1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

PC The Book of Unwritten Tales

Tópico em 'Jogos Eletrônicos' iniciado por Siker, 25 Set 2012.

  1. Siker

    Siker Artista Comercial / Projetista Gráfico

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Point-and-Click é um gênero que já faz parte da história dos videogames, mas mesmo mais de 30 anos depois, mesmo com o abandono deste segmento pelas grandes empresas, ainda é possível encontrar excelentes títulos no mercado. Com o abandono do mercado pelas grandes empresas os estúdios indies tem dominado o mercado com criativos e divertidos títulos. King Art games é uma dessas empresas e divertido certamente é o melhor adjetivo para acompanhar The Book of Unwritten Tales, seu mais novo jogo.

    The Book of Unwitten Tales (BoUT), ou O Livro de Contos Não Escritos em tradução livre, é um jogo tradicional de Point-and-Click, nunca desviando da fórmula que popularizou o gênero, o qual apresenta um conto pouco convencional. BoUT é uma história divertida que mistura sátira com tributos a diversas outras obras ao mesmo tempo que apresenta um enredo divertido capaz de motivar o jogador a continuar jogando. A história começa com McGruffin, um arqueólogo gremilin, apresentando um breve resumo sobre o conflito que está ocorrendo no mundo e como um recém descoberto artefato pode mudar o rumo desta batalha. Convenientemente neste momento McGruffin é raptado por um dos vilões e o jogador é prontamente apresentado para um dos personagens do jogo, a elfa Ivo. Com o avançar do jogo conhecemos o gnomo Willbur e o hilário Nathaniel com seu companheiro Critter. O jogador irá guiar cada personagem através de uma fantástica história controlando cada personagem separadamente até o momento que todos se encontram.

    BoUT é apresentado como um Point-and-click tradicional. O jogo ocorre em uma série de cenas estáticas na qual controlamos um dos personagens e interagimos com o cenário. Cada enigma é composto por diversos problemas que temos que resolver ao realizar uma ação específica com um item específico. Infelizmente o jogo nunca desafia o jogador, tendo enigmas muito simples e mesmo que tenha que fazer uma série de interações a resposta é sempre óbvia. No entanto a simplicidade não chega a atrapalhar o jogo já que o foco está na diversão. Para as pessoas mais envolvidas na cultura “nerd” o jogo irá reviver cenas clássicas já conhecidas. Senhor dos Anéis, Star Wars, Discworld e muito mais pode ser encontrado neste jogo. Todas essas referências são brilhantemente trabalhadas e serão claras para os conhecedores enquanto parecerão apenas parte do enredo para os olhos destreinados, não atrapalhando assim a diversão dos que não conhecem as obras referenciadas.

    A arte do jogo é excelente, se equiparando aos melhores títulos do gênero. O cenário, personagens e iluminação apresentam um incrível nível de detalhes e transmitem com perfeição o mundo fantástico no qual o jogo está ambientado. É uma pena que todo o trabalho da equipe passe desapercebido durante as animações, que estão bem abaixo do padrão estabelecido pelo resto do jogo. BoUT utiliza uma abordagem 3D para as animações, assim como para o resto do jogo, mas neste momento o nível de detalhe é muito menor o que nos faz questionar porque o pequeno estúdio alemão não utilizou uma animação em cell shade ou animação tradicional nestes momentos.

    Mesmo com o alto padrão da arte visual de BoUT o seu resultado é superado pelo áudio do jogo, que claramente é o ponto forte do jogo. A trilha sonora é ótima e ambienta o jogo com qualidade, mas o diferencial do jogo está na atuação dos personagens. Todos os diálogos e observações no jogo apresentam uma narração feita de forma brilhante e capaz de transmitir o humor do jogo. A complexidade e qualidade da atuação estão entre as melhores que já vimos em um jogo, seja ele indie, triple A, novo ou velho. Um pequeno problema que tenho que apontar é que como o jogo foi feito originalmente em alemão e traduzido para o inglês mais tarde, no entanto para os mais fluentes em inglês é possível perceber um pequeno erro ou outro na parte da gramática. A frequência destes erros é baixa e em momentos de menor importância, portanto não irá atrapalhar a experiência de jogo.

    Ao manter um gameplay tradicional e com altíssima qualidade The Book of Unwritten Tales é o melhor jogo de aventura dos últimos anos, além de ser um dos melhores trabalhos de homenagem que eu já vi. O jogo utiliza o humor narrativa para manter atual um dos gêneros mais antigos dos games. Com gráficos ótimos, áudio excelente e uma aventura que irá entreter o jogador por um pouco mais de dez horas BoUT certamente é uma compra recomendada pelo seu baixo preço e altíssimo valor.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    _______________________

    Esse texto já fala praticamente tudo sobre o jogo, o melhor são as referências a Star Wars, Indiana Jones e Senhor dos Anéis, além das diversas piadas com esse universo da fantasia, aventura e RPG. Além da própria história, o humor também motiva a continuar jogando e resolvendo os enigmas, é perfeito para quem procura um entretenimento.

    Confira mais sobre o jogo, o trailer, e a demo no
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Siker

    Siker Artista Comercial / Projetista Gráfico

    Gostei muito, a falta de sincronização dos personagens com a fala nem incomoda, todo o ambiente criado assim como o humor conseguem segurar o jogo até o fim. Já existe uma
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    focando a história em Nate e Critter.
     
  3. Captain Beyond

    Captain Beyond Usuário

    Esse jogo parece ser muito bom mesmo. :think:

    Há muito tempo que não jogo um point-'n'-click além de jogos em Flash, e admito que sinto falta de um Monkey Island da vida.
     

Compartilhar