1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Uma Leve Simetria (Rafael Bán Jacobsen)

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por Izze., 6 Dez 2010.

  1. Izze.

    Izze. What? o.O

    Religião e paixão se cruzam e causam um embate na vida de um adolescente. Fiel aos ensinamentos judaicos, Daniel descobre, aos 13 anos, o que era o sentimento que tinha por Pedro, seu melhor amigo. Os olhares carinhosos depositados sobre ele iam além da admiração pelo jovem: caracterizavam o mais puro amor e desejo de compartilhar com Pedrotoda sua vida. A história de Daniel é contada por Rafael Bán Jacobsen no livro Uma Leve Simetria, publicado pela Não Editora. Um relato que guarda uma beleza única e tristeza que ultrapassa as páginas e ligam-se ao próprio leitor.

    Daniel é o que poderíamos chamar de garoto exemplar: órfão desde pequeno e morando sozinho na casa de sua tia, era presença constante na sinagoga da comunidade onde morava. Não ignorava um culto, uma data importante do calendário judaico, e seguia religiosamente os seus mandamentos. Nutria por Pedro uma relação de carinho profundo, o que primeiramente era visto apenas como gratidão por lhe auxiliar em momentos decisivos de sua vida religiosa. Mas Pedro era diferente de Daniel. Não era dado a esse fervor pela religião, era mais aproximado ao esporte, a “coisas de menino”. Daniel admirava essa figura descontraída que via no amigo, por ser alguém diferente, mas felizmente muito próximo.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Terminei de ler o livro, ontem (sim, já é segunda e, DE SEGUNDA EU ENTENDO, GENTE, meu time está voltando para lá), e tenho tanta coisa para dizer, mas ainda não consigo. É mais fácil contemplar o belo do que dizer o porquê de ele ser belo. E, meu Deus, que livro maravilhoso. Mais tarde, depois que eu dormir (se dormir), volto aqui para falar sobre o livro, ok?
     
  3. Nadz

    Nadz Usuário

    uito show... esse livro parece mesmo diferente, interessante.E mesmo que o tema pareça forte... pela resenha foi tratado de forma bastante suave, para sempre nos lembrar que por tras de tudo o que ele sente é amor, como todos deveriamos sentir tbm em alguma fase da vida (ou em todas...)
     
  4. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Lembro de ter reclamado, bastante, por não ter ganhado Uma leve simetria em uma das promoções do Meia. Lembro, também, que a minha decepção se deve ao fato de que eu tinha gostado muito da resenha, e esperava muito da obra. Um dia desses, uma amiga decidiu me presentear com o livro, porque eu tinha falado que queria muito. Então, comecei a ler, e Uma leve simetria é melhor do que eu esperava.

    A proposta do autor em eleger duas diferentes cenas enunciativas para a criação da obra foi bem feita. De um lado temos o desenrolar da amizade entre Daniel (o narrador) e Pedro. Do outro, temos a (re)leitura da relação entre Davi e Jonatã. Uma leitura que foi bem sustentada, nada apelativa; foi "tradutória", eu diria. Mia Couto diz que é um "tradutor de silêncios", acho que Rafael Bán Jacobsen fez isso com a história bíblica. Traduziu um dos silêncios que habita em suas linhas. Ele captou o 'não dito' e o disse de uma maneira bela.

    Como eu já conhecia bastante a historia de Saul, Samuel, Davi e Jonatã, eu já sabia, de certa forma, o que aconteceria na história de Daniel e Pedro. Mas aí entra um dos maiores méritos do Rafael Bán Jacobsen:"o importante não é tanto o que se conta, mas, sim, COMO se conta". Ele conta de uma maneira que partindo da sutileza atinge uma profundidade singular.

    A tragédia anunciada, desde a epígrafe do livro, não impede que o amor ganhe relevo na história. A impossibilidade da realização desse amor só fez com que ele aumentasse mais...
    Gosto de estabelecer uma relação entre a Martha e Saul. Porque, na história de Daniel e Pedro, ela cumpre o papel de "dominadora". O marido dela, que a abandonou, o Samuel (lembra-nos do profeta Samuel, né? Aquele que ungiu a Saul como Rei, mas aquele que também o avisou que Deus havia se afastado dele. Samuel também foi quem Deus usou para a unção de Davi), era considerado MORTO. O profeta Samuel morreu, na história blíblica e talz. Pouco antes de cometer suicídio, Martha foi eleita para a presidencia do conselho; no fim da história, já com 25 anos, Daniel foi eleito o presidente do conselho. Davi sucedeu Saul; Daniel, Martha.
     

Compartilhar