1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Sugestão Do Dia - LP's, CD's e Afins.

Tópico em 'Música' iniciado por Progger58, 23 Mar 2006.

  1. Progger58

    Progger58 Usuário

    Sugira aos colegas de forum um bom disco (pode ser CD, DVD de música/show, vinil, o que for), procurando conter, na medida do possível, as seguintes informações:

    Grupo ou artista: xxx
    Título: xxx
    Ano: xxx
    Gênero: xxx
    Informações técnicas (no caso de DVD’s): xxx
    Breve avaliação (o por quê de sua indicação do disco): xxx

    E aí, quem se habilita a inaugurar este tópico com uma boa sugestão do dia? :joinha:

    Demétrio.
     
  2. Idril

    Idril Usuário

    Re: Sugestão Do Dia

    Ah, Progger, tem esse tópico aqui, com a mesma proposta:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    EDIT: Me cafundi e indiquei o tópico para a indicação de bandas :gotinha: Eu tenho certeza de que tem algo do tipo por aqui...:think:

    Mas já que não achei, vamos reabrir este tópico! :cerva:


    Ah... E para indicar bandas sem querer citar um álbum em específico, utilizem o tópico que citei neste post. :wink:
     
    Última edição: 23 Mar 2006
  3. Progger58

    Progger58 Usuário

    Maravilha, Idril, muito obrigado!!! :joy: :cerva:

    Então, inaugurando o tópico, segue a minha sugestão de hoje:

    FLAMING LIPS - Soft Bulletin

    Ano: 1999
    Gênero: Post-Rock

    Um dos expoentes do gênero Post-Rock (ou Neo-Psicodelia), o Flaming Lips está na estrada desde 1982. Soft Bulletin é um dos mais recentes trabalhos da banda e, dentre os discos que eu conheço do grupo, este é o meu predileto.

    São características marcantes no som do Flaming Lips os vocais distorcidos e uma grande presença de massa instrumental (guitarras, bateria, baixo e teclados), tudo isso combinado com muitos efeitos eletrônicos de distorção (synths, loops, tapes, samples, etc.), coral e arranjos orquestrais bem etéreos e viajantes, além de interessantes variações de andamento.

    Destaques para as faixas Race for the Prize (cuja letra fala sobre uma disputa entre dois cientistas procurando a cura para uma doença), A Spoonful Weighs a Ton, que começa meio lenta e onírica, com utilização de coral e orquestra, mas logo em seguida entram bateria e guitarras conferindo peso à música, The Spark That Bled (que tem como subtítulo "The Softest Bullet Ever Shot", ou seja, "a bala mais macia jamais disparada"), mantendo o mesmo clima épico e magistral das faixas anteriores, a retumbante The Gash, com um coral gospel e um tema que faz alusão ao mesmo tempo à guerra e à própria vida, a fúnebre e psicodélica Feeling Yourself Disintegrate, com uma melodia belíssima, arranjos orquestrais idem e uma batida meio marcial, e a instrumental Sleeping on the Roof, bem viajandona e relaxante.

    O disco mescla influências as mais variadas, tais como Yes, Pink Floyd e, muito acentuadamente, Beach Boys (notadamente o disco "Pet Sounds").

    Demétrio.
     
    Última edição: 8 Abr 2007
  4. Idril

    Idril Usuário

    Tenho coisa interessante pra dedéu pra indicar, mas vou começar pelo básico do básico - embora algumas pessoas possam perguntar sobre que CD comprar/escutar de bandas e cantores mais do que famosos.

    Grupo ou artista: Madonna
    Título: Bedtime Stories
    Ano: 1994
    Gênero: Pop, embora neste CD você possa encontrar Jazz, Rythm & Blues modernos misturados a elementos do dance e pop.

    Faixas:
    01 - Survival
    02 - Secret
    03 - I'd Rather Be Your Lover
    04 - Don't Stop
    05 - Inside Of Me
    06 - Human Nature
    07 - Forbidden Love
    08 - Love Tried To Welcome Me
    09 - Sanctuary
    10 - Bedtime Stories
    11 - Take A Bow

    Temos um pequeno empecilho quanto a este CD, no Brasil: é material raro e, pelo que aprece, está fora de catálogo e não se acha a versão nacional para venda - somente versões importadas. O motivo de pararem de produzir este CD em nosso país eu desconheço e acho um absurdo, seja lá o que alegarem: é o melhor CD da carreira da Madonna.

    Dois anos após o lançamento do álbum "Erotica", do livro "Sex" e tantas outras coisas que deixavam a mostra que Madonna sofria de uma overdose de erotismo e sexo, levando tudo isso a muita polêmica, a carreira da cantora se encontrava de vez em perigo. Polêmica não é sinal de fracasso, tanto que o álbum Erotica e os outros mateirais citados venderam milhões e milhões - e esse álbum também é um dos melhores dela.

