1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

The Thousand Autumns of Jacob De Zoet (David Mitchell)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por imported_Wilson, 1 Mai 2011.

  1. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Romance histórico passado no ano de 1799, no porto de Dejima, no Japão, que era na época o único ponto de comunicação do Japão com o Ocidente. A história se passa num entreposto comercial holandês em terras nipônicas, e segue a história do escriturário Jacob De Zoet durante sua estadia por lá, em busca de fazer fortunas (e descobrindo que será muito mais difícil do que imagina). Além de ser uma história incrivelmente construída, com personagens bem vivos, o livro é impressionantemente rico ao descrever o encontro dessas duas culturas tão díspares: a holandesa e a japonesa. O autor, o britânico David Mitchell (que acho que só possui um livro traduzido aqui no Brasil), sabe como tecer uma trama interessante e é dono de uma erudição que por vezes lembra o trabalho de Umberto Eco. O romance ainda não foi trazido para o Brasil mas para quem puder ler em inglês e se interessar pela cultura japonesa, é um prato cheio. O ponto de vista de Mitchell sobre aquela cultura é algo que eu ainda não havia encontrado em outro romancista. Longe de ser didático, ele foca nos intercâmbios humanos para esmiuçar o que faz de cada cultura algo muito particular a um lugar ou época.
     
  2. Jacques Austerlitz

    Jacques Austerlitz (Rodrigo)

    Tá na lista de
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    da Companhia das Letras, pro segundo semestre, acho que com tradução do Daniel Galera. Li há uns meses o Menino de Lugar Nenhum do Mitchell, e foi das leituras mais bacanas do ano, narrado em 1ª pessoa, por um guri de 13 anos, com uma voz bem construída, lidando com a guerra das malvinas, uma crise no casamento dos pais, o gosto dele por poesia, um problema de fala, etc, um bildungsroman leve e substancioso.
     
  3. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]O Guilherme Braga afirmou na entrevista que concedeu ao Meia Palavra recentemente que o livro que ele gostaria muito de traduzir é Cloud Atlas, do David Mitchell. Deve ser bom, hein?[/align]
     
  4. Cloud Atlas é muito bom mesmo.
     
  5. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    The Thousand Autumns of Jacob De Zoet é um livro traiçoeiro. Ele aguarda o leitor com o semblante de uma história clássica de homem versus corrupção, mas mantém sua mandíbula escondida para uma mordida bem maior e mais perigosa. Situado no ano de 1799, no porto de Dejima, no Japão, a única porta de entrada no país para o mundo Ocidental, em particular para a nação holandesa, o livro tem início ao fazer uma crônica da vida de Jacob De Zoet, escriturário da Companhia de Comércio das Índias Orientais, cargo que lhe foi atriuído por seu futuro sogro; sua missão: criar uma fortuna e uma reputação para si mesmo que o torne merecedor da mão em casamento da mulher que ama; para isso, Jacob deverá passar 5 anos no Japão.

    Um estrangeiro em uma cultura estranha, e um homem correto em meio a comerciantes desonestos, De Zoet é um sonhador, um trabalhador competente que acredita que honestidade e trabalho árduo irão tornar suas ambições reais. Na primeira parte do livro, o autor, o britânico David Mitchell, consegue tecer um retrato extremamente lúcido da estranha sociedade que povoa o porto de Dejima: comerciantes, intérpretes, cozinheiros, médicos, escravos, policiais, procuradores, monges.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  6. Anica

    Anica Usuário

    A Diana acabou de avisar lá no blog que o livro sai pela companhia das letras aqui no brasil no final deste ano =D
     

Compartilhar