1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Uma Dúzia De Regras De Como Se Comportar Em Uma Taverna

Tópico em 'RPG' iniciado por Skywalker, 26 Ago 2005.

  1. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Traduzido de
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Os personagens provavelmente passarão boa parte do tempo deles em Ptolus em tavernas, restaurantes e lugares assim. Enquanto todos esses estabelecimentos se diferenciam e as atividades dentro deles variam muito dependendo da qualidade do lugar e de sua clientela, pode-se presumir que algumas regras gerais podem ser aplicadas. Muitos desses guias abrangem situações fora da taverna também.

    1. Forma de tratamento:
    Deve-se dirigir a um estranho como "senhor" (ou mestre) ou "senhora" (ou madame). Muitas pessoas consideram ofensivo se dirigir a outros pela raça; dizer "Ei, humano", ou "o que você tem aí, elfo?" é rude. Se dirigir a outrem pela profissão é válido, mas adivinhar incorretamente a vocação de um estranho pode causar problemas. Por sorte, muitos membros das várias guildas da cidade usam símbolos. Se você é familiarizado com alguns destes (uma jogada de Conhecimento [Local] com DC 13 geralmente é suficiente), você pode se dirigir a alguém como "ferreiro", "curtidor", "mago" ou algo do tipo com precisão.

    2. Preços:
    Pechincha é esperada no norte. Negociar é aceitável no Mercado do Sul, mas não em tavernas, restaurantes e outros estabelecimentos. Pague o preço que pedem se quiser beber ou comer.

    3. Protocolo de Tankard:
    Virar a sua caneca vazia de cabeça para baixo no bar ou em sua mesa significa "eu sou mais durão que qualquer um nessa sala". É assim que brigas iniciam.

    4. Brigas de Bar:
    Brigas são desencorajadas na maioria das tavernas, simplesmente devido ao dano que causam à mobília e à interrupção que causam no serviço. A maioria das tavernas possuem uma alameda nos fundos ou algo extraoficialmente designado para onde o taverneiro ou serviçal irá encorajar aqueles que estão prestes a brigar a se dirigir. "Resolvam isso lá nos fundos", diriam.

    5. Não insulte a comida:
    Insultar a comida em um estabelecimento é tomado como um insulto não só pelo proprietário como também por todos os outros clientes.

    6. Gorjeta:
    Gratidão é esperada em todas as tavernas e restaurantes. Dar uma gorjeta muito alta para um servente, entretanto, pode ser tomado por um insulto para o servente ou até para os outros clientes (se perceberem). Também pode causar inveja entre os patrões.

    7. Bebida:
    Não existem leis contra alcoolismo em público em Ptolus. Não existem limites em relação a quanto se pode beber, nem um conceito de responsabilidade se um cliente bêbado comete um crime após ter sido servido em determinada taverna. Entretanto, a Guarda da Cidade sabe muito bem que pessoas bêbadas causam problemas, então eles patrulham de perto áreas próximas a tavernas, particularmente no final da noite, enquanto clientes bêbados cambaleiam para casa.

    8. Drogas e contrabando:
    Enquanto muitas substâncias - como muitas bebidas alcoólicas, por exemplo - são perfeitamente legais em Ptolus, algumas substâncias perigosas ou que afetam a mente são controladas. Um mago que ingeriu drogas alucinógenas pode se tornar um perigo para toda a cidade, e substâncias que causam grande dependência e/ou mortais não servem o bem comum. E então, claro, existe a questão dos impostos. Já que o álcool sofre alta incidência de impostos, alguns criminosos tentam contrabandear para a cidade e vender para tavernas sem reputação para um lucro maior. Isso é chamado de "chute de ladrão".

    9. Jogos de azar:
    Jogos em si não são ilegais. Entretanto, altos impostos sobre os ganhos em jogos significa que a maioria das pessoas que querem jogar jogos de azar o fazem ilegalmente. Essa é a razão do fato de muitas dos locais de jogo da cidade são secretos, e muitos jogos de taverna possuem apostas baixas ou envolvem prêmios não monetários.

    10. Bordéis:
    Prostituição, da mesma forma, não é ilegal, mas a maioria das prostitutas de rua querem evitar pagar impostos. Existe uma certa quantidade de bordéis legais na cidade; os proprietários pagam seus impostos e são tratados em sua maioria como qualquer outro comerciante.

    11. Magias em bares:
    Lançar magias geralmente é proibido em tavernas. Em quase todas (talvez fora Danbury's), qualquer coisa mais poderosa que um truque de prestidigitação ou uma magia lançada por um bardo que entretém para melhorar a sua performance é considerado desagradável e ostentoso na melhor das hipóteses, e ofensivo e insidioso na pior. Uma magia de divinação lançada entre estranhos é uma forma rápida de se começar uma briga - e taverneiros astutos geralmente consideram que uma magia sem eveito visível pode vir a ser uma magia divinatória que invade a privacidade dos outros.

    12. Política e religião:
    Entre amigos, religião não é um assunto proibido, mas pode ser um tópico delicado a ser levantado entre estranhos. Política, por outro lado, não é um assunto que a maioria das pessoas evita, já que não existem muitas opiniões a serem levantadas sobre o assunto. Pode-se facilmente presumir que a maioria dos clientes mantém a crença contraditória de que quem está no poder deve permanecer no poder, mas são corruptos e incompetentes. Pessoas falam sobre a última decisão desonesta e egoísta tomada pelo auto entitulado "Conselho da Moeda", mas nunca sugerem destituir o conselho ou trocar certos membros - não existe nem nunca existiu um mecanismo para fazer nenhuma das duas coisas.
     

Compartilhar