1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Teatro de Rua & Circo!

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Conan, 9 Set 2003.

  1. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

    Uma vertente cultural brasileira que é muito pouco valorizada aqui no Brasil, mas que expressa de uma das melhores maneiras a riqueza cultural do país, através de obras de espetáculos na sua maioria na poética Circense, a maioria simplesmente sublime. Alguém mais por aqui conhece e gosta? Mais alguém conhece bons grupos e cursos?

    Bom, tem vários grupos e projetos que adoro, mas segue uma lista de vários projetos na área que fazem circuito aqui na cidade do Rio, alguns acompanhados da minha recomendação, não por serem necessariamente melhores que os outros, mas por eu já ter assistido e gostado:

    -Irmãos Brothers (recomendado):
    Desde 1993, os Irmãos Brothers juntam em seus espetáculos humor, acrobacia, bobagens, palhaçadas e muita irreverência. O grupo surgiu do encontro de três integrantes fundadores da Intrépida Trupe - Alberto Magalhães, Dalmo Cordeiro e Eduardo Andrade - com Nehemias Rezende, e do desejo de explorar ao máximo a potencialidade de seus palhaços-acrobata na mistura de dança, teatro e circo.

    Companhia Cabaré Volante de Circo, Musica e Teatro:
    Acrobatas, atores, malabaristas, músicos, equilibristas: o mais novo grupo circense da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, desde dezembro de 200, não faz por menos: é circo, música, teatro e dança.

    Grupo Off-Sina:(recomendado)
    Companhia de circo-teatro que vem, desde 1986, desenvolvendo uma pesquisa sobre o trabalho do ator. Em 1991 descobriram o teatro de rua e a arte do riso, estudando a linguagem do palhaço, através do resgate das tradicionais reprises circenses. Viaja pelo Brasil levando em sua bagagem espetáculos de circo-teatro e oficinas para um publico que vive em comunidades de baixa renda.

    Los Eléctricos:
    Fábio Florentino e Jerônimo Sérgio, atores, acrobatas e músicos recriam números tragicômicos com uma abordagem contemporânea, brincando de forma crítica e bem humorada como os personagens do dia a dia.

    Teatro de Anônimo:(recomendado)
    O Teatro de Anônimo surgiu em 1986 e se dedica à pesquisa técnica e artística com enfoque na arte da comicidade, das técnicas de acrobacia aérea e no universo teatral das festas populares.
    Possui o Circo Tomara Que Não Chova, circulando com seu repertório de espetáculos, oficinas e exposições. Investe na aquisição de um sobrado na Rua do Mercado nº45, com os grupos O Pedras e Cordão do Boitatá, e tem sede na Fundição Progresso, de onde gere seus projetos.
    Sempre preocupada com o papel social do artista, coordena os projetos Território Cultural e Anjos do Picadeiro - Encontro Internacional de Palhaços, um dos maiores eventos de comicidade do mundo.

    Cia. do Público:(recomendado)
    O grupo domina como poucos o ritmo de cada piada. Improvisa, joga com as palavras e com o momento, surpreendendo sempre e deixando o público completamente arrebatado. Criado em 1994 pelo trio cômico Sérgio Machado, Julio Adrião e Marcio Libar, a companhia segue carreira apresentando-se em praças, clubes, ginásio - onde houver gente querendo rir.

    Rally Circo Show:
    Originalíssima casa de espetáculos sobre rodas, com estrutura para números aéreos e de solo, dotado de som e luz, capaz de se instalar em qualquer espaço e servir de base para cursos e oficinas para a comunidade. Coordenado pr Geraldin Miranda é um dos frutos do Centro Interativo de Circo.

    Os Fulanos:
    Dedé e Pul são gaúchos, mas logo descobriram que o negocio deles é fazer o povo rir. Migraram para o Rio de Janeiro e, desde 1997, se apresentam nas praças da cidade com seu projeto Humor da Rua.

    Central de Santa:(recomendado)
    Hubert Barthold, que acumula diversos títulos em Trampolim Acrobático, e Gabi Mendes, bailarina e acrobata aérea, coordenam desde 2001, a Central de Santa, no coração de Santa Teresa. Um espaço de ensaio e pesquisa, completamente equipado e adequado para o ensino e pesquisa das artes circenses para profissionais e iniciantes, crianças e adultos.

    As Marias da Graça:(recomendado)
    A primeira trupe de palhaças que se tem notícia. Foi criada no Rio de Janeiro, em 1991. Viajaram por todo o Brasil, ganharam prêmios, conquistaram o público e a crítica, e seguiram em frente revelando as Inúmeras Graças de todas as Marias.

