1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Uma temporada no inferninho

Tópico em 'Quadrinhos' iniciado por imported_Cabal, 18 Jul 2012.

  1. imported_Cabal

    imported_Cabal O Poeta Aprendiz

    Chester Brown retrata no gibi "Pagando por Sexo" sua decisão de não ter namoradas e se relacionar apenas com prostitutas.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    DIOGO BERCITO - DE SÃO PAULO


    No final dos anos 1990, Chester Brown, 52, é puxado por duas forças concorrentes: o desejo de fazer sexo com frequência e a repulsa à ideia de ter uma namorada.

    Puxa de um lado, puxa do outro, e o quadrinista canadense percebe que há uma solução para o impasse caso ele pague o preço -em dinheiro.

    Brown passou, a partir de então, a se relacionar apenas com garotas de programa.

    "Percebi que não gostava de estar envolvido em relacionamentos românticos", conta à Folha o quadrinista.

    "Parece que você é dono da outra pessoa, e isso me deixava desconfortável."

    A história dessa escolha é relatada no gibi "Pagando por Sexo", lançado no ano passado e editado agora no Brasil pela WMF Martins Fontes.

    Está na HQ o relato de seus encontros com as prostitutas. A ejaculação precoce que teve com Carla, o vazio que sentiu depois de transar com Anne e o sexo desconfortável que fez com Susan.

    As experiências são relatadas em detalhes. De Yvette, por exemplo, pensa: "Antipática, meio feinha, sem sexo oral... Nada de gorjeta".

    A honestidade é uma das marcas da produção de Brown, um dos mais premiados quadrinistas do Canadá.

    Ele é expoente de uma vertente canadense voltada à autobiografia, da qual "Pagando por Sexo" é exemplar.

    Os artistas Joe Matt e Seth, que são retratados no gibi, fazem parte desse grupo. Ao lado de Brown, são chamados de os "três mosqueteiros dos quadrinhos alternativos".

    "Se eu tivesse transformado a história em ficção, estaria me distanciando, dizendo que transar com prostitutas é algo que eu não faria", diz.

    "Eu quis mostrar o quanto essa questão é importante para mim", afirma o artista.

    Assumir-se como personagem e desenhar pessoas reais no gibi teve, porém, o preço do constrangimento.

    Brown conta, por exemplo, que ficou nervoso na hora de mostrar o gibi para quem aparecia nele. "Mas parece que todos gostaram."

    MILITÂNCIA

    Depois de começar a pagar por sexo, Brown tornou-se um militante da descriminalização da prostituição -no Canadá, prostitutas não podem, por lei, receber os clientes em suas próprias casas.

    Para animar a discussão, o gibi traz no apêndice uma sugestão de bibliografia e alguns tópicos para debate.

    O quadrinista foi além do gibi, candidatando-se duas vezes ao Parlamento pelo Partido Libertário do Canadá, do qual tornou-se membro.

    "Esse é o único partido que apoia a descriminalização", afirma, notando que "o governo não deveria regular nenhum tipo de relação sexual, envolvendo ou não dinheiro".

    OPCIONAL

    "Pagando por Sexo" é resultado de uma série de escolhas do artista canadense.

    Mesmo a disposição dos quadrinhos é intencional. A grade fixa de oito cenas por página, incomum, foi um teste de diagramação. "Queria testar o formato", diz Brown.

    Assim como foi uma opção dedicar-se exclusivamente às relações sexuais pagas.

    O gibi retrata diversos dos embates de Brown sobre o tema com seus amigos próximos. Em muitos momentos o quadrinista é criticado, ridicularizado e contestado.

    "Eles hoje reconhecem que o que eu faço funciona para mim, mesmo que não concordem com o ponto de vista."

    "Amar não é comprometer-se num relacionamento de longo prazo sem transar com outras pessoas", afirma.

    Brown mantém, há nove anos, uma relação com a mesma garota de programa.

    "É uma situação muito feliz", afirma o quadrinista. "Ainda estou pagando -sei que ela não faria sexo comigo se eu não a pagasse."
     
  2. Társio

    Társio Usuário

    Que doido. Tinha ouvido falar um pouco desse quadrinho no blog do Allan Sieber. Parece interessante, mas tb acho que deve encher um pouco o saco depois de um tempo. Tipo que nem o Pornopopeia. É legal, estiloso pra caralho, mas após umas páginas vc já não aguenta mais ler sobre gente transando e tomando drogas.
     

Compartilhar