1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Trilogia 1808 - 1822 -1889 de Laurentino Gomes

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por Fúria da cidade, 17 Set 2013.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    1889 fecha a trilogia de Laurentino Gomes


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Quando Laurentino Gomes escreve um novo
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , já sabemos: vem sucesso por aí! O jornalista e escritor é um fenômeno de vendas com as suas publicações 1808 e 1822, e agora promete mais um Best-seller. No dia 23 de agosto, ele lança (já em
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ) 1889 – Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a Proclamação da República no Brasil.

    Editada pela Globo Livros, em formato brochura, a publicação é ricamente ilustrada. Com uma narrativa irreverente, ela conta como é que a Monarquia brasileira, considerada até então o governo mais sólido da América Latina, caiu no dia 15 de novembro de 1889. Dom Pedro II se viu exilado na Europa e o Brasil foi assumido pelo já idoso e doente Marechal Deodoro da Fonseca.

    O livro fecha a premiada trilogia que ajuda a explicar quase 100 anos da história do País. Em 1889, Laurentino ainda trata de episódios como a Guerra do Paraguai e o movimento abolicionista nos 24 capítulos que compõem a obra.

    1808 e 1822

    O primeiro livro da trilogia é o
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    – Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil. Lançada em 2006, a obra relata a chegada da corte portuguesa em solo tupiniquim e relaciona o fato com o contexto político, econômico, e social na Europa.


    Sucesso de vendas no Brasil e em Portugal, a publicação foi premiada como melhor Livro de Ensaio da Academia Brasileira de Letras e o Prêmio Jabuti de Literatura na categoria de livro-reportagem e de livro do ano de não-ficção. Os dois prêmios foram entregues em 2008.
    Em 2010, Laurentino lançou o segundo livro da trilogia:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    – Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil – um país que tinha tudo para dar errado.


    Com 351 páginas, além das figuras históricas impressas, a publicação conta como aconteceu a Independência do Brasil às margens do rio Ipiranga, em São Paulo. Repleto de curiosidades, Laurentino relata que o Brasil é fruto de sorte, improviso, acaso e líderes que enfrentaram perigos para realizar seus sonhos.
    1822 também faturou o Prêmio Jabuti de 2011 na categoria livro do ano de não-ficção. As duas obras juntas venderam mais de 1,5 milhão de cópias.

    Quem é Laurentino Gomes


    Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná, Laurentino Gomes nasceu em Maringá, no Paraná, no ano de 1956. Trabalhou em importantes jornais e revistas do País como a Veja e O Estado de S. Paulo.


    Também fez pós-graduação em Administração de Empresas pela USP e outros cursos em universidades como Cambridge e Vanderbilt.

    Foi eleito pela revista época, em 2008, como uma das 100 pessoas mais influentes do ano.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    -----------------------------------------------------------------------------------------------------

    Ainda não li o 1889, mas gostei dos dois primeiros. Pra quem gosta de história é uma abordagem diferente da história do Brasil do século XIX.

    Pros monarquistas aqui do fórum (Oi Paganus?) é uma boa pedida.
     
    Última edição: 17 Set 2013
    • Gostei! Gostei! x 3
  2. Indu

    Indu In sacanagi we trust

    Eu só li 1808, e até gostei. Porém conversando com um amigo que cursa história, este afirmou que a trilogia do Laurentino Gomes, serve apenas como literatura e em nenhum modo deve ser usada como referência histórica e sim literária.
     
  3. Liv

    Liv Visitante

    Li esses dias que o Laurentino Gomes é o Paulo Coelho dos historiadores. Alguém aí da área confirma?
     
    • LOL LOL x 1
  4. Calib

    Calib Visitante

    Vai ver que é porque ele é jornalista, e não historiador.

    E o Indu já meio que confirma isso aí.
     
  5. Yulien

    Yulien Usuário

    Quero ler os livros deles, como amante de história eu achei o livro super legal . Problema é que falta In$$entivo :roll: .
     
