1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Um Soneto para o Cerberus

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Matheus Spier, 18 Out 2012.

  1. Matheus Spier

    Matheus Spier Usuário

    Olá.

    Li um poema de um dos membros do fórum, Cerberus, e gostei muito dele; eis o poema:

    "Que mais fazer, se é noite, e chove, e venta,
    senão beber, ao pé do fogo, o vinho,
    para aquecer-nos e esquecer-nos lenta
    e amargamente um fado tão mesquinho?
    Enchei-me a taça e a boca, moças; vinde
    provar destas efêmeras delícias:
    o álcool e os beijos que vos dou. Um brinde
    ao livre amor! O mais são só malícias…
    Se a árvore é já torta da família,
    murchemo-la de vez, de vinho; e os ramos
    cortemos fracos, hoje, de vigília,
    antes de o fruto podre vir. Bebamos!
    Hei de ir-me co’o crepúsculo e, vampiro,
    sem sol morrer, se o sangue meu prefiro.


    Calib, 22 abril de 2008"


    Pois bem, ao ler esse poema lembrei de um soneto que escrevi certa vez, também relacionado a uma noite onde "chove" e "venta". Eis o poeminha:

    Noites por velho inverno violadas
    Sangram virginais chuvas, choram gelo,
    Despertam poluídas por seu selo:
    A brilhante saliva das geadas.

    Treme o ancião, frágil qual faísca;
    Mendigos fervem sopa nas fogueiras;
    Gatos trocam os céus pelas lareiras;
    Uivam árvores que o vento belisca:

    Eis o mundo que o frio lá fora pinta,
    Mas não nos fere seu reino cruel.
    Beijam-se nossas peles, frutam mel:

    Suor é neste leito a nossa tinta.
    Veria amor, se fosse passarinho,
    Nos nossos lençóis palha pra seu ninho.


    Não é um dos sonetos que mais me deixam orgulhoso, mas mesmo assim gosto muito dele, pois nada é melhor do que estar agarradinho com uma menina bonita, embaixo das cobertas, enquanto lá fora o tempo se desintegra em geada, chuva e vento:timido:.

    Abraço para todos.

    Matheus:traça:
     
  2. Calib

    Calib Visitante

    Se gostou do meu poema, comente lá para dar um "up". :D
    E o botão de "curtir" é de graça.
    :hihihi:
     
  3. Matheus Spier

    Matheus Spier Usuário

    Xá comigo!
     

Compartilhar