1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Trilogia dos Dólares (Sergio Leone)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Lucas_Deschain, 13 Ago 2010.

  1. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Foi lendo A Torre Negra que fiquei sabendo que o filme Três Homens em Conflito havia inspirado a criação não só do universo do Mundo-Médio como também todo o clima de tensão daquele lugar e os personagens. Como bom fã que sou da saga de Roland e seus ka-tet resolvi conferir se o filme era tudo aquilo que o Stephen King falava no prefácio do primeiro volume, O Pistoleiro.
    Confesso que não só o filme citado por King mas também os outros dois que compõem a chamada Trilogia dos Dólares (Por um punhado de dólares [1964], Por uns dólares a mais [1965] e Três Homens em Conflito [1966]) são verdadeiras obras-primas da sétima arte. O primeiro e o segundo não tem tanto reconhecimento quanto o terceiro, e de fato perdem um pouco para o último, mas ainda assim são um excelente ensaio para o que viria a ser o desfecho da trilogia e também o próprio gênero western.[/align]

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Herenvarnon

    Herenvarnon Usuário

    Três Homens em Conflito é fantástico!
    Aquela cena final com os três em pose de duelo no cemitério com a câmera focalizando cada hora um e a ótima trilha do Morricone crescendo, ela é antológica! Deve ser também uma das cenas mais parodiadas da história do cinema.

    Acho que seria legal falar no seu artigo que esses filmes são representantes dos chamados Spaghetti Western. Eram filmes de produção italiana, normalmente de baixo orçamento, mais violentos e que foram responsáveis por subverter um pouco a mitologia do velho-oeste. Os Western Spaghetti, parte intencionalmente e parte pela cultura diferente dos realizadores, eram bem menos politicamente corretos do que os faroestes tradicionais americanos, os mocinhos deixaram de ser os virtuosos e a realidade era mostrada bem mais crua. O seu sucesso levou a industria americana a reavivar o faroeste, que estava bem esquecido na época, e contestar alguns dos seus elementos tradicionais, como o papel dos índios, que antes eram vistos como simples selvagens.
     
  3. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Você está certo Herenvarnon, o Spaghetti Western exagerou aquela "mitologia" do faroeste que existia, ressignificando várias coisas, inclusive aquele maniqueísmo tão recorrente nas produções.
    É fantástico MESMO!
    Daqueles de top10 ou top15. O Clint Eastwood é f*d* bagarai na trilogia inteira, é o tipo grosseirão, brutão, bronco, hehe, em O Estranho sem Nome ele mantém a mesmo postura. É engraçado, ele parece ter um tipo de honradez, mas mesmo assim ele age inescrupulosamente várias vezes. É muito bom!
     
  4. Rodovalho

    Rodovalho Usuário

    Só assisti Três Homens em Conflito dessa trilogia. Comecei pelo final, e pelo melhor, e não conseguirei evitar comparações quando assistir aos outros. Ainda assim, morro de curiosidade de conhecer as origens de Angel Eyes e o resto das aventuras de Blondie. Gosto desses dois porque são caras caladões, do tipo que fazem. Só não sabem vacilar. Ambos são antagônicos, mas as fronteiras do bem e o mal são muito indefinidas e às vezes ambos são apenas uns fugitivos bandidos viralatas e outras vezes eles são espertalhões extremamente carismáticos sem soltar um piu que seja. Farinha do mesmo saco. No entanto, eu sou fã mesmo é do Feio. O Feio é emotivo. O Feio é o injustiçado. O Feio tem senso de humor e ri da desgraça.

    E estava lendo na wikipedia um artigo sobre o Homem Sem Nome. E descobri que Por um Punhado de Dólares é um remake de um filme de samurais do Akira Kurosawa, o Yojimbo. E o Yojimbo é altamente inspirado num romance de 1929, Red Harvest, de Dashiell Hammet.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    E uma última observação: o Mau, do ator Lee Van Cleef, se parece muito com o Seu Madruga, do Chaves, ou é só impressão minha?
     
  5. Gigio

    Gigio Usuário

    Legal o artigo, Lucas. "Três Homens em Conflito" é muito bom mesmo. Não gostava muito de faroestes, associava a algo chato que meu pai assistia na TV enquanto eu gostaria de colocar nos desenhos, mas mudei minha opinião totalmente, mais recentemente, com esse filme.

    Agora por conta do filme, tive vontade de conhecer os livros do King...

    Com certeza! Até no Simpsons já apareceu, não lembro em que episódio... :lol: Mas muitas cenas são fonte frequente de inspiração. Aquela cena do início de "Bastardos Inglórios", por exemplo, tem muito do estilo do Sergio Leone.

    Também tive a mesma impressão... :rofl:
     
  6. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Gigio, os livros da saga d'A Torre Negra são muito bons. Obviamente eles têm lá seus pontos fracos e, levando em consideração que a saga foi escrita em aberto (Stephen King não tinha a mínima noção de onde ia dar toda aquela história que ele tinha criado) a obra consegue manter um nível de coesão muito bom.

    Principalmente no primeiro volume (O Pistoleiro) a relação com esse clássico do western é evidentíssima. Com o seguir da saga e a metamorfose que ela vai sofrendo ao longo das longas 4000 páginas, vão ficando mais resquícios de influência, que fica mais restrita aos tipos que perambulam pela história e nos tiroteios (cenas de ação são uma das especialidades de King, assim como criação de terror e suspense). Vale a pena conferir, afinal não escolhi meu nick a toa, já que o protagonista da história (ao lado da Torre Negra) é Roland Deschain.
     
