1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Tradução melhor que o original?

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Haleth, 16 Jun 2011.

  1. Haleth

    Haleth There's no such a thing as a mere mortal

    Há casos e casos, claro.

    Mas, a propósito do post que o Mavericco fez, fiquei descobrindo o The Hollow Men, de T. S. Eliot, a quem desconheço profundamente. A tradução do trecho que me impactou, feita por Ivan Junqueira, é assim:

    Encontrei uma tradução lusa de João Paulo Feliciano que, pra mim, não é tão rica e bem feita como essa:

    E aqui está o original:

    Eu que não sei apreciar poesia em inglês e desconheço o contexto literário de Eliot (porque, fato, não sei um nem outro) ou acontece mesmo do tradutor mandar melhor que o - bom - escritor? oO

    Ah, as riquezas de cada língua... =)
     
  2. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Acho que isso no final depende mais do gosto pessoal :think:

    A tradução do Ivan é realmente muito boa; mas existem determinadas coisas que ela não conseguiu passar, como a velocidade do verso do Eliot ou algumas rimas nos finais do verso, como meaningless-grass-glass (observar o trocadilho entre grass-glass); a repetição de men no finalzinho (que existe também no começo); o trocadilho shape-shade na segunda estrofe etc.

    (ainda que o Ivan tenha recriado alguns destes efeitos, como a forte aliteração em S no final dos versos: dessecadas-sussurramos-inexpressas; a aliteração em C: secos-cacos [além da excelente sonoridade de: "(...) Relva SeCa / ou péS de RatoS SobRe CaCoS"]; o trocadilho fôrma-forma [ressuscitado parcamente com "força" no verso seguinte]; a rima empalhados-amparados [e cor-vigor, de certo modo] etc)

    Acho que essa lógica de tradução melhor que texto original só pode ser aplicada com efeito a textos originais ruins, como um Paulo Coelho da vida. Por mais que o tradutor seja de grande nível (citando um exemplo, Manoel Odorico Mendes), ele dificilmente conseguirá ultrapassar a qualidade do texto original (Virgílio e Homero, no caso do exemplo); mesmo porque este não é nem o objetivo (reparar o texto original como um mecânico ou coisa do tipo).
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Anica

    Anica Usuário

    eu não achei as traduções superiores ao original, não. eu acho que entra mais na área de recepção do que de tradução: o seu conhecimento de mundo influenciando no juízo que fará de um texto. no caso, parte disso é sua relação com a língua estrangeira e com a língua mãe. para mim o texto do eliot é tão lindo em inglês, com uma sonoridade tão poderosa que quase consigo escutá-lo declamando. o junqueira preserva o sentido, mas obviamente acaba abrindo mão em muito dessa sonoridade, do ritmo. só ver o que faz de "Alas!" (\?-?las\), transformando em "Ai de nós".

    edit: concordo com o que o mavericco disse:

     
  4. Haleth

    Haleth There's no such a thing as a mere mortal

    É, eu notei os trocadilhos (embora não os consiga apreciar, rs), mas não sei se seria possível algo semelhante em português.

    O que me levou a fazer essa pergunta é que, em geral, a tradução só nos desperta para ler o original em dois casos: ou quando é muito boa ou quando é muito má. E essa me deu muita curiosidade de ver como é o original porque fiquei encantada com a estrutura, etc. et al, e pensei "putz, o original deve ser deslumbrante!" Aí fui ver e nem curti tanto... ¬¬ Mas tenho minhas limitações já mencionadas, diga-se.

    (E também pq pela primeira vez me interessou esse negócio de tradução em literatura - até hoje eu só fazia muita questão disso com a Bíblia, nunca passou pela minha cabeça que com outros livros seria assim também. :doh: . Até porque se eu tivesse lido a outra tradução, nem teria gostado com a mesma intensidade. Isso faz a gnt ter medo! Imagina quanta coisa não já perdi por ter lido traduções esquisitas...! ohno)
     
  5. Anica

    Anica Usuário

    né? tem livro que até hj estou para reler por causa disso. e adoraria saber mais línguas para ler outros no original. pq sempre tem algo que se perde ao se traduzir, e às vezes o tradutor acaba imprimindo sua própria leitura do texto na tradução, o que já seria um "segundo" texto que chega nas suas mãos.

