1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

The Curious Incident of the dog in the night-time (Mark Haddon)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Snaga, 4 Set 2005.

  1. Snaga

    Snaga Usuário não-confiável!!!

    "O Estranho Caso do Chachorro Morto" (Mark Raddon)

    Eu estou, simplesmente, adorando esse livro!
    Alguém conhece?

    [/font]
    Quem quiser saber mais sobre o livro e seu autor, clique
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . Ou
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ! :mrgreen:
     
    Última edição: 4 Set 2005
  2. Bagrong

    Bagrong RaG

    Re: "O Estranho Caso do Chachorro Morto" (Mark Raddon)

    O livro tem cara de ser legal. Quem sabe eu não leio no futuro?
    Ah, o link do submarino está com o produto indisponível para venda.
     
  3. Snaga

    Snaga Usuário não-confiável!!!

    Re: "O Estranho Caso do Chachorro Morto" (Mark Raddon)

    Nossa! Nem prestei atenção nisso. =/
    Mudei o link.
     
    Última edição: 4 Set 2005
  4. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Faz tempo que não crio tópicos aqui no Literatura, e pelo que notei bastante pessoas aqui no fórum leram esse livro também e gostaram. Eu li agora no começo do ano para a faculdade e adorei, foi uma ótima 'descoberta'.

    Quando comecei a ler não dava muito para o livro: duh, o garotinho quer saber quem matou o cachorro da vizinha. Mas foi chegar umas páginas para frente para começar a me encantar. Numa sacada genial, o Haddon vai desenvolvendo a história e outras tramas vão surgindo.

    Além disso, tem o fato de que Christopher, o personagem narrador, é autista. Claro, o mais divertido é você descobrir isso por conta, mas como tem caso de gente que não consegue captar essas sutilezas (quatro pessoas na minha sala não sacaram hehe), melhor previnir. Por que isso cria um efeito legal? Bem, porque como autista, é óbvio que ele vê o mundo de forma diferente que nós e principalmente, se expressa de forma diferente.

    Nesse caso, Christopher fala de questões como traição e Deus de uma forma tão clara que bem, acaba que fica engraçado (é ler para entender). Separei uns trechinhos aqui:

    Em tempo: tem uma tradução desse livro, mas segundo minha professora ela está ruim pra danar, o cara arruma umas soluções idiotas e ainda por cima faz tradução literal de alguns momentos, como quando o Christopher explica porque não pode fazer piadas.

    Enfim, quem não leu ainda corre atrás, porque é o típico caso que deixa claro que literatura infanto-juvenil não é sinônimo de imbecil. :gira:

    edit: duh, já tinha tópico.
     
    Última edição: 12 Abr 2006
  5. V

    V Saloon Keeper

    Qual é o problema com a premissa? É genial. É só um cachorro morto, uma coisa totalmente mundana, mas pro personagem é o mistério mais importante do mundo -- a mente dele funciona de tal forma que, a partir do momento que ele resolve descobrir o que aconteceu, a possibilidade de não saber a resposta faz com que ele se sinta tão desconfortável que ele começa a fazer coisas que nunca faria normalmente. Eu achei bastante interessante logo de começo, antes mesmo do cachorro morrer.

    Anyway, é foda quando o pai coloca ele de castigo e ele ((in)conscientemente?) utiliza a lógica para manipular a interpretação do que foi dito e formular uma situação na própria mente onde possa continuar a investigação sem tecnicamente estar burlando o castigo. Não dá pra saber exatamente até que ponto ele tem consciência de que o que está fazendo é errado, e em vários outros pontos o livro cria essa ambigüidade -- o autor não é condescendente, basicamente; ele entende que não é porque o protagonista tem um problema mental que ele deve ser tratado como um santo.

    Essas quatro pessoas da sua sala são oficialmente retardadas. Oficialmente. Pode dar a má nótícia pra elas.
     
  6. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Bom, eu até estava para transcrever o primeiro capítulo aqui, mas deu preguizz. Enfim, por começo eu entendo '1º capítulo' e o primeiro capítulo tem apenas o Christopher narrando a situação na qual encontrou o Wellington - aqui você não sabe que ele é:

    a) autista
    b) que a morte do cachorro é "para o personagem o mistério mais importante do mundo"
    c) que ele fará coisas que ele nunca faria normalmente

    Se não fossem todas essas coisas que você apontou, que foram apresentadas depois, a história seria boba sim - por isso que, como eu disse, de início eu não botava fé.

    Vale lembrar que é extremamente importante para a 'experiência literária' não começar sabendo que o moleque abraçado com o cachorro é um autista, e ir descobrindo a partir das coisas que ele fala.

    O que provavelmente significa que estamos arruinando a experiência literária de muita gente hohohohoho

    Sim, eu gosto muito disso. Desde o começo o Christopher deixa claro que ele não mente porque é bonzinho, mas porque não consegue mentir (tem lá no capítulo 37 - aliás, genial o negócio dos números primos para os capítulos :lol: ) : If I think about something which didn't happen I start thinking about all the other things which didn't happen


    :rofl:

    A primeira pergunta da professora foi "Vocês perceberam que o menino é autista, né?" o que leva a crer que ela deu aula para outras pessoas que também não perceberam hehe
     
  7. Larissa

    Larissa Usuário

    É realmente fantástico esse livro.

    Eu conheço uma pessoa com Síndrome de Asperger (que é o que Christopher tem) e essa pessoa é exatamente como o narrador do livro.

    O interessante é que Christopher é "feliz" dentro de suas limitações. Ele se basta, por exemplo, somente contando números e os elevando ao cubo...
     
  8. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Aff, finalmente aprendi como se escreve o nome da síndrome do Christopher!! Eu só ouvia minha professora falando e não sabia como escrever hehehe

    Agora posso pesquisar sobre isso XD
     
  9. Larissa

    Larissa Usuário

    Ah Ana, eu não sabia até ontem, quando resolví ler a orelha do livro! =] Eu descobri o nome de verdade lá, antes pensava que era só autismo pura e simplesmente...
     
  10. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Meu livro não tem orelhas :cry:

    Então é por causa dessa síndrome que ele apresenta aqueles outros sintomas tipo do personagem do Jack Nicholson em Melhor Impossível? :eh:

    Ó, tirei lá da wiki:

     
    Última edição: 12 Abr 2006
  11. Larissa

    Larissa Usuário

    Acho que não...
    Ele gosta de verdades absolutas e é muito perfeccionista (por exemplo, não usa banheiros públicos), mas as "manias", como a da cor vermelha, acho que são só manias mesmo! (claro que a doença ajuda a desenvolver manias...)
    A Síndrome como um padrão, até onde eu sei, causa coisas do tipo:
    - Não gostar de ser tocado
    - Mania de matemática
    - Querer decorar TUDO (tudo mesmo, até ordem que os ônibus passam)
    - Não entender piadas
    - Gostar de verdades absolutas
    E etc.
     
    Última edição: 12 Abr 2006

Compartilhar