1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Trânsito de SP não será problema para ônibus sem motorista, diz empresa que testa a tecnologia

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Fúria da cidade, 12 Set 2018.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Rafael Balago

    Ônibus capazes de rodarem sem um condutor estão em testes na China. Os veículos são capazes de seguir um itinerário, parar nos pontos e aguardar que os passageiros subam e desçam. Os movimentos são controlados por um sistema que recebe informações de câmeras, sensores e dados de uma central e vai tomando as decisões sobre quais movimentos fazer.

    Estes modelos capazes de rodar sem motorista deverão custar em torno de 10% a mais do que um veículo tradicional, estima Ubiratan Resende, diretor geral da Via Technologies no Brasil, empresa que realiza testes com ônibus autônomos na China. O vídeo abaixo mostra o coletivo autônomo em operação.
    “Estes veículos devem entrar em operação no país entre sete e dez anos”, projeta ele. “Estimamos que o custo não vai dar muito impacto. Um ônibus urbano custa em torno de R$ 300 mil, e um sistema autônomo deve custar 10% disso”, contou ao blog.

    Para ele, o trânsito pesado de cidades como São Paulo não será um problema para a nova tecnologia. “É mais difícil a configuração para situações de alta velocidade do que para as de trânsito caótico”, considera Resende. “O veículo é capaz de detectar tudo o que está em volta, como carros, motos e pedestres, e tomar as decisões mais adequadas”.

    As câmeras enviam imagens a softwares de reconhecimento, que conseguem identificar movimentos, como um passageiro erguendo o braço. “O sistema pode ser configurado até para reconhecer alguém atrasado correndo até o ponto para pegar o ônibus”, diz Resende.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Interior do ônibus autônomo em testes na China (Divulgação)

    Para o diretor, as falhas de sinalização no asfalto e as deficiências da internet sem fio do país também não serão impeditivos para que a tecnologia avance no país. “Temos um sistema de navegação usado em aeronaves e barcos em alto mar. Em teoria, não ter a sinalização faz diferença, mas se consegue trafegar mesmo sem ter sinalização boa.”

    A expectativa é que os ônibus autônomos comecem a ser usados primeiro em ambientes fechados, como em áreas internas de empresas e campus de universidades, e depois em corredores e faixas exclusivas. A última fase será enfrentar a rua ao lado de todos os demais veículos.

    Sistemas de apoio a direção também podem ser instalados em ônibus comuns. Um deles é capaz de alertar ao motorista possíveis riscos, como uma moto ou bicicleta em um ponto cego dos retrovisores ou se o veículo está “comendo” a faixa e rodando fora do espaço em que deveria.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    A Via realiza testes com sistemas de apoio em um ônibus em Curitiba, para adaptá-los ao trânsito nacional, e comercializa-o em pacotes que podem incluir outros serviços, como contagem de passageiros e rastreamento das rotas. O custo de instalação varia entre R$ 7.000 e R$ 25 mil por veículo.

    Além da parte financeira, a adoção de ônibus sem motorista também terá de lidar com as questões legais. Em São Paulo, uma lei criada em 2001, e
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , exigia dois empregados a bordo de cada ônibus. A mudança abriu caminho para a retirada gradual dos cobradores. Depois de debater o fim deste cargo, a cidade pode ter que discutir em breve também a situação dos motoristas.

    -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

    Eu ainda teria receio de embarcar.
     
  2. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Nem me fale, seria tenso andar de ônibus com o Gasparzinho dirigindo.

    Que nem no filme Eu, Robô. Lá a coisa não correu bem.
     
  3. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    De um lado não escondo que é triste ver que é a extinção definitiva de uma categoria que dava emprego pra muita gente.
     
  4. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Acabaram até com os cobradores (pelo menos aqui onde eu moro), para o desespero da categoria e também dos motoristas. Acho zoado o próprio motorista ter que ficar recebendo o dinheiro e dar o troco. O cara tem que se concentrar em dirigir, garamba!
     
  5. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Quanto a automação total e eliminação do fator humano, uma coisa é uma linha de metrô totalmente sem condutor, como o caso da linha Amarela de São Paulo, que já andei algumas vezes e funciona muito bem, porque as plataformas de todas as estações são totalmente seguras protegidas por vidros que impedem totalmente que alguém caia na via e aí as composições só precisam parar de estação em estação apenas.

    Já numa via urbana com ônibus, as variáveis pra se lidar são bem maiores. Existem casos por exemplo de numa falta de energia elétrica a noite, o passageiro negociar com o motorista poder descer num ponto alternativo que considere ser mais seguro. Num ônibus sem motorista, infelizmente não haverá essa possibilidade, pois a tendência é de sempre parar em locais programados.

    Fora o fato que se alguém passar muito mal, (um risco de enfarte). Quantos motoristas já não foram solidários, desviaram um pouco o trajeto e já ajudaram a levar o passageiro até um pronto-socorro mais próximo possível? Nessas horas eu ainda prefiro o fator humano.
     
  6. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Concordo plenamente. É claro que a tecnologia é uma coisa maravilhosa (estou usando um computador neste exato momento, não estou?) mas de vez em quando ela traz algumas desvantagens.
     
  7. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Mas cobrador e catraca é um atraso bizarro se você compara com transporte público rodoviário de países como alemanha.
    A dificuldade em embarque e desembarque e a falta de organização dos horários dos onibus é algo que só se percebe que existe quando você passa um tempo não convivendo com isso. E boa parte se deve pelo fato de quase todo governo estadual ser refém de empresas de onibus mafiosas.


    Mas enfim.
    De qualquer forma é ainda pior ficar discutindo mais onibus como solução de transporte público de massa em vez de focar em transporte ferroviário.
     
  8. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Cobrador em ônibus é altamente inviável especialmente quando o ônibus passa em regiões perifiéricas de alto risco de assalto, fora a dificuldade normal de falta de troco e sendo pior ainda quando o motorista acumula essa função.
     

Compartilhar