    sério, isso me deixa nervosa >< tanto que eu tendo muito mais para os autores em língua inglesa, pq aí posso ler no original sem problemas. ou pelo menos consigo identificar os problemas quando leio a tradução hehe
     
  6. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Tradução pra mim sempre será algo muito profundo e que jamais pode ser visto igual a uma ciência exata onde o número 31 na base decimal, traduzido em hexadecimal é "1F" e se traduzido para binário será "11111" e sempre tendo esses resultados em cada base sem admitir nenhuma outra equivalência. Tudo seria muito prático se os idiomas funcionassem igual a matemática.

    Na tradução de texto mais formal já existe algumas discrepâncias, mas no literário a imersão, a experiência e a personalidade do tradutor entram em cena mais do que nunca, pois é preciso não apenas converter um código em outro e sim olhar outros fatores como contexto histórico (quanto mais antiga a publicação, mais complicado tende a ficar), o contexto literário, enfim tentar entrar em sintonia máxima possível com a forma de pensar do autor na época em que foi escrito.

    Não sou de afirmar se uma determinada tradução ficou melhor que o original, mas que certamente não é igual, isso é.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  7. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    É isso aí, há muitas maneiras de se traduzir algo. Se você der uma olhadinha nas traduções de A Odisseia vai ver que são muito diferentes, mesmo o texto original sendo o mesmo. É claro que o sentido continua o mesmo, mas é impossível expressar a mesma coisa da mesma forma em um idioma que não é o original.
    Existe uma história de que o Gabriel García Márquez achava a tradução em inglês de Cem Anos de Solidão melhor do que o original que ele escreveu em espanhol, mas não sei se isso é verdade ou se é só um boato.
     
  8. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    A mensagem original está fadada a lutar contra o desvirtuamento. No caso da tradução é até possível alguns profissionais se tornarem suficientemente bons para lerem a motivação que vai por trás da pena levantando a possibilidade de melhorar ou realçar a ideia do autor. Mas se possível o ideal seria manter até mesmo a intenção dúbia ou a falta de clareza do autor do trabalho se assim estiver na obra. Do contrário o tradutor entraria no papel de co-autoria que seria outra tarefa.

    Para se cobrar um padrão mínimo, seguindo normas gramaticais e de tradução, o certo é o leitor também se tornar alguém ciente de que as mensagens originais sofrem um "dumbing down" quando são alteradas para publicação. É um mal natural da comunicação (transmissão) e se convive com ele.
     
  9. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Em textos muito antigos, de um lado pode ser até bom o tradutor converter usando termos totalmente atuais que facilitem a compreensão (já imaginaram uma Bíblia em português totalmente assim com termos bem atuais?), mas por outro a alma histórica do texto original fica comprometida. Então é sempre um dilema querer fazer uma coisa sem deixar de fazer outra.
     
  10. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Existe Bíblia com termos atuais. Há dois tipos principais de tradução bíblica: formal equivalence e dynamical equivalence. Na formal equivalence o texto é traduzido palavra por palavra o máximo possível, já na dynamical equivalence são usadas frases atuais com sentido equivalente ao original.
    Exemplo: amai-vos uns aos outros com amor entranhável (literalmente, com as entranhas, com as tripas). Essa expressão significa amai-vos uns aos outros com todas as forças, ou seja, de todo o coração.
    Um exemplo de Bíblia em português que usa o método word-for-word (formal equivalence) é a famosa tradução de João Ferreira de Almeida (conhecida simplesmente como Versão Almeida), e um exemplo de tradução thought-for-thought (dynamic equivalence) seria a Nova Tradução na Linguagem de Hoje (geralmente chamada de NTLH).

    E realmente, como você disse, se é uma tradução usando equivalência formal você ganha em precisão mas perde em legibilidade pois acaba sendo uma leitura mais densa, pois muitas expressões antigas já não são mais usadas ou não existem em nosso idioma. Já as traduções de equivalência dinâmica por sua vez são fáceis de ler, mas não é uma tradução palavra por palavra e, portanto, perde-se algumas sutilezas presentes no texto original.
     
    • Ótimo Ótimo x 1

Compartilhar