    Fuzarca da Lira:(recomendado)
    Irreverente trupe que reúne palhaços-cantor e brincadeiras tradicionais brasileiras. Criada em 1999, a Fuzarca é formada pelos palhaços Batuca (Cristina Brasil), Catavento (Jefferson Barbosa), Dr. Giramundo (Yeda Dantas) e Tibita (Wilson Belém), e conta com o auxilio dos músicos André Moreno e Thiago Assis. Cada palhaço tem sua própria historia; juntos, formam um grupo ainda mais hilário.

    Palhaço Bicudo:
    Bicudo é Ségio Bustamente: ator, palhaço, mímico e catarinense. Participou de inúmeros encontros internacionais de palhaço como o Anjo do Picadeiro (RJ) e o Riso da Terra (PB). Seu ultimo espetáculo, dirigido por Luiz Carlos Nem, chama-se Bicudo Forever, onde busca um equilíbrio entre o grotesco e o poético, alcançando assim, um olhar singelo para o turbulento material daquele que é considerado por muitos, "um dos mais sensíveis palhaços do Brasil".

    Grande Companhia de Mystérios e Novidades:
    Companhia de teatro de rua, de praça, de palcos e espaços sem fim, a Grande Companhia de Mystério e Novidades, nascida em São Paulo, em 1981, tem sua trajetória marcada pelas inúmeras peripécias de sua inquieta diretora Ligia Veiga. Atriz, musicista, dançarina e eximia conhecedora da nobre e atiqüissima arte de se equilibrar na perna de pau e nela dançar, representar e lutar.

    Valdevinos de Oliveira - Pequeno Teatro Cômico:(recomendado)
    O Valdevinos de Oliveira desenvolve sua investigação artística dentro do universo cômico e circense. O grupo acredita na transformação pessoa e social através do riso e da brincadeira, e na cultura da generosidade e afetividade. Criado em 1998, é formado pelos atores Fabiana Poppius, Fábio Freitas e Leonardo Carnevale.

    Intrépida Trupe:(altamente recomendado)
    Fundada em 1986, A Intrépida Trupe revolucionou a linguagem circense brasileira. Radicalmente Contemporâneos, mesclam teatro, dança e circo, inovando permanentemente equipamentos e técnicas. A partir de 1992, o grupo também deu atenção especial a seus projetos sociais estabelecendo parcerias com diversas ONGs. Nos últimos anos, a Intrépida vem mostrando que é possível para um grupo manter-se atuante e em permanente renovação.

    Circo Grog:
    O Circo Grog é um trio que pesquisa a técnica do palhaço, do bufão e do circo buscando o desenvolvimento de um trabalho onde o material humano, na forma mais essencial, seja o fator de atuação.

    Os Melodramáticos:
    Os Melodramáticos é a nova companhia de Ana Luísa Cardoso. Palhaça( Margarita), atriz, diretora e professora, é pioneira do nariz vermelho, alem de uma das criadoras do Centro Brasileiro de Teatro para a Infância e Juventude, o CBTIJ e d´As Marias da Graça. Recentemente os Melodramáticos estrearam os espetáculo Coração de Luto - Melodrama Circense.

    Fonte: Circuito Carioca de Teatro de Rua Circo e Folias.

    Depois eu posto mais e tambem um endereço de um lugar aqui no Rio que tem cursos bons e de graça aqui no Rio.
     
  2. Eru- o Ilúvatar

    Eru- o Ilúvatar Usuário

    Teatro de rua é algo que vale a pena apreciar. A qualidade é excepcional, os atores não só tem presença de palco como sabem interagir com o público e por aí vai. E além disso, remonta a uma tradição que data dos teatros mambembes da Idade Média, pra quem não sabe do que estou falando assista A Viagem do Capitão Tornado, do Étore Scola.

    Tivemos a oportunidade de assistir recentemente uma peça do grupo Galpão, uma releitura de uma peça de Moliére pelo próprio grupo. E foi uma experiência inesquecível, com direito a música, humor, coreografias e tudo o que se pode esperar de um bom teatro.
     
  3. *Delirium*

    *Delirium* Usuário

    Nossa como eu pude passar tanto tempo, sem ter visto este tópico :?
    muito bom as sus dicas Conan...eu adoro Curitiba mas nessas horas, putz eu não só queria como precisava saborear pelo menos a metade de suas dicas. :mrgreen: Eu faço faculdade de teatro e aqui na faculdade tem um grupo de estudos o qual eu faço parte, que por sua vez vêm estudando Teatro de rua. Puxa é apaixonante, confesso que por enquanto eu apenas lí e conversei muito sobre o assunto não sei se vc já leu O teatro do oprimido é muito bom, na realidade eu tô lendo sobre o espaço cênico, é aí que entra o teatro de rua e todo o embasamento teórico da minha pesquisa que é uma critica ao modelo de palco a italiana...e por aí vai, é muito importante saber que existe toda essa possibilidade de pesquisa de campo, acontecendo em tempo real :mrgreen: valeu !
     

Compartilhar