1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Tinta Negra Bazar Editorial

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Anica, 31 Mar 2010.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Vi uma matéria sobre esta editora nova e resolvi divulgá-la aqui para vocês:

    [size=x-large]Editora quer fugir do óbvio[/size]

    O ano de 2010 deu à luz Tinta Negra Bazar Editorial. A marca carioca é uma aposta do Grupo Gráfico Stamppa, que entra com os dois pés no mercado nacional – além da marca para títulos de ficção e não-ficção, há uma outra voltada para o público infanto-juvenil, a Escrita Fina.

    Com projeto elaborado pela editora Michelle Strzoda, a proposta se escancara já no nome “bazar”, de raiz oriental, um espaço de troca não apenas comercial, mas também cultural. Os bazares funcionam como uma espécie de símbolo para o mundo atual, cheio de vozes que se encontram o tempo todo.

    A arrancada inicial da Tinta Negra Bazar tem cinco títulos (confira quadro nesta página) e, até o fim do ano, a meta é publicar outros 25. Em entrevista por telefone, Michelle fala do projeto com a intimidade e o entusiasmo de quem se envolveu muito e começou a construir a editora toda a partir do chão.

    Depois de trabalhar na Casa da Palavra e na Bertrand Brasil – ganhando experiência em áreas como marketing e edição –, ela conversou com Luiz Carlos Gaglianone, da Stamppa, que estava à procura de um “editor jovem”. No primeiro contato, ele foi direto, perguntando qual era o projeto dela. Não havia um, mas Michelle levou só uma semana para colocar no papel as ideias que tinha e os planos que elaborava.

    Uma delas é dar atenção a autores inéditos, brasileiros e estrangeiros, procurando investir, por exemplo, em nomes atuais do Leste Europeu. Hoje, 15 obras de escritores diferentes estão em negociação.

    Michelle é capaz de falar em detalhes sobre todos os livros que saíram e estão para sair. Deste grupo, um destaque é o volume com as memórias de Sérgio Britto, um dos maiores atores do Brasil em qualquer tempo. Com 65 anos de carreira e 86 de idade, ele fez algo em torno de 29 telenovelas, 16 filmes para o cinema e uma lista extensa de peças para o teatro. O Teatro e Eu – Memórias será lançado em maio.

    No segundo semestre, ela prepara um livro sobre Ricardo Kotscho, escrito por Mauro Júnior e Roberto de Ponte, ainda sem título. Os autores estão fazendo uma série de entrevistas com pessoas que conviveram com o jornalista – lista que inclui o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Célebre por ter criado um estilo próprio de jornalismo, Kotscho é um dos nomes à frente da revista Brasileiros. Michelle adianta que o livro não será “chapa branca”. O personagem-título sabe que a obra está sendo feita, mas é só. Ele não terá influência sobre ela.

    No mês que vem, tem início a série de livros sobre filosofia e gastronomia, batizada de Sabores e Prazeres de Epicuro. O primeiro título, Comida e Filosofia, tem apresentação da chef Ro­­berta Sud­­brack. Os textos tratam de temas diversos e criam relações inusitadas – como o que usa Nietzsche para falar de anorexia. Há ainda estudos que sondam os motivos do vegetarianismo e as razões que levam alguém a adorar junk food.

    Michelle diz que a Tinta Negra Bazar espera redescobrir autores relegados ao ostracismo. Destes, a editora não disfarça o interesse grande em Umberto de Campos. “Ninguém conhece”, diz. O autor, integrante da Academia Brasileira de Letras, amigo de Coelho Neto e criador da primeira revista erótica do país (A Maçã), deixou um Diário Secreto que teve apenas uma edição, nos anos 1950, quase duas décadas depois de sua morte. A relíquia fala de personagens importantes da época e deve ser relançada em breve.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Mi Müller

    Mi Müller Usuário

    Interessante a proposta deles, é sempre bom ver gente com gás agitando o mercado editorial!
     

Compartilhar