1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Técnica e Timbre.

Tópico em 'Música' iniciado por Fëaruin Alcarintur ¥, 16 Nov 2002.

  1. Fëaruin Alcarintur ¥

    Fëaruin Alcarintur ¥ Alto-rei de Alcarost

    Eu vou aqui meio que repetir um post meu dum dos tópico, que quando escrevi estava pensando nisso. Sobre a questão de que, quase sempre, quando um guitarrista trabalha mais sua técnica, de maneira incessante, ele acaba esquecendo do timbre, a verdadeira identidade do músico.

    Isso é um grande problema notado nos jovens guitarristas, que estão mais interessados em tocar com velocidade para impressionar, do que tocar direito. Sendo que, muitas vezes, uma única nota soada perfeitamente, no local perfeito, é bem melhor que um monte de arpejos e sweep picking. Reconheço que trabalho muito a minha técnica, mas é comum eu tirar tardes inteiras trabalhando apenas na pegada e no timbre, ou seja, no feeling. Confesso que ultimamente tenho trabalhado mais minha técnica, mas apenas faço isso pq já trabalhei muito o meio timbre, e tenho ele praticamente definido. Um timbre que agrada a mim e meus companheiros de banda.

    Ser um bom guitarrista não implica em jogar amontoados de arpejos tocados a velocidades absurdas. Alías, guitarristas que fazem isso são taxados de desprovidos de emoção. Eles são frios e mais parecem estar tocando por obrigação que por vontade. Além disso, eles acabam se tornando enjoativos. Sejamos realistas, ninguém quer ficar vendo e/ou ouvindo o cara tacando inúmeras técnicas em solos intermináveis. Esse tipo de coisa só impressiona mesmo outros guitarristas, e ainda assim, nem todos.
    Tome Malmsteen como exemplo. Ele toca muito, é absurdo, mas o estilo dele é muito enjoativo, pois quando tem aquela quedinha ou parada para começo de solo, vc já sabe o que virá. Um monte de notas em alta-velocidade, e arpejos aos montes. Sem falar que a atitude dele é muito ruim, ele é antipático. Um grande babaca. Eu ouso dizer que Malmsteen tem uma técnica invejável, mas, em contrapartida, o timbre que ele tira quando toca não tem nenhum feeling, e como eu já disse, enjoa, e torna-se patético perto de outros Deuses da Guitarra. A gente reconhece Malmsteen pela técnica e não pelo timbre, o que, na minha sincera opinião de músico, é o que deveria garantir a identidade do músico. Por exemplo, pelo timbre, reconhecemos facilmente guitarristas como Slash, Zakk Wylde, Eddie Van Halen e Jason Becker.

    Mas Malmsteen, ao contrário, esconde-se atrás de seus inúmeros arpejos.
     

Compartilhar