1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Terra em Transe (idem, 1967)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Hugo, 10 Set 2003.

  1. Hugo

    Hugo Hail to the Thief

    Equipe Técnica

    Direção e roteiro: Glauber Rocha
    Direção de fotografia: Luiz Carlos Barreto
    Câmera: Dib Lutfi
    Engenheiro de som: Aluizio Viana
    Montagem: Eduardo Escorel

    Comentários: Para quem pensa (como eu pensava) que o (bom) cinema nacional, só começou a existir depois de "Carlota Joaquina" está redondamente enganado. Este filme é um dos mais famosos do período conhecido como "Cinema Novo", sendo que o diretor foi o principal cineasta desta fase do nosso cinema. Agora vou colocar algumas palavras do próprio Glauber que definem este período: "(...) Onde houver um cineasta disposto a filmar a verdade e a enfrentar os padrões hipócritas e policialescos da censura intelectual, aí haverá um germe vivo do Cinema Novo. Onde houver um cineasta disposto a enfrentar o comercialismo, a exploração, a pornografia, o tecnicismo, aí haverá um germe do Cinema Novo. Onde houver um cineasta, de qualquer idade ou de qualquer procedência, pronto a pôr seu cinema e as sua profissão a serviço das causas importantes do seu tempo, aí o haverá um germe do Cinema Novo. A definição é esta e por esta definição o Cinema Novo se marginaliza da indústria porque o compromisso do Cinema Industrial é com a mentira e com a exploração. A integração econômica e industrial do Cinema Novo depende da liberdade da América Latina. Para esta liberdade o Cinema Novo empenha-se, em nome de si próprio, de seus mais próximos e dispersos integrantes, dos mais burros aos mais talentosos, dos mais fracos aos mais fortes. É uma questão moral que se refletirá nos filmes, no tempo de filmar um homem ou uma casa, no detalhe que observar, na moral que pregar: não é um filme mas um conjunto de filmes em evolução que dará, por fim, ao público a consciência de sua própria miséria."

    Voltando ao filme: Ele foi feito durante o período da ditadura no país que durou cerca de 20 anos. O filme se passa em Eldorado, um país conturbado e cheio de problemas. Bem parecido com o Brasil da época (e pq não de hoje) e também com vários outros países da America Latina. O filme é bem caótico como o título sugere e fala principalmente de política, mas também sobram farpas para as elites, para a igreja e para o povo. O personagem central é Paulo Martins, um jornalista que faz várias críticas durante todo o filme contra o governador. Desta forma a denúncia está sempre presente, e também a sátira aos políticos em geral que inclusive permanece atual até os dias de hoje. É interessante ver a forma com que Glauber faz tudo isso. Pra começar o filme tem um linha descontínua, e em certos momentos chega a ficar confuso. A estética também é diferente e ficou conhecida como a "Estética da Violência", em que as imagens propunham mais do que mostravam e se tornavam insuportáveis a medida que o espectador ia recebendo tudo aquilo.

    Por fim este depoimento, de 1967 ainda muito atual:

    "Por ser um filme sem concessões, caotico, polêmico, feito sem a intenção de agradar a quem quer que seja, a ele e ao autor são lançadas as maiores acusações, reacionárias no mais amplo sentido da palavra. A visão do grande público brasileiro está condicionada, parada no tempo, acostumada a linguagem simplista, estacionada no "E o Vento Levou". Enquanto isso, "Terra em Transe" marca a divisão de duas épocas, e sua tentativa de criar uma linguagem nova chega a chocar, não é aceita de imediato.

    (Luiz Carlos Barreto, co-produtor e diretor de fotografia à Folha de SP em maio de 67.)

    Perto deste TERRA EM TRANSE, filmes como Cidade de Deus e Carandiru soam como "filmes pipoca".

    Cotação:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Referência Virtual:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Sister Jack

    Sister Jack Usuário

    Mas Cidade de Deus é um filme pipoca, com uma crítica superficial e simples demais sobre a situação social podre e violência para as/das pessoas de classe pobre. No fundo, no coração do filme, "Cidade de Deus" é entretenimento "exploitation" e exercício em estilo, e um bom filme nisso (só nisso, IMO).

    E eu não lembro nada de "Terra em Transe", não estou em posição de comentar. Vi a uns 3 ou 4 anos atrás na casa de uma tia que tinha um monte de filmes do Rocha e já encontrou com o próprio algumas vezes (ela é jornalista).

    MAS, vou procurar esse final de semana, junto com "Deus e o Diabo na Terra do Sol".

    Bom ver você dando crédito as suas inspirações.
     
  3. Hugo

    Hugo Hail to the Thief

    Eu copiei deste blog só a citações do Glauber e do fotografo, que a dona do blog copiou de outros lugares...

    CIDADE DE DEUS é um filme pipoca mesmo, mas tem gente que acha que o filme é mais do ele é. São aqueles burgueses que foram no cinema e depois sairam achando que cumpriram o dever com a sociedade...
     
  4. Kiwi

    Kiwi mi perna está jodida.

Compartilhar