1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Trem fantasma para a Estrela do Oriente (Paul Theroux)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Pips, 27 Mar 2011.

  1. Pips

    Pips Old School.

    "Viajantes são considerados pessoas ousadas, mas nosso segredo indecoroso é que viajar é uma das formas mais preguiçosas do mundo de matar tempo. Viajar não se restringe apenas ao ócio inato, engloba ainda uma esmerada vadiagem escapista que possibilita chamar a atenção para nós mesmos por meio da ausência conspícua, enquanto nos intrometemos na vida alheia - uma atividade tão ultrajante quanto viver à custa dos outros. O viajante é o tipo mais ávido de voyeur romântico, e se oculta nas profundezas da sua personalidade, um nó cego formado por vaidade, presunção e mitomania que beira o patológico. Por isso o pior pesadelo do viajante não é a polícia secrete, o feiticeiro ou a malária, e sim a possibilidade de encontrar outro viajante" (Paul Theroux, p.13).

    "Trem Fantasma para a Estrela do Oriente" foi um livro pelo qual me apaixonei logo no primeiro parágrafo. Já conhecia o estilo de Paul Theroux, ácido e reflexivo, de A Suíte Elefanta, mas foi só depois de ler este parágrafo que me dei conta. Eu não estava lendo um livro de ficção, e sim um relato de viagem. Em 1973, Paul Theroux viajou pelo lado oriental do mundo durante 4 meses, e relatou o que viu em O Grande Bazar Ferroviário. Trinta e três anos depois, numa situação familiar completamente diferente, mais velho, mais sábio, o autor resolve pisar novamente na trilha de sua primeira viagem. Um ato de redenção.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     

Compartilhar