    Veio "Bedtime Stories", que demorou um pouco para sair - gravações estressantes, envolvendo trocas e mais trocas de produtores. Ao contrário de "Erotica" e da maioria dos álbuns anteriores de Madonna, este não é um álbum 100% dançante; em "Bedtime Stories", Madonna pegou carona na onda do R&B com um toque bem sofisticado em suas músicas, além de trazer elementos do Jazz, da Black Music e até mesmo do Techno. Nota-se também que as letras não falam mais de sexo (da forma como era falada antes, pelo menos). O resultado final foi um álbum bastante criativo, que rendeu milhões de cópias vendidas.

    Entre os sucessos deste álbum, temos a balada cheia de suingue intitulada "Secret"; tem também a resposta as críticas negativas de Erotica, retrada em "Human Nature" (que possue um clipe excelente); "Bedtime Stories" que foi produzida por Nelle Hopper, o mesmo produtor de Björk e traz uma certa influência da cantora também; e "Take a Bowl", a balada romântica do álbum que teve um clipe um tanto polêmico.
     
    Última edição: 23 Mar 2006
  5. Progger58

    Progger58 Usuário

    Beleza, Idril, parabéns pela excelente resenha!!! :joinha:

    Aproveito o gancho para indicar um segundo disco hoje:

    ALL ABOUT EVE - Scarlet and Other Stories

    Origem: Inglaterrra
    Ano: 1989
    Gênero: Folk-rock gótico

    A sonoridade do All About Eve pode ser descrita como uma interessante fusão de rock com pitadas folk, meio que um mix de gótico e idílico, com uma das vozes mais bonitas do gênero, Julianne Regan. A título de comparação, poderíamos ainda tentar descrever o som do All About Eve como um mix de Sarah McLachlan e The Gathering. Para quem aqui conhece o grupo Grey Eye Glances, posso dizer que é bastante similar.

    A banda gravou seu primeiro disco, homônimo, em 1988, sendo este Scarlet & Other Stories (1989) o seu segundo trabalho. Depois deste viriam Touched by Jesus (1991) e Ultraviolet (1992), sendo que Scarlet & Other Stories e Touched by Jesus são NMO os melhores trabalhos do grupo. :joinha:

    O guitarrista Tim Bricheno deixou o All About Eve após a gravação de Scarlet & Other Stories, indo juntar-se ao grupo Sisters of Mercy. No disco seguinte, Touched by Jesus, quem assumiu o seu lugar foi o guitarrista Marty Willson-Piper, membro do excelente grupo australiano The Church.

    Depois da gravação desses quatro discos a banda se dissolveu, reagrupando-se posteriormente quando convidada a abrir alguns shows do grupo The Mission, após o que a própria banda sentiu-se também estimulada a fazer uma tour de dois anos, a qual resultou nos discos ao vivo Fairy Light Nights – Vols. 1 & 2 (os quais ainda não tenho, mas que dizem serem excelentes).

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Demétrio.
     
    Última edição: 8 Abr 2007
  6. Faramir Estel

    Faramir Estel By Demons Be Driven

    Grupo ou artista: Uriah Heep
    Título: Live January '73
    Ano: 1973
    Gênero: Hard Rock/Prog

    Integrantes:
    David Byron (Vocais)
    Mick Box (Guitarra)
    Ken Hensley (Teclados/Backing Vocals)
    Gary Thain (Baixo)
    Lee Kerslake (Bateria)

    Faixas:
    1. SUNRISE (Hensley) 3.50
    2. SWEET LORRAINE (Box/Byron/Thain) 4.27
    3. TRAVELLER IN TIME (Byron/Box/Kerslake) 3.20
    4. EASY LIVIN’ (Hensley) 2.43
    5. JULY MORNING (Hensley/Byron) 11.23
    6. TEARS IN MY EYES (Hensley) 4.34
    7. GYPSY (Box/Byron) 13.32
    8. CIRCLE OF HANDS (Hensley) 8.47
    9. LOOK AT YOURSELF (Hensley) 5.57
    10. THE MAGICIAN’S BIRTHDAY (Hensley/Box/Kerslake) 1.15
    11. LOVE MACHINE (Hensley/Byron/Box) 3.07
    12. ROCK ‘N’ ROLL MEDLEY:
    Love Machine
    Roll Over Bethoveen
    Blue Suede Shoes
    Mean Woman Blues
    Hound Dog
    At the Hop
    Wholle Lotta Shakin' Goin' On
    Blue Suede Shoes (Reprise) 8.17

    Bom, pra quem não sabe o Uriah Heep é considerado até hoje um dos grandes expoentes do Hard Rock Progressivo (ou setentista). Esse ao vivo foi gravado na época auréa da banda, após o lançamento dos clássicos Demons and Wizards e The Magician's Birthday.
    Enfim, um show a parte. David Byron esbanjando carisma na hora de cantar, a bateria sempre precisa de Lee Kerslake, o baixo de Gary Thain e a guitarra de Mick Box sempre acompanhando muito bem o teclado. Teclado que domina boa parte do instrumental, com o monstruoso Ken Hensley, um dos maiores nomes do genero fazendo um solo absurdo em Gypsy.
    Bom, recomendado a todo mundo que ainda morre de paixão por uma das melhores décadas da música.
     