  7. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    eu cresci ouvindo os vinis do meu pai do ennio morricone.
     
  8. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    A trilha sonora dos filmes é de fato memorável. Ênio Morricone acertou em cheio, os contornos épicos se devem em grande parte à música e aos temas que ele criou.
     
  9. Tataran

    Tataran Usuário

    Última edição por um moderador: 6 Out 2013
  10. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    That's what I'm talking about!
     
  11. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    pra quem gosta do sérgio leone & ennio morricone, tem os outros do mesmo nível. acho q ja vi todos, até o ladrões de bicicleta, onde o leone atuou.

    http://filmow.com/artista/14878/sergio-leone/
     
  12. Rodovalho

    Rodovalho Usuário

    Assisti os dois primeiros filmes da trilogia ontem. Por um punhado de dólares é bom, mas Por um punhado de dólares a mais é muito melhor! O Índio realmente é louco e inteligente. Nem mesmo os comparsas dele eram todos tremendos idiotas. A imprevisibilidade desse filme é que nem mesmo a esperteza assombrosa da dupla dinâmica dos protagonistas é infalível. Uma característica presente nos três filmes é que sempre o Clint leva uma boa surra. Mas nada a la Ultraman em que o cara leva porrada o filme inteiro só pra depois usar os superpoderes. O cara é espancado e fica com a vida por um fio e ainda se safa não como em Duro de Matar, detonando todo mundo num acesso de fúria, mas fugindo pela tangente.

    O fim do terceiro filme tem o ápice com o duelo de três, num campo aberto. No segundo tem um fim parecido, três também, mas um assistindo.

    E o fim do primeiro filme tem seu ápice também. Um ápice de coração de ferro.

    O terceiro não é filme de diálogos. Os caras são caladões, e se expressam por suas ações. O segundo é recheado de diálogos. E o primeiro, o primeiro é um faroeste.
     
  13. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Como eu tinha dito: a trilogia é ascendente. A qualidade aumenta a cada filme. El Indio é um vilão maneiríssimo, daqueles que te deixam com medo mesmo, explosivo e imprevisível. Os roteiros dos três filmes são muito coesos, uma conquista a parte mesmo.

    Quanto ao duelo a três do terceiro filme: é uma das melhores sequências da história do Cinema. Aquilo é sensacional, porque eles sabem que quem atirar primeiro vai tomar tiro do não-atingido, da mesma forma que eles não podem deixar suas posições de alerta. Putz, é sensacional, a tensão é inacreditável, são essas partes em que você se arruma na cadeira para poder acompanhar tudo sem perder nenhum detalhe.

    Essa sequência é grandiosa também por conta da música do Morricone e o uso da câmera pelo Leone. A câmera girando e mostrando os três duelistas, pegando um e outro em planos diferentes, os olhares de cada um...[/align]
     
  14. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    é impressão minha ou o ator q faz o el índio é o mesmo do vilão do 1º filme?
     
  15. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Não sei precisar, mas os atores se repetem nos filmes sim, e não necessariamente interpretando os personagens que interpretaram no(s) filme(s) anterior(es).

    Tenho que checar. Vou dar uma olhada no IMDB.
     
  16. Rodovalho

    Rodovalho Usuário

    JLM, sua impressão está certa. Gian Maria Volonté interpreta Ramon Rojo e EL Índio.
     
  17. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    isso eu já tinha percebido. até mesmo o clint parece (ao meu ver) interpretar personagens diferentes em cada película, transformando os 3 filmes da trilogia em histórias distintas.

    outra coisa, acho q se o clint fosse o protagonista no "era uma vez no oeste" seria +1 na trilogia.
     
  18. Tataran

    Tataran Usuário

    Eu não sou um grande apreciador da Sétima Arte, mas eu tive uma experiência com "Era uma vez no Oeste", que me fez tirar o chapéu para o Sergio Leone.

    Eu estava assistindo o filme sozinho em casa, e tem uma cena em que uma família está preparando um pequeno lanche na área externa de sua casa. De repente, eu senti um silêncio que me incomodou. Somente naquela hora, eu percebi que estivera ouvindo grilos, mas só me dei conta disso quando eles pararam.

    Então, eu imediatamente me pus a olhar de um lado para o outro da sala, tentando entender de onde vinha aquele barulho de grilos que tinha parado. Foi quando me dei conta de que os personagens na tela estavam fazendo a mesma coisa.

    Está aqui a cena (cuidado Spoiler):

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição por um moderador: 6 Out 2013
  19. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Sergio Leone de fato criou sequências e cenas antológicas. Palmas pra ele!
     
  20. Rodovalho

    Rodovalho Usuário

    Ontem assisti Yojimbo, do Akira Kurosawa, o filme que inspirou o Leone a fazer Por um punhado de dólares. Inspiração é pouco. Por um punhado de dólares é uma remake de Yojimbo mas no Velho Oeste. E como foi bem feita a adaptação! Uma ponte entre as culturas! A mundança maior foi das espadas para armas de fogo, tirando isso, o restante foi quase tudo igual. O coveiro, a mulher sequestrada, a tortura, a fuga, as intrigas.
     

Compartilhar