  6. fcm

    fcm Visitante

    Já li 1808 e 1822. Já comprei 1889 mas tá com o meu sogro :D
    Gosto bastante de ler livros de histórias e estes que são contados dessa forma mais amigável são ainda melhores.
    Concordo que não deve ser usado para referência histórica, mas para os leigos é bem legal conhecer um pouco da história desse país tão sofrido de uma forma mais legal.
    Recomendo e muito para todos, mas não sou da área, sou um leigo também!
     
  7. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Eu ouvi e vi 2 entrevistas dele, uma na rádio Jovem Pan AM e posteriormente a que ele deu semana passada no Roda Viva da TV Cultura, ambas concedidas agora no comecinho de Setembro.

    De fato ele não é historiador, mas ele procurou trabalhar seriamente bem assessorado por alguns e também ido morar um bom tempo fora do Brasil onde conseguiu ter acesso a documentos históricos de época que eram totalmente desconhecidos aqui e explicou como trabalhou até chegar nessas publicações.

    Não sei se já saiu no Youtube essas entrevistas, mas assim que sair recomendo ver.
     
  8. -Jorge-

    -Jorge- mississippi queen

    Acho que esses livros dele têm uma visão bem pobre/empobrecedora da História e esse é o maior defeito deles. O que ele faz, infelizmente, é criar personagens caricatos, mesmo negando isso no prefácio do primeiro livro (se não me engano), o que a gente vê a começar pelos subtítulos. Todo historiador cria personagens em maior ou menos medida, mas caricaturar é... triste. E além disso reforça a ideia de que História tem que divertir (nada contra, mas não acho que deva ser um fim em si), tem que ser "irreverente" e trazer "curiosidades"... =/ Diferente da "chatice" da escola...

    Na verdade só dei uma olhada nos dois primeiros livros na livraria, mas as impressões que tive foram essas. Não sei porque esses livros vendem e não as (boas) sínteses de um Boris Fausto, por exemplo... Por outro lado, é bom ver que existe interesse do público brasileiro pela história do país. Interesse do qual os historiadores (à exceção de uma Mary del Priore, me parece), não estão sabendo tirar proveito.
     
    Última edição: 18 Set 2013
    • Ótimo Ótimo x 1
  9. Paganus

    Paganus Visitante

    Preconceito puro e simples.

    Não gostam dele porque ele é jornalista, e historiadores em geral tem esse probleminha: ninguém fora da área pode escrever sobre história, mesmo que seja bem amparado por boas fontes.

    Não que seja um primor historiográfico, mas são bons livros. Simples, até didáticos.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  10. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Isso me lembrou sobre essa reportagem sobre um projeto de lei que quer "regularizar" a profissão:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Curiosamente, a contribuição para a popularização do tema se deve aos jornalistas (Eduardo Bueno, Paulo Markun e Lira Neto são alguns exemplos), além de termos alguns historiadores-jornalistas (Heródoto Barbeiro, por exemplo), algo que chama a atenção pelo fato de que, há alguns anos atrás, queriam declarar que só podia ser jornalista quem tinha concluído tal curso. Da minha parte, creio que a questão da metodologia para uma produção acadêmica é algo muito importante. Contudo, essas áreas não podem estar circunscritas à academia, é preciso alcançar o grande público, fazê-lo se interessar.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
  11. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Li apenas 1808 e o considero razoável. Tenho os outros dois, e também os do Lira Neto e alguns do Gaspari. Mas é uma leitura que exerço por curiosidade, sem outra pretensão.

    Realmente, 1808 foi bem pesquisado, bem amparado por fontes e tal... mas são fatores que não garantem qualidade. Os jornalistas, os não-historiadores, ao menos nas obras com que tive contato, ao realizarem a análise documental, o fazem seguindo o rastro positivista, didático, escasso em processos e levando a cabo o documento como verdade absoluta, quando o mais importante, talvez, seja justamente o que foi omitido. Isso reforça algumas caricaturas, preconceitos, gera polêmicas - como aquela série de Guias Politicamente Incorretos - e, por mais que se divulgue e atinja o grande público, é um retrocesso para a historiografia que vem lutando há muito tempo contra o positivismo, buscando aquelas vozes sempre silenciadas, resgatando e ratificando todos os homens como sujeitos históricos.