  7. Progger58

    Progger58 Usuário

    Poxa, sou fã demais do Uriah Heep também!!! :joinha:
     
  8. Idril

    Idril Usuário

    Uriah Heep é sensacional. Uma das bandas que possuem um canto especial no meu coração. :grinlove:

    Bela reocmendação, Faramir!!!
     
  9. Faramir Estel

    Faramir Estel By Demons Be Driven

    Grupo ou artista: Uriah Heep
    Título: Electrically Driven
    Ano: 2001
    Gênero: Hard Rock/Prog

    Integrantes:
    Bernie Shaw (Vocais)
    Mick Box (Guitarra/Backing Vocals)
    Phil Lanzon (Teclados/Backing Vocals)
    Trevor Bolder (Baixo/Backing Vocals)
    Lee Kerslake (Bateria/Backing Vocals)
    Ian Anderson [Jethro Tull] (Flauta)

    Faixas:
    1. RETURN TO FANTASY (Hensley/Byron) 4.44
    2. UNIVERSAL WHEELS (Box/Lanzon) 5.27
    3. BIRD OF PREY (Box/Byron/Hensley/Newton) 4.41
    4. STEALIN' (Hensley) 5.45
    5. BETWEEN TWO WORLDS (Box/Lanzon) 6.09
    6. I HEAR VOICES (Bolder) 4.00
    7. COME AWAY MELINDA (Hellerman/Minkoff) 4.26
    8. CIRCUS (Thain/Box/Kerslake) 3.57
    9. BLIND EYE (Hensley) 3.35
    10. SUNRISE (Hensley) 4.10
    11. GYPSY (Box/Byron) 3.21
    12. JULY MORNING (Hensley/Byron) 10.37
    13. EASY LIVIN' (Hensley) 3.36

    Destaque: A pesada e underrated "Bird of Prey", uma das melhores músicas da banda.

    Depois da perder seus dois maiores músicos (David Byron e Ken Hensley) era a hora de Mick Box seguir em frente com a banda. Infelizmente não deu muito certo: a banda teve uma década de 80 muito conturbada, muita gente entrando e saindo da banda, discos fracos e uma sonoridade totalmente fora da proposta nos anos 70. Até que em 89 aparece o salvador da banda: o vocalista Bernie Shaw (que havia saído do Praying Mantis).
    Com isso o Uriah Heep virou de cabeça pro ar, a entrada e saída de membros parou, vieram ótimos albuns e tudo se estabilizou.
    Voltando ao disco, Electrically Driven é o que podemos de chamar de "Official Bootleg", mas está muito mais para um cd ao vivo, porque a qualidade de som não é nenhum um pouco de boot e sim dum bom cd mixado.
    O show se passa tempo depois da gravação do Acoustically Driven, e conta com um setlist com algumas músicas do acústico só que agora nas versão originais e conta com o lendário vocalista/flautista da banda Jethro Tull, fornecendo ótimas linhas de flauta para as músicas do acústico.
    É por aqui que você vê que a banda renasceu. Que me desculpem os fãs de Byron, mas Bernie Shaw é um dos melhores vocalistas do genero. O que o cara faz no cd inteiro é absurdo, e a banda melhorou muito também. Agora todos membros da banda aprenderam a cantar um pouco o que deu nova forças pras músicas antigas (que ao vivo só contavam com Ken Hensley nos backing vocals) e os membros atuais são muitos bons.
    O setlist mistura tanto músicas do ultimo trabalho de estúdio da banda (Sonic Origami) quanto os clássicos que marcaram a banda tanto na década de 70 como de 80.
     
  10. Progger58

    Progger58 Usuário

    Minha sugestão de hoje:

    RADIOHEAD – OK Computer

    País: Inglaterra
    Ano: 1997
    Gênero: Art/Indie Rock

    Este foi o disco que consolidou definitivamente o Radiohead como uma das bandas mais importantes de sua geração, tornando-se até, por assim dizer, aquela em que outras procurariam se espelhar a partir de então (exemplos: Coldplay e Pineapple Thief).

