1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Teatro: A Morte de um Caixeiro Viajante

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Peregrin, 29 Ago 2003.

  1. Peregrin

    Peregrin Technologic

    Assisti ontem a esta adaptação da obra de Arthur Miller, que está sendo representada aqui no Rio de Janeiro. Bom, sempre tive vontade de ver uma peça do Arthur Miller, pois ele é considerado um dos maiores (senão o maior) autor teatral do Ocidente, e "A Morte de um Caixeiro Viajante" é a mais famosa de suas peças.

    Essa última adaptação nacional é dirigida por Felipe Hirsch e tem um elenco de peso: Marco Nanini, Gabriel Braga Nunes, Rubens Caribé, Analu Prestes, Francisco Milani e os não-globais Juliana Carneiro da Cunha, Pedro Brício, Guilherme Weber e outros.

    A peça, tipicamente americana, se passa na primeira metade do século XX (década de 30 ou 40, não consegui me situar com precisão) e conta a história de Willy Loman (Marco Nanini), um caixeiro viajante que, aos 63 anos, passa por uma profunda crise financeira e emocional ao perceber que não conseguiu realizar os sonhos que alimentou durante toda a sua vida. Sua esposa (Juliana Carneiro da Cunha) é uma mulher completamente submissa e que sempre alimentou os sonhos do marido, mas agora precisa demonstrar força pra ajudá-lo. Há também os seus filhos, Biff (Guilherme Weber) e Happy (Gabriel Braga Nunes), que já passaram dos 30 anos e não conseguiram nada na vida.

    Entre os delírios de Willy e as decisões que ele precisa tomar no presente, ficamos conhecendo a sua história e como a família chegou àquele ponto, de ter todos os sonhos destruídos após vivendo décadas na ilusão de que algo muito melhor sempre estaria por vir. A peça é uma grande crítica ao "american way of life", uma ruptura com a América dos sonhos, que acolheria todos os seus filhos como iguais e faria todos felizes, com sua geladeira de marca, o carro famoso e gravador e todo tipo de objeto, sendo ele útil ou não.

    Como não sabia nada sobre a peça, não tenho como avaliar se essa montagem foi fiel ou não, mas digo que adorei. Apesar das três horas de duração (com apenas um breve intervalo entre os dois atos) e do desconforto das cadeiras do Teatro João Caetano, vale a pena dar uma conferida, ainda mais pra ver Marco Nanini atuando. E atenção, é a última semana aqui no Rio, só vai até domingo!

    Aqui vão os dados pra quem estiver interessado:

    A Morte de um Caixeiro Viajante

    Teatro João Caetano
    Praça Tiradentes, s/n°, Centro
    Tel.: 2221-1223

    Dias e horários: Quinta a sábado, às 21 horas. Domingo, às 18 horas.

    Preços: R$ 20 (platéia e balcão nobre) e R$ 15 (balcão simples).

    Mas atenção: estudantes e maiores de 65 anos pagam meia! Ou seja, paguei R$ 10,00 pra assistir a uma ótima peça e na platéia, que é pertinho do palco. É só um pouquinho mais caro que no cinema :)

    Além disso, vale pra visitar o Teatro João Caetano, que está fazendo 190 anos e é uma relíquia histórica do país.
     

Compartilhar