1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

The Tea Party

Tópico em 'Música' iniciado por Progger58, 21 Jul 2005.

  1. Progger58

    Progger58 Usuário

    Para aqueles que eventualmente ainda não a conheçam, The Tea Party é uma banda canadense com carreira já relativamente prolífica, iniciada em princípios dos anos 90. Fazem uma espécie de hard rock bastante enérgico, meio dark, com alguns interessantes elementos progressivos e mais recentemente alguns flertes com Indie rock também, caracterizando-se ainda pela excelente qualidade das composições e pela integração de instrumentos indianos, árabes e africanos ao formato power trio do grupo. Caracteriza-se, também, pela incrível semelhança de timbre do vocalista Jeff Martin com o Jim Morrison (The Doors). Na verdade é impossível não pensar em Jim Morrison e The Doors ao se ouvir um disco do Tea Party, tamanha a semelhança. Estilisticamente a música do Tea Party também lembra bastante o Led Zeppelin.

    O primeiro disco do grupo, homônimo, foi lançado em 1991, de forma independente (sendo a propósito também conhecido como The Indie Album). Nesse disco a sonoridade é bem hard rock realmente, com fortes elementos dos já citados The Doors e Led Zeppelin.

    O primeiro album efetivamente maduro do grupo foi Splendor Solis, de 1993, que já trazia, incorporada à sua sonoridade típica, fortes elementos de world music, inclusive music celta.

    O disco seguinte, The Edges of Twilight (1995), consolida a sonoridade marcante do Tea Party, com ampla utilização de instrumentação exótica e de arranjos elaborados, variações rítmicas diversas, etc.

    Transmission, de 1997, também segue essa mesma linha, e começa a flertar com elementos de Indie rock e até alguma pinçada meio techno em um momento ou outro.

    Já o seguinte, TripTych (1999), pode ser descrito como uma mistura desses dois discos precedentes, com uma certa tendência ao melódico em algumas faixas.

    Em Interzone Mantras, de 2001, a banda flerta de vez com o Indie rock, produzindo um disco também excelente e que eu classificaria quase que como uma espécie de “Indie Metal”, mas ainda mantendo todas aquelas influências da música oriental presente nos discos anteriores.

    O último disco deles, Seven Circles, infelizmente não conseguiu manter o alto nível de seus predecessores (NMHO), abdicando das interessantes variações presentes nos discos anteriores em favor de um disco mais comercial.

    Difícil é apontar um disco que sintetize o que seja realmente fundamental dentro da discografia do Tea Party, pois de Edges of Twilight a Interzone Mantras, todos são excelentes e têm cada um deles uma assinatura sônica bem própria, de forma que o ideal seria começar por algum deles e depois ir adquirindo os outros paulatinamente. Pelo menos foi isso o que eu fiz e estou muito satisfeito por assim haver procedido.

    Saudações,
    Demétrio.
     
    Última edição: 21 Jul 2005

Compartilhar