    OK Computer é um disco sombrio, soturno, introspectivo, onde melodias tristes combinam-se perfeitamente com a voz angustiada de Thom para criar uma atmosfera bastante melancólica e depressiva. Um disco excelente da primeira à última faixa, recheado de elementos eletrônicos na medida certa, uma boa dose de experimentalismo e ótimas influências do rock progressivo, além de atuações inspiradíssimas de todos os membros da banda (principalmente Thom nos vocais). Duas músicas em particular neste disco que eu considero belíssimas: Paranoid Android e Exit Music.

    NMO, uma obra fundamental na história do rock moderno. :clap: :clap: :clap:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Demétrio.
     
    Última edição: 8 Abr 2007
  11. Faramir Estel

    Faramir Estel By Demons Be Driven

    Esse disco do Radiohead me dá sono de tão chato. :|

    Grupo ou artista: Vision Divine
    Título: The Perfect Machine
    Ano: 2005
    Gênero: Power Metal

    Integrantes
    Olaf Thorsen - Guitarra
    Michele Luppi - Vocais
    Andrea ``Tower`` Torricini - Baixo
    Ricky Quagliato - Bateria
    Alessio "Tom" Lucatti - Teclado
    Federico Puleri - Guitarra

    Tracklist
    1 - The Perfect Machine
    2 - 1st Day of a Never Ending Day
    3 - The Ancestor's Blood
    4 - Land of Fear
    5 - God is Dead
    6 - Rising Sun
    7 - Here In 6048
    8 - The River
    9 - Now That You've Gone
    10 - The Needle Lies (Queensryche Cover)

    Depois de se livrar do chatíssimo beirando ao extremo insuportavel Fabio Lione o Vision Divine vira uma banda de verdade. No lugar da escória entra o vocalista Michelle Luppi, um dos melhores atualmente no genero.
    Eu sinceramente não sou fã do genero metal melódico, mas esse cd é ótimo e se salva pela sonoridade inovadora, boas composições e belos arranjos fugindo de bandas como Stratochato, Helloruim, etc.
    O cd não podia começar melhor, a faixa-titulo do album é uma ótima música com um refrão empolgante e mostrando que a banda definitavamente achou seu rumo.
    Ainda temos Land of Fear, God is Dead e The Ancestor's Blood como grandes destaques do album. A mais fraca fica por conta da Now That You've Gone que não chega a empolgar.
    De faixa bônus temos um cover para o clássico do Queensryche, onde mais uma vez vemos a potência da voz de Michelle Lupi.
    Talvez alguns não gostem por causa do estilo, mas se você já foi fã ou é ainda do genero vale a pena dar uma conferida.
     
    Última edição: 24 Mar 2006
  12. Silenzio

    Silenzio Visitante

    Eu já achei isso, apesar de que esse foi BEM mais fácil de gostar do que o Kid A (que ainda não me agrada realmente).
    No começo eu só gostava de Karma Police e No Suprises. Mas ouvindo com muita calma passei a achar todo álbum maravilhoso. E se no começo foi uma tortura, hoje é um prazer ouví-lo.
     
  13. Idril

    Idril Usuário

    Eu preciso ouvir o "Ok Computer" com cautela, das p´roximas vezes. Acho ele chato também, prefiro o Kid A. :think:
     
  14. Faramir Estel

    Faramir Estel By Demons Be Driven

    Sério, eu já tentei dar uma chance pra Radiohead, mas simplesmente a música não chega. Grande problema disso é a voz do Thom, que pra mim beira o insuportavel. Ele devia, sei lá, tocar pandeiro na banda e compor as músicas.
    O Kid A eu também já escutei e gostei menos ainda.
     
  15. Sister Jack

    Sister Jack Usuário

    Você tem mal gosto. Sorte sua que é algo que pode ser mudado, como analfabetismo. Você só precisa se empenhar. :cerva:
     
  16. Faramir Estel

    Faramir Estel By Demons Be Driven

    Ah, muito obrigado.
    Mas eu gosto de coisas do genero Indie/Alternativo/etc: Interpol, The Strokes, National, Portishead, etc.
    É um estilo que eu to descobrindo muita coisa interessante, infelizmente, Radiohead continua sendo muito chato pra mim. :D
     
  17. Vovin

    Vovin Steve Vai, The Mars Volta

    Fake Plastic Trees é linda...
    Creep é um saco...

    Minha avaliação sobre Radiohead se resume a isso...
     
  18. Thico

    Thico The Passenger


    Não foi você quem fez um top5 sobre coisas (péssimas diga-se de passagem) melhores que Radiohead?

    Que grande conhecimento você tinha/tem sobre a banda para tal coisa ahn? :clap:
     
    Última edição: 24 Mar 2006
  19. Finrod

    Finrod Visitante

    OK Computer é muito foda, tanto que já foi considerado como um dos melhores discos de rock daquela década.
     
  20. Sister Jack

    Sister Jack Usuário

    Já foi considerado o melhor disco de todos os tempos por pelo menos uma revista (talvez mais).
     

Compartilhar