlman, ganhou uma disputa com outras empresas que até virou caso do FBI para patentear a tecnologia MOVA Countour Program, que captura e cria formatos em 3D com o uso de inúmeras câmeras acoplados no ator ou em uma superfície específica. O uso mais conhecido do programa é o de rejuvenescimento de Brad Pitt em "O Curioso Caso de Benjamim Button".

    A Readen alega que as produtoras de Hollywood firmaram contrato com uma das empresas rivais, a Digital Domain, que não poderia licenciar o software, para usar a tecnologia -- caracterizando "roubo" de conteúdo.
    A primeira acusação da empresa, rejeitada pelo juiz federal Jon Tigar, é que a Disney, a Fox e a Paramount deveriam pagar direito autoral, pois o programa pode ser usado por um especialista e independe da ação de diretores e atores.

    O trio poderoso da indústria do cinema respondeu que a influência criativa tanto do elenco quanto do cineasta em uma produção é gigantesca, além de apontarem que, seguindo tal ideia, a Microsoft deveria ser dona de qualquer trabalho escrito no "Word", já que ela criou o software.

    "A Corte dos Estados Unidos não acredita ser plausível que as cenas produzidas pela MOVA são criadas pelo programa sem contribuição substancial de atores e diretores", escreveu o juiz, ainda citando o filme "A Bela e a Fera", que usou o efeito visual para o protagonista Dan Stevens virar a temida criatura.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Brad Pitt em cena de "O Curioso Caso de Benjamin Button" Imagem: Reprodução

    E as derrotas


    Mas nem tudo são flores para Disney e companhia. Segundo o juiz, os estúdios infringiram a lei sobre patentes, mesmo sabendo que era a Readen que detinha o direito legal pelo uso desta tecnologia.
    Para piorar ainda mais, o uso da marca registrada do MOVA creditado pela Disney em "Guardiões da Galáxias" dá margem a entender que a criadora da tecnologia de captura de movimento endossou o filme. Mesma situação foi vista em "Deadpool", da FOX.

    Os estúdios argumentam que o uso da palavra MOVA foi apenas uma descrição de acordo com o que a lei determina. Mas que ficarão mais atentos a isso. O juiz afirmou que o caso vai prosseguir na justiça.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

    Eu confesso que ficaria surpreso se ações na justiça por tecnologia não acontecessem por lá.
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar