1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Trabalhos Acadêmicos sobre Tolkien

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Alan Tinúviel, 1 Jul 2005.

  1. Alan Tinúviel

    Alan Tinúviel Usuário

    Olá,
    Sou novato no Valinor e quero manifestar a angústia que sinto quando lembro de que aqui na universidade onde estudo (faço Letras na Ufpa) há uma certa resistência a trabalhos baseados na literatura de fantasia, especialmente Tolkien. Tento quebrar essa resistência mas é muito difícil. Há um ano apresentei um trabalho sobre O Hobbit e O SdA como forma de apresentar as obras a quem não as conhecia e até que teve uma boa aceitação. Gostaria de saber se nas outras universidades do país acontece isso ou é só aqui que professores de Letras não admiram as obras de um Doutor Honorário em Letras de Oxford (irônico, não acham?).
     
  2. Imrahil de Dol Amroth

    Imrahil de Dol Amroth Encantador de Vagalumes

    Realmente isso é uma pena. Além de Doutor Honorário em Letras de Oxford, Mestre Tolkien também foi eleito Escritor do Século, e com certeza tem outros títulos do gênero. Assim como vc, eu taambém já enxerguei uma certo desprezo por Tolkien nesse meio acadêmico. Literatura para garotos, assim o dizem. Eu façao Históriaa na UFOP, e faço uma cadeira de Letras, já apresentei auam trabalho com mençãaao à Tolkien, e fiquei desapontado com uma certa resistência à aceitação plena do Professor. De qualquer forma, nós como fãs temos o papela (o desafio) de mudar essa resitência. Espero que num futuro próximo alguém que reviva esse tópico pense: como as coisas mudaram...
     
  3. Níniel_Nienor

    Níniel_Nienor Usuário

    Oi gente, eu faço Letras na UVA(universidade estadual do vale do acaraú, tá) e lá há uma coisa do tipo "viva a literatura brasileira ou portuguesa". Sou louca por literatura em geral, gosto de livros, e não de nacionalidades. Acho q oq acontece nas univesidades do brasil é uma coisa temporária de patriotismo, pois basta receber o diploma q as pessoa caem totalmente no sistema e deixam de pensar q podem mudar/salvar o mundo. Talvez por isso nosso amado Tolkien seja descriminado pelos professores universitários, pois eles tentam implantar esse patriotismo temporário em seus alunos. Não sou contra lermos livros e autores brasileiros, mas o mundo é grande, e existem escritores renomados em todos os países, e Tolkien é um deles.
     
  4. Eduardo Lima

    Eduardo Lima Usuário

    Na verdade.. axo realmente preconceito qto a trabalhos discriminados sobre escritores q nao sao da nossa literatura.. porém... também acho certo q a preferencia seja da nossa literatura.. pois todos sabemos do preconceito sofrido por qualquer coisa que venha de um pais subdesenvolvido. E além disso nós temos grandes escritores... como por exemplo Machado de Assis.. pra mim.. o melhor da nossa literatura. Mas não deixo de apoiar esse tópico...e axo que isso n vai durar mto tempo..antes tb se tinha mto preconceito qto a obras como Mulher no Espelho de Clarice Lispector e no entanto esse preconceito foi vencido..espero q n demore mto para q caia tb o dos estrangeiros e fantasia..=p
     
  5. Bagrong

    Bagrong RaG

    Entrei no blog do Daeron esses dias e fiquei surpreso: lá haviam fotos de uma apresentação aonda elee falava sobre Tolkien. Conversei mais com ele sobre o assunto e fiquei até triste. A escola abriu espaço para ele fazer uma palestra sobre Tolkien, sem aler nota nem nada, só para passar o conhecimento. Creio que ele está no colegial.(ele mora em Portugal)

    Cara, numa escola como a minha, uma palestra assim seria visto como loucura pelos professores e alunos. O que me entristece não é a oportunidade que ele teve, ao contrário, é o fato de eu saber que o Brasil está bem longe disso.

    O Grande problema aqui é o preconceito mesmo. É loucura virar "especialista" em algo que não é real, que é ficcional.

    Acho que vou me mudar para Portugal :gotinha:
     
  6. Eduardo Lima

    Eduardo Lima Usuário


    Poizeh.. e o preconceito tah mto além disso aki no Brasil. Aki, n se pode nem gostar de fantasia que você já virou um sequelado, vagabundo, que não quer estudar e ficalendo "besteiras". Ou um antipatriota que não dá valor à própria literatura... :uhum:
     
  7. Níniel

    Níniel let's put a smile on that face


    De facto o que aconteceu na escola do Daeron foi uma coisa muito boa. Ele flou principalmente sobre as línguas inevntadas pelo professor e penso que se saiu muito bem. Mas quero apenas deixar aqui frisado que foi um trabalho muito bem preparado que bem aceite, mas eu também que moro em Portugal fiquei surpreendida por ter sido tão bem sucedida a palestra. Fiquei muito contente, mas parece-me que por vezes as pessoas não gostam destas coisas e apenas apreciam parte dea obra, não dando importância ao conhecimento da mesma.
     
  8. Marendûr

    Marendûr Babuíno que adora Mulheres!

    Oi,
    Eu estudo artes na UFMG, e uns tempos atrás uma amiga minha baseou o seu trabalho final de desenho na obra de Tolkien, mais precisamente na balada de Leithian, do Silmarillion. O trabalho dela foi muito bem recebido pelos alunos e pela professora (a Dr. Maria do Céu Diel), e ela obteve a nota máxima na matéria. Aqui na UFMG somos muitos os fãs da literatura Tolkieniana e, ainda que uma parca vertente de alunos e professores considerem as obras de fantasia uma pueridade, nós nos congregamos em uma corrente de amigos com elos fortes e bem fundados provando que fãs de fantasia, ficção, quadrinhos e etc, não só se firmam em uma base sólida, mas também logram, em sua maioria, boas notas em seus respectivos cursos.
    Até!
     

Compartilhar