    Outro problema que surge daí vai por conta da educação. Muitos professores já usam Laurentino Gomes e até os Guias Politicamente Incorretos como textos de aula. Quer dizer, nada os proíbe e até seria uma boa alternativa ao vagabundo livro didático, se, acompanhado de 1808 ou qualquer outro, viessem visões mais encorpadas do mesmo período, demonstrando que a História é construção e constante reconstrução (o que não quer dizer ficção). Mas, jogar para os alunos algumas páginas avulsas dá a entender que a banalidade de se trazer de Portugal sei lá quantos casais de ganso ou cisnes é tão importante quanto o significado da vinda da Corte para o Brasil.

    A opinião que se forma em sala não vai diferir muito daquela formada por grande parte dos leitores. Acredito que essa não seja o melhor maneira de se tratar a História.

    E aí entra a parcela de culpa do historiador. Porque ninguém pode ser impedido de escrever sobre História. Há que se ampliar o alcance das obras acadêmicas cujas visões diferem - e muito - dos Laurentinos da vida. Autocrítica seja feita, falta o historiador saltar o muro das universidades, escrever menos para seus pares e mais para a sociedade. Assim o debate poderá percorrer todo corpo social.
     
    Última edição: 28 Set 2013
    • Ótimo Ótimo x 5
    • Gostei! Gostei! x 1
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  12. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Estou devendo ler esse livro há um tempinho. Algumas pessoas que conheço ficaram interessadas nesse período da história por causa desses livros. E como eu sempre tenho muita curiosidade em literatura que funcione como porta de entrada para outros mundos isso me despertou a curiosidade. Se tiver uma psicologia alternativa interessante de personagens vai valer a pena mim.
     
  13. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Ótimo exemplo! Além de que o Heródoto não se limita as publicações e ainda faz ótimas palestras em escolas e universidades.

    Esse é o terceiro tópico que eu abro aqui sobre uma publicação de um jornalista. Como em todos os meios é claro que existem profissionais bons e medíocres, mas preconceito contra o trabalho paralelo deles, mesmo feito de forma criteriosa, organizada e com boas fontes é algo que infelizmente ainda reina bastante. Espero que nos próximos anos isso diminua.

    De qualquer maneira, que bom que publicações como essas provoque uma discussão saudável e que através deles, o grande público se sinta interessado em história, um tema que muitas vezes é renegado a um plano inferior e que precisa e merece ser melhor explorado.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  14. imported_Japa

    imported_Japa Usuário

    Li os dois primeiros 1808 e 1822 e já tenho o 1889, mas estou lendo o "Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo" (já li os outros três 'guias'), para depois ler 1889.
     
  15. Tenho e já li os 3.
    O Laurentino conseguiu o que parecia impossível, fazer um brasileiro se interessar um pouco mais pela sua História. De um jeito simples, com uma linguagem bem acessível, sem os jargões peculiares de livros de História, ele fez com que seus livros se tornassem acessíveis a qualquer um que pelo menos saiba ler...rsrs.

    O Vendedor de Livros
     
  16. Alsende

    Alsende She's a Lady and a Miss.

    Melhor que o Laurentino ,só a Mary Del Priore e tenho dito :assobio:
    Eu li todos os três do Laurentino e gostei,apesar de achar que ele muitas vezes recorria a uma história parcial ou seja puxava sardinha :)
     
  17. Pips

    Pips Old School.

    • Ótimo Ótimo x 1
  18. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    • Ótimo Ótimo x 1
  19. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Bacana!
    E como nas publicações anteriores, antes de escrever ele viaja e pesquisa bastante. Que ele continue seguindo com a mesmo critério.

    Até lá, aguardemos!
     
    • Ótimo Ótimo x 1

